Etiquetas

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Love ActuallyNa contagem decrescente para o Natal, acompanhamos as histórias de um vasto número de pessoas, o modo como se aproximam à quadra, e as decisões que têm de tomar até lá. Desde um Primeiro Ministro (Hugh Grant) a braços com decisões defíceis, vários casais à beira de se encontrar, separar ou redescobrir, e até um padrasto (Liam Neesom) e enteado (Wyllie Longmore) que têm de iniciar uma relação após a morte daquela que os unia, há todo um conjunto de sonhos desfeitos e conquistados. Tudo sob a banda sonora do rocker decadente Billy Mack (Bill Nighy) em busca de um novo sucesso de Natal.

Análise:

Richard Curtis é um autor que está ligado ao renascer da comédia britânica inglesa, participando como argumentista e/ou produtor de êxitos como “Quatro Casamentos e um Funeral” (Four Weddings and a Funeral, 1994) de Mike Newell, “Notting Hill” (Notting Hill, 1999) de Roger Michell, e “O Diário de Bridget Jones” (Bridget Jones’s Diary, 2001) de Sharon Maguire, bem como várias séries cómicas televisivas de sucesso. Não é por isso de espantar que este “O Amor Acontece”, realizado pelo próprio, fosse promovido como quase um épico da comédia romântica britânica, envolto no espírito natalício, e com um elenco notável e muito extenso.

Não descurando nenhum detalhe, Richard Curtis muniu-se de um argumento que passa por todas as variações possíveis do romantismo do cinema, servido por número de actores que, a começar pelo seu porta-estandarte, Hugh Grant, inclui estrelas como Emma Thompson, Alan Rickman, Liam Neeson, Laura Linney, Keira Knightley, Colin Firth, Billy Bob Thornton, Bill Nighy, para citar apenas alguns. Presente continua a urbanidade londrina, e a fotografia que marcou os filmes citados. Não faltam os piscares de olhos a outros filmes deste género, como a brincadeira em torno da música “Love is all around”, cuja versão dos Wet Wet Wet foi popularizada pelo filme “Quatro Casamentos e um Funeral”.

Organizado como um enorme conjunto de histórias, que nalguns pontos se tocam sem que isso seja particularmente importante para o enredo, “O Amor Acontece” é por isso um filme difícil de caracterizar. Como sempre acontece nestes casos, algumas das histórias não passam de pequenas anedotas, alguns dos personagens acabam mal desenvolvidos, e vários dos enredos têm conclusões precipitadas ou inexistentes. Ainda assim, tal a vastidão de episódios e estados de espírito, o filme tem sempre algo que toca ou prende a atenção de alguém.

Começando pelas histórias mais anedóticas, temos o casal de duplos de filmes pornográficos (Martin Freeman e Joanna Page), que vão falando descontraidamente do trânsito e do tempo enquanto simulam cenas de sexo para as câmaras, desenvolvendo a mais tímida das relações, embora trabalhem nus todos os dias. Em paralelo acompanhamos Colin (Kris Marshall), que de desajeitado e mal sucedido entre as mulheres inglesas, passa a deus sexual nos Estados Unidos, só por causa do seu sotaque.

Num campo mais convencional vemos a história do Primeiro Ministro (Hugh Grant) que tem de deixar de lado o preconceito, e assumir que se está a apaixonar por uma empregada da Downing Street (Martine McCutcheon). Enquanto isso, Karen (Emma Thompson) está à beira de descobrir uma escapadela do marido (Alan Rickman), que se deixa seduzir pela colega Mia (Heike Makatsch). Já Sarah (Laura Linney) tem de optar pela assistência ao irmão doente (Michael Fitzgerald), em detrimento de uma relação com o homem que admira quase como adolescente (Rodrigo Santoro), com tiques reminiscentes de Bridget Jones. Ainda no campo dos clichès, temos o namorado traído (Colin Firth), que vai encontrar uma nova paixão numa mulher (Lúcia Moniz) com quem não troca uma única palavra por causa da diferença de língua. Finalmente temos a história do amor impossível de Mark (Andrew Lincoln), que assiste ao casamento do seu melhor amigo (Chiwetel Ejiofor) com uma mulher (Keira Knightley) por quem parece não nutrir grande afecto, o que leva até algumas pessoas a pensar que ele tem uma paixão homossexual pelo amigo, para descobrirmos que a verdade é bem diferente.

