A Flecha e a Rosa, 1976

Etiquetas

, , , , , , , , , , , , ,

Robin and MarianSinopse:
Depois de uma última conquista fútil em França para o rei Ricardo (Richard Harris), Robin Hood (Sean Connery) e o seu fiel João Pequeno (Nicol Williamson) vêem o rei morrer, e regressam a Sherwood para reatar as vidas que deixaram, vinte anos antes. Só que agora, Marian (Audrey Hepburn) é abadessa de um pequeno mosteiro, cobiçado por Sir Ranulf (Kenneth Haigh), acólito do Príncipe João (Ian Holm). Resta a Robin reunir o que resta dos seus antigos homens, e voltar a Sherwood, protegendo Marian, que tenta de novo conquistar, enquanto é acossado pelos soldados do Xerife de Nottingham (Robert Sahw). Continuar a ler

A Prisão, 1949

Etiquetas

, , , , , , , , ,

FängelseSinopse:
Motivado pela conversa do seu amigo realizador Martin Grandé (Hasse Ekman), a quem o antigo professor Paul (Anders Henrikson) sugeriu um filme sobre o Diabo ser quem cria e gere a humanidade, comparando a Terra ao Inferno, Thomas (Birger Malmsten), um jornalista, conta o artigo que faz sobre a prostituta Birgitta Carolina Söderberg (Doris Svedlund). A história de Thomas mistura-se com a que ele conta, quando Birgitta abandona o namorado que lhe roubou e matou o filho bebé, e procura uma relação com o próprio Thomas, o qual acaba de se separar de modo violento. Continuar a ler

Os Olhos da Noite, 1967

Etiquetas

, , , , , , , ,

Wait until DarkSinopse:
No apartamento de Susy (Audrey Hepburn) e Sam Hendrix (Efrem Zimbalist Jr.), reúnem-se Mike Talman (Richard Crenna) e Carlino (Jack Weston), pequenos vigaristas chamados pela sua antiga colega Lisa (Samantha Jones). Mas em vez de Lisa, encontram Roat (Alan Arkin), um psicopata que matou Lisa por esta o trair num negócio de drogas escondidas numa boneca. Agora a boneca está em parte incerta e, sob ameaça de Roat, todos se preparam para enganar a dona da casa, Susy, uma invisual perante a qual se vai desenrolar uma farsa para saber do paradeiro da boneca, nem que Susy tenha que ser morta. Continuar a ler

Listas – Fantasmas do Japão

Etiquetas

, , ,

Imagem de "Onibaba" (1964) de Kaneto Shindō

Típico do cinema de terror japonês são as histórias de fantasmas, as chamadas Kaidan Eiga, que se inspiram no folclore budista e no teatro Kabuki. São histórias de espíritos vingativos, que carregam uma poesia própria e comportamentos nem sempre facilmente entendidos no Ocidente. Passadas geralmente no período Edo (1603–1867), numa altura em que o Japão feudal mudava, e os samurais se tornavam obsoletos, são testemunho desse mundo em mudança e de medos e desafios por enfrentar.

Com um ressurgimento nas últimas décadas em versões actualizadas para tempos modernos, e de repercussão no mercado norte-americano que se dedicou a fazer remakes destes filmes, interessa aqui olhar para a era dourada do Kaidan Eiga, nas décadas de 1950 a 1970, com o Japão a reerguer-se da catástrofe nacional que foi a derrota na guerra.

