Etiquetas

, , , , , , , , , , , ,

La notte dei diavoliNicola (Gianni Garko), viajando por uma zona florestal, acaba tendo um acidente, que o leva a aceitar a hospedagem dos Ciuvelak, família composta pela bela Sdenka (Agostina Belli), Irina (Cinzia De Carolis) e Jovan (Roberto Maldera). Numa noite, Jovan mata o patriarca Gorca (Bill Vanders), o que leva Nicola a fugir para informar a polícia, que lhe diz que os Ciuvelak vivem um terrível segredo. Resta a Nicola regressar para salvar Sdenka, mesmo que a família se revele um conjunto de vampiros, de entre os quais Nicola tem de decidir se salva ou mata Sdenka, pela qual se apaixonara.

Análise:

Giorgio Ferroni foi um realizador italiano que começou a trabalhar no cinema como assistente de realização nos anos 1930. No pós-guerra, tal como tantos outros no seu tempo, aderiu ao movimento neo-realista, embora sem filmes de grande renome. Passou depois ao cinema de género tendo trabalhado no peplum, western spaghetti, filmes mitológicos, comédias, e mesmo no terror. Neste último fica como filme mais importante, o interessante “Il Mulino delle Donne di Pietra” de 1960, ao qual Ferroni acrescentaria doze anos depois, este “La Notte dei Diavoli” (literalmente: A noite dos diabos), baseado na história “The Family of the Vourdalak” de Aleksey Konstantinovich Tolstoy.

Era já a segunda vez que este conto de vampiros de 1839 era tema de um filme italiano, tendo a primeira sido numa das três histórias que compõem o filme “As Três Faces do Terror” (I Tre Volti della Paura, ou Black Sabbath, 1963) de Mario Bava, protagonizado por Boris Karloff.

Como novidades temos o facto de a história se passar num tempo contemporâneo, e de ser enquadrada no internamento do personagem principal Nicola (Gianni Garko), que vemos no início errar sem memória até ir parar num hospital, e no final vemos reacordar para concluir o pesadelo que atravessou.

Pelo meio temos a história propriamente dita, que nos chega em flashback, como o relembrar de um Nicola em estado de choque numa cama de hospital. Vemos assim como Nicola atravessa uma zona florestal na Jugoslávia, para ter um acidente, ao julgar ter visto uma mulher a deambular. A sua busca por ajuda leva-o à casa de Gorca (Bill Vanders) que acabara de enterrar o irmão.

Gorca vive com os filhos, Jovan (Roberto Maldera), Sdenka (Agostina Belli) e Vlado (Luis Suárez), a cunhada Elena (Teresa Gimpera) e as sobrinhas Irina e Mira, num clima de medo, que Nicola não compreende. Ao investigar, percebe que algo não é claro na morte do irmão de Gorga, pois são feitas várias referências ao facto de estar morto há já um mês. Tudo se complica quando Gorca sai para caçar uma bruxa, e quando regressa é recebido com desconfiança pelo filho Jovan. Pior acontece quando Irina desaparece, e Nicola vê Jovan matar o próprio pai que se desfaz à sua frente, prova de que era um Vourdalak.

Nicola, já com o carro arranjado, resolve continuar viagem, prometendo a Sdenka que voltará por ela. Nas suas costas o terror instala-se, com Irina a morder a mãe, que por sua vez irá morder os outros. Quando Nicola regressa é recebido por uma Sdenka ansiosa, e um resto de família que o ataca, levando à sua fuga enlouquecido. Após recordar tudo no hospital, Nicola reacorda para ver Sdenka diante de si. Tomado pelo pânico, foge-lhe e acaba por a matar, para descobrir que ela continuava humana.

Mantendo a atmosfera do conto de Tolstoy, Ferroni muda-a, principalmente no início, e sua conclusão (no filme de Ferroni, Sdenka morre inocente). “La Notte dei Diavoli” vive essencialmente do clima de paranóia, que nos é transmitido por Nicola, quase desde o primeiro fotograma. É o seu pânico e desespero que nos conduzem as emoções. De resto fica um misto de gótico e folclore regional, com um abuso de zooms da parte de Ferroni (como se a única forma de expressar uma emoção fosse um zoom repentino até só se enquadrarem os olhos da personagem), com muito sangue e alguma nudez.

Fica ainda assim o clima de mistério e medo, e algumas bonitas sequências nocturnas, como pontos mais altos do filme de Giorgio Ferroni.

Gianni Garko e Agostina Belli em "La Notte dei Diavoli" (1972) de Giorgio Ferroni

Produção:

Título original: La Notte dei Diavoli; Produção: Filmes Cinematografica / Due Emme Cinematografica / Copercines, Cooperativa Cinematográfica; País: Itália / Espanha; Ano: 1972; Duração: 89 minutos; Distribuição: Produzioni Atlas Consorziate (P.A.C.); Estreia: 29 de Abril de 1972 (Itália).

Equipa técnica:

Realização: Giorgio Ferroni; Produção: Luigi Mariani; Argumento: Eduardo Manzanos Brochero, Romano Migliorini, Gianbattista Mussetto, [baseado no conto “The Family of the Vourdalak” de Aleksey Konstantinovich Tolstoy]; Música: Giorgio Gaslini; Fotografia: Manuel Berenguer [filmado em Techniscope]; Montagem: Gianmaria Messeri; Direcção Artística: Eugenio Liverani, Cubero Y Galicia; Figurinos: Elio Micheli; Caracterização: Massimo Giustini; Directores de Produção: Diego Alchimede, Solly V. Bianco; Efeitos Especiais: Carlo Rambaldi.

Elenco:

Gianni Garko (Nicola), Agostina Belli (Sdenka), Roberto Maldera [como Mark Roberts] (Jovan), Cinzia De Carolis (Irina), Teresa Gimpera (Elena), Bill Vanders (Gorca Ciuvelak), Umberto Raho (Doutor Tosi), Luis Suárez (Vlado), Sabrina Tamborra (Mira), Rosita Torosh (Enfermeira), Stefano Oppedisano (Enfermeiro), Maria Monti (A Bruxa).

Anúncios