Etiquetas

, , , , , , , , , , , , , ,

Il gatto a nove code Franco “Cookie” Arnò (Karl Malden) é um cego que, ao passear à noite com a sobrinha Lori (Cinzia De Carolis), ouve uma misteriosa conversa às portas do Instituto Terzi. Esse Instituto e assaltado nessa noite, e a investigação do jornalista Carlo Giordani (James Franciscus), leva-o a Franco. O caso adensa-se quando um dos investigadores do instituto, o Dr. Calabresi (Carlo Alighiero), diz à noiva Bianca Merusi (Rada Rassimov) que sabe quem entrou ali na noite anterior, e o que foi roubado, sendo ele próprio assassinado de seguida. Suspeitando-se de espionagem industrial, Giordani e Arnò vão unir esforços, passando eles próprios a estar sob ameaça do misterioso assassino.

Análise:

Novamente produzido pelo seu pai, Salvatore, Dario Argento estreava em 1971 o seu segundo filme, que seria também o seu segundo giallo , isto é uma história policial de crimes macabros praticados por um misterioso serial killer . Por ter novamente um animal no título, e dada a proximidade (temática e estética) com o filme anterior, seria citado como o segundo de uma trilogia, chamada «trilogia dos animais». Tal como antes, Argento apostava num elenco internacional, e voltava a contar com a música de Ennio Morricone

E o filme centra-se em Franco “Cookie” Arnò (Karl Malden), um antigo jornalista, agora cego, que trabalha em casa em trabalhos de tipografia. Ao passear à noite com a sobrinha Lori (Cinzia De Carolis), Franco ouve uma conversa de dois homens, em que é mencionada chantagem. Um dos homens assalta, nessa noite, o Instituto Terzi, na vizinhança, o que traz a investigação do jornalista Carlo Giordani (James Franciscus), o qual se interessa pelo que Franco tem a dizer. No instituto, o Dr. Calabresi (Carlo Alighiero) diz à noiva Bianca Merusi (Rada Rassimov) que sabe quem entrou ali na noite anterior, e o que foi roubado, mas quando vai ao encontro dessa pessoa, é atirado à linha de comboio e morre. Quando Lori lê a notícia a Franco, este procura Giordani, e através dele o fotógrafo Righetto (Vittorio Congia), que descobre no original um braço, mas é estrangulado quando a ia ampliar. Depois de, com Franco, espiar os outros colaboradores do instituto, Giordani procura o Professor Fulvio Terzi (Tino Carraro), director do laboratório, para o confrontar com a morte do Dr. Calabresi, conhecendo a sua filha Anna (Catherine Spaak), curiosa quanto à investigação. Esta conta-lhe sobre os estudos de alteração de cromossomas que levam tendências criminais, e Giordani confirma com o Dr. Braun (Horst Frank) que essa droga é muito procurada.

Entretanto, Bianca encontra uma nota de Calabresi, e comunica a Franco que sabe quem o matou, sendo assassinada de seguida, e Franco passa a ser ameaçado. Giordani investiga o Dr. Casoni, recentemente despedido, e o Dr. Mombelli, e nessa noite, recebendo a visita de Anna, o seu leite é envenenado, mas graças ao telefonema de Franco, que sente uma fuga de gás em casa, e suspeita que também Giordani possa ser vítima, este descobre o leite envenenado quando Anna o ia beber. No dia seguinte Giordani e Gigi (Ugo Fangareggi), penetram na casa de Terzi, e descobrem que Anna foi adoptada. Suspeitando de Braun, que entretanto desaparece, Giordani lança o isco numa notícia de jornal, que lhe traz alguém (Umberto Raho) que foi amante de Manuel (Werner Pochath), o amante de Braun e os denuncia. Mas ao chegar, Giordani encontra Braun já está morto. Franco lembra-se que a nota de Bianca pode estar no colar enterrado com ela. Quando Franco e Giordani o descobrem, são atacados pelo assassino, que rouba a nota, e rapta a pequena Lori, sendo ferido por Franco. Em casa dos Terzi, Giordani confronta Anna que tem uma relação incestuosa com o pai, e que poderá ter simulado o envenenamento. Anna surge ferida numa mão, mas diz ter sido em casa. A polícia, de seguida vai para o Instituto Terzi, e Giordani vê um rasto de sangue, que o conduz a Casoni, que o ataca e se prepara para matar Lori. Casoni confessa as mortes pela investigação do cromossoma. Questionado sobre Lori, Casoni diz tê-la morto, e Franco ataca-o com a bengala, provocando a sua queda e morte, enquanto Lori, viva, chama o seu nome.

Ao contrário do que se possa pensar, o «Cat o’ Nine Tails» do título não é uma referência ao chicote desse nome – tantas vezes usado em alusões a fetiches sexuais – mas sim retirado de uma frase de uma das personagens, referindo-se à sequência de pistas a seguir. A sexualidade (a homossexualidade de Braun, o incesto de Anna) volta a ser tema central de uma história que, como não podia deixar de ser numa tendência recorrente em Argento, se faz de muito sangue, e investigações sinuosas, geralmente por parte de uma pessoa de fora da polícia, que começa como testemunha inusitada de algo que não sabe bem o que foi (aqui, dada a cegueira de Franco, no anterior filme, dado o aprisionamento do protagonista entre vitrinas), para acabar como alvo principal.