• 1957: Kenpei to barabara shibijin – Kyôtarô Namiki
• 1957: Kaidan Honsho nanafushigi [Ghost Stories of Wanderer at Honjo] – Gorô Kadono
• 1957: Kaidan Kasane-ga-fuchi [The Depths] – Nobuo Nakagawa
• 1958: Bôrei kaibyô yashiki [Black Cat Mansion] – Nobuo Nakagawa
• 1958: Kenpei to yûrei [M.P. and the Ghost] – Nobuo Nakagawa
• 1958: Kaidan chibusa enoki [The Mother Tree] – Gorô Kadono
• 1959: Tôkaidô Yotsuya kaidan [The Ghost of Yotsuya] – Nobuo Nakagawa
• 1959: Kaidan Kagami-ga-fuchi [Ghost Story: Depth of Kagami] – Masaki Mōri
• 1959: Onna kyûketsuki [The Woman Vampire] – Nobuo Nakagawa
• 1960: Jigoku – Nobuo Nakagawa
• 1960: Kaibyô Otama-ga-ike [The Ghost Cat of Otama Pond] – Yoshihiro Ishikawa
• 1960: Kaidan ama yûrei [Ghost of the Girl Diver] – Gorô Kadono
• 1962: Kaidan yonaki-doro [Ghost Story: Crying in the Night Lantern] – Katsuhiko Tasaka
• 1963: Kaidan onibi no numa [Ghost Story of Devil’s Fire Swamp] – Bin Kado
• 1964: Onibaba – Kaneto Shindō
• 1964: Kaidan [Kwaidan] – Masaki Kobayashi
• 1965: Yotsuya kaidan [Illusion of Blood] – Shirô Toyoda
• 1968: Yabu no naka no kuroneko [Kuroneko] – Kaneto Shindō
• 1968: Kyûketsu dokuro-sen [The Living Skeleton] – Hiroshi Matsuno
• 1968: Kaidan hebi-onna [Ghost Story of the Snake Woman] – Nobuo Nakagawa
• 1968: Botan-dôrô [A Ghost Story of Peonies and Stone Lanterns] – Satsuo Yamamoto
• 1968: Kaidan yukijorô [Ghost Story of the Snow Witch] – Tokuzô Tanaka
• 1968: Kaibyô nori no numa – Yoshihiro Ishikawa
• 1969: Hiroku kaibyô-den [The Haunted Castle] – Tokuzô Tanaka
• 1969: Yotsuya Kaidan – Oiwa no Borei (The Oiwa Phantom / Curse of the Ghost) – Kazuo Mori
• 1970: Kaidan nobori ryû [The Blind Woman’s Curse] – Teruo Ishii
• 1970: Yûrei yashiki no kyôfu: Chi wo sû ningyô [The Ghost Mansion’s Horror: A Bloodsucking Doll] – Michio Yamamoto
• 1972: Seidan botan-dôrô [Hellish Love] – Chûsei Sone
• 1975: Sakura no mori no mankai no shita [Under the Blossoming Cherry Trees] – Masahiro Shinoda

Sátántangó, 1994

Etiquetas

, , , , , , , , , , , , , ,

SátántangóSinopse:
Numa quinta em decadência, na Hungria rural dos anos 1990, os aldeães discutem o seu futuro, e o que fazer com o dinheiro ao seu dispor. Enquanto alguns pensam fugir com o dinheiro que deveria pertencer a todo o grupo, a chegada de Irimiás (Mihály Vig), que todos parecem temer, vem trazer novidades. Irimiás convence todos a darem-lhe o seu dinheiro, para que ele inicie outro empreendimento, onde os recolocará. Mas o que ninguém sabe é que tudo isto é uma burla de Irimiás, combinada com as autoridades, para se livrarem daqueles camponeses, e ficarem com o seu dinheiro. Continuar a ler

Ciclo “Béla Tarr” (Cinema XXI)

Etiquetas

, ,

Béla Tarr

Após Nuri Bilge Ceylan, o mês de Fevereiro é dedicado a Béla Tarr, um realizador húngaro que começou a filmar nos anos 70 e 80, e tem tido nas últimas duas décadas algumas das obras mais marcantes do cinema europeu contemporâneo.

Nascido e criado na Hungria, no seio de uma família ligada aos teatro e cinema, este filósofo, que se dizia cineasta nos tempos livres, assistiu à transformação do seu país após o fim do comunismo, e as tensos confrontos políticos que o têm caracterizado ultimamente. Isso levou-o a seguir por um realismo social, marcado pelo seu existencialismo e pessimismo, resultando em obras de grande fôlego, uma linguagem visual própria, hoje muito elogiada.

Esta define-se por sequências longas (que chegam a ser de 10 minutos ou mais), em movimentos lentos de câmara, descorrelacionados dos personagens, e por vezes apenas contemplativos; um realismo de momentos e interpretações que nos fazem sentir como que dentro do filme; cenários parcos numa atmosfera soturna, sempre filmada a preto e branco; e uma espécie de misticismo velado, contrastando com a crueza dos sentimentos e actos, e a sobriedade das situações, inspiradas no contexto actual da Hungria.

Textos adicionais

Ligação exterior: Entrevista a Béla Tarr no jornal Público em 2012

Caminho para Dois, 1967

Etiquetas

, , , , , , , , , ,

Two for the RoadSinopse:
De volta a França para uma reunião de negócios, Mark Wallace (Albert Finney) e a esposa Joanna (Audrey Hepburn), não parecem encontrar prazer no casamento ou na companhia um do outro. Tal é motivo para recordarem as suas anteriores viagens por França, desde a vez em que se conheceram, à sua viagem de lua de mel, passando à viagem de estreia do primeiro carro e anúncio de gravidez de Joanna, até às primeiras infidelidades. Por entre reminiscências e conversas, o casal tenta perceber onde e porquê as coisas entre eles começaram a ir mal. Continuar a ler

Cidade Portuária, 1948

Etiquetas

, , , , , , , , , ,

HamnstadSinopse:
Gösta Andersson (Bengt Eklund) é um marinheiro que volta a terra, para ficar, cansado de longas viagens. Com dificuldade em dar-se, prefere ler a sair com os amigos. Mas numa das saídas, Gösta encontra Berit Holm (Nine-Christine Jönsson), uma rapariga a recuperar de uma depressão e tentativa de suicídio. Os dois começam uma relação, mas Berit tem algo que a ensombra e precisa contar a Gösta, sob o risco de o perder. O seu comportamento promíscuo levou a que a sua mãe a entregasse a uma casa de correcção ainda menor, da qual Berit escapou, tendo tido já muitos namorados. Resta a Gösta decidir o quão importante é isso para si. Continuar a ler

Filmes históricos

Etiquetas

,

Filmes históricos

Um pouco como um apêndice de A Janela Encantada surge hoje o novo blogue Filmes históricos, dedicado, como o nome indica, a filmes cujo pano de fundo seja um contexto (épocas, acontecimentos, pessoas) histórico.

O novo blogue tem apenas o objectivo de catalogar, de uma forma crítica e estruturada, esse género de filmes. Ao contrário do que se faz n’A Janela Encantada, ele não incluirá análises detalhadas, nem artigos extra, mas apenas informação básica e ligações a websites de referência.

Pede-se paciência pela lentidão com que o blogue será construído, e espera-se que possa ser útil. Estão todos convidados a ajudar a construir as listas que o constituirão.

Como Roubar Um Milhão, 1966

Etiquetas

, , , , , , , , , , ,

How to Seal a MillionSinopse:
Charles Bonnet (Hugh Griffith) é um artista que se dedica a imitar os grandes mestres em proveito próprio. Quando cede uma suposta estatueta de Cellini para uma exposição descobre que esta verá a sua autenticidade testada. A descoberta da fraude lançará a investigação sobre todas as peças por si vendidas e valer-lhe-á a prisão. Quem decide intervir é a sua filha Nicole (Audrey Hepburn), que contrata Simon Dermott (Peter O’Toole) um homem que dias antes ela apanhou a assaltar a sua casa. Só que Simon é na realidade um detective que procura expor as fraudes de Charles Bonnet. Graças ao seu nascente afecto por Nicole, Simon concorda, e os dois vão assaltar o museu para recuperar a estatueta que é dela. Continuar a ler

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 77 outros seguidores