Com o tema a basear-se numa mal contada história de manipulação genética (que resulta numa droga!!!) que pode alterar comportamentos e levar a tendências criminais, é, no fundo a espionagem industrial que serve de motivo à senda assassina, a qual não deixa por isso de ser sádica e macabra. Se na estrutura há algo de “O Pássaro com Plumas de Cristal”, não é de desdenhar uma influência do noir norte-americano, com elementos de “À Beira do Abismo” (The Big Sleep, 1948), de Howard Hawks, a estarem presentes – nomeadamente no papel da mulher fatal Anna e sua relação ambígua com o detective Carlo Giordani. Outra referência óbvia é na situação da foto ampliada, que remete para “Blow-Up – História de um Fotógrafo” (Blow Up, 1968), de Michelangelo Antonioni.

Com as suas imagens de marca, como são a câmara subjectiva a dar o ponto de vista do assassino que nunca vemos, até à revelação final, e as mortes sangrentas com arma branca, ou de qualquer outra forma macabra – o corpo que rola desfeito atropelado pelo comboio é exemplo desse gosto mórbido pelo macabro, a agonia dos que são garroteados (no caso de Bianca, com a cabeça várias vezes atirada ao chão –, enquanto tudo o que vemos do criminoso é, desta vez – não as mãos – mas o close up de um olho. O propósito de manter o mistério como fio condutor mantém-se, numa história algo sinuosa, com menos sangue que o habitual em Argento.

O filme conseguiu um relativo sucesso na Europa, ao contrário do que aconteceria nos Estados Unidos, onde chegou sob uma diferente montagem que o reduziu para apenas 90 minutos. Fosse como fosse, “O Gato das Sete Vidas” cedo seria renegado pelo próprio Argento, que o viu sempre como um dos seus filmes menores.

Karl Malden e James Franciscus em "O Gato das Sete Vidas" (Il gatto a nove code, 1971), de Dario Argento

Produção:

Título original: Il gatto a nove code [Título inglês: The Cat o’ Nine Tails]; Produção: Seda Spettacoli / Terra-Filmkunst / Labrador Films; País: Itália / França / República Federal Alemã (RFA); Ano: 1971; Duração: 112 minutos; Distribuição: Titanus (Itália), Constantin Film (RFA), Kommunenes Filmcentral (KF) (Noruega), Mondial Films (França), National General Pictures (EUA); Estreia: 12 de Fevereiro de 1971 (EUA), (Portugal).

Equipa técnica:

Realização: Dario Argento; Produção: Salvatore Argento; Produtor Associado: ; História: Dario Argento, Luigi Cozzi [como Luigi Collo], Dardano Sacchetti; Argumento: Dario Argento, Bryan Edgar Wallace [não creditado]; Música: Ennio Morricone; Direcção Musical: Bruno Nicolai; Fotografia: Erico Menczer [filmado em Cromoscope, cor por Technicolor]; Montagem: Franco Fraticelli; Design de Produção: Carlo Leva; Figurinos: Carlo Leva; Caracterização: Giuseppe Ferranti, Pierantonio Mecacci; Efeitos Visuais: Luciano Vittori; Direcção de Produção: Angelo Iacono.

Elenco:

James Franciscus (Carlo Giordani), Karl Malden (Franco Arnò), Catherine Spaak (Anna Terzi), Pier Paolo Capponi (Superintendente da Polícia Spimi), Horst Frank (Dr. Braun), Rada Rassimov (Bianca Merusi), Aldo Reggiani (Dr. Casoni), Tino Carraro (Professor Fulvio Terzi), Carlo Alighiero (Dr. Calabresi), Vittorio Congia (Righetto, Fotógrafo), Ugo Fangareggi (Gigi the Loser), Tom Felleghy (Dr. Esson), Emilio Marchesini (Dr. Mombelli), Fulvio Mingozzi (Homem de Spimi), Corrado Olmi (Morsella), Pino Patti (Barbeiro), Umberto Raho (Ex-Amante de Manuel), Jacques Stany (Prof. Manera), Stefano Oppedisano (Taxista), Ada Pometti (Operadora Telefónica), Walter Pinelli, Sascha Helwin, Marie Louise Sinclair [como Marie Luise Zetha] (Estrela de Cinema), Martial Boschero, Cinzia De Carolis (Lori), Werner Pochath (Manuel), Tino Carraro (Prof. Fulvio Terzi), Cesare Barbetti (Dobragem de Voz de Pier Paolo Capponi) [não creditado], Pino Colizzi (Dobragem de Voz de James Franciscus) [não creditado], Maria Pia Di Meo (Dobragem de Voz de Catherine Spaak) [não creditada], Sergio Graziani (Dobragem de Voz de Karl Malden) [não creditado], Gianni Marzocchi (Dobragem de Voz de Horst Frank) [não creditado], Mario Mastria (Dobragem de Voz de Emilio Marchesini) [não creditado].