As histórias mais originais talvez sejam as de Daniel (Liam Neeson) e Billy Mack (Bill Nighy). Daniel acabou de perder a mulher que amava, vítima de cancro, ficando só, com o filho desta (Thomas Sangster). Sem terem ainda uma relação afectiva, Daniel e Sam vão-se aproximar, num objectivo tão inocente quanto bonito, fazer Sam notar-se na escola perante a rapariga que ele admira (Olivia Olson). Já Billy Mack é um decadente rock star, que tem um retorno graças a uma péssima versão de Natal de uma música antiga. Consciente do facto, Billy não se leva a sério, acabando no processo por questionar todos os seus feitos, para concluir que a única constante na sua vida foi sempre o seu empresário (Gregor Fisher), a verdadeira rocha que o sustentou durante todo o tempo.

O filme peca, é claro, pelo anedótico e pouco credível simplismo de todas as histórias (o que de certo modo tem a virtude de lembrar os filmes clássicos dos anos 40 ou 50). Há uma certa atitude revanchista em relação aos Estado Unidos, evidente na paródia de como tantas beldades americanas caem pelo desajeitado Colin, mas também no fazer frente do Primeiro Ministro ao prepotente presidente americano (Billy Bob Thornton), como que uma forma de vingança pela então muito criticada submissão de Tony Blair perante George W. Bush.

No final é claro que Jamie e Aurélia têm um improvável final de filme, tal como o pequeno Sam, e até o seu pai ao encontrar uma sósia de Claudia Schiffer (interpretada por ela própria), ou o Primeiro Ministro ao assumir o seu beijo a Natalie numa festa de Natal. Nem todas as histórias têm o esperado final feliz (Karen e o marido vêem a relação esfriar, Sarah continua a colocar o irmão em primeiro lugar), mas de uma forma ou de outra há a conclusão final de que o amor, afinal… triunfa.

Como inesquecíveis ficam as sequências de abertura e fecho do filme, ambas passadas no aeroporto, mostrando uma comovente colagem de reencontros de pessoas. É época festiva, e se quisermos ver, o amor está mesmo à nossa volta.

Produção:

Título original: Love Actually; Produção: Universal Pictures / StudioCanal / Working Title Films / DNA Films; País: Reino Unido / EUA / França; Ano: 2003; Duração: 129 minutos; Distribuição: United International Pictures (Reino Unido), Universal Pictures (EUA); Estreia: 6 de Novembro de 2003 (EUA), 14 de Novembro de 2003 (Portugal), 21 de Novembro (Reino Unido).

Equipa técnica:

Realização: Richard Curtis; Produção: Duncan Kenworthy, Tim Bevan, Eric Fellner; Argumento: Richard Curtis; Música: Craig Armstrong; Co-Produção: Debra Hayward, Liza Chasin; Caracterização: Graham Johnston; Figurinos: Joanna Johnston; Design de Produção: Jim Clay; Fotografia: Michael Coulter [filmado em DeLuxe]; Montagem: Nick Moore; Direcção Artística: Rod McLean, Justin Warburton Brown; Cenários: Caroline Smith.

Elenco:

Alan Rickman (Harry), Bill Nighy (Billy Mack), Colin Firth (Jamie), Emma Thompson (Karen), Hugh Grant (O Primeiro Ministro), Laura Linney (Sarah), Liam Neeson (Daniel), Martine McCutcheon (Natalie), Andrew Lincoln (Mark), Chiwetel Ejiofor (Peter), Gregor Fisher (Joe), Heike Makatsch (Mia), Keira Knightley (Juliet), Kris Marshall (Colin Frissell), Lúcia Moniz (Aurélia), Martin Freeman (John), Rodrigo Santoro (Karl), Thomas Sangster (Sam), Rowan Atkinson (Rufus, vendedor de jóias), Sienna Guillory (Namorada de Jamie), Lulu Popplewell (Daisy, filha de Karen), Joanna Page (Judy), Nina Sosanya (Annie), Dan Fredenburgh (Irmão de Jamie), Julia Davis (Nancy do Catering), Abdul Salis (Tony), Brian Bovell (DJ da Radio Watford), Marcus Brigstocke (Mikey, Entrevistados da Rádio), Richard Hawley (Alex, Vice-Primeiro Ministro), Wyllie Longmore (Jeremy), Elisabeth Margoni (Eleonore), Billy Bob Thornton (O Presidente dos EUA), Peter Marinker (Especialista dos EUA), Michael Parkinson (O Próprio), Michael Fitzgerald (Michael, irmão de Sarah), William Wadham (Bernie, filho de Karen), Ivana Milicevic (Stacey – “American Dreamgirl”), January Jones (Jeannie – “American Angel”), Elisha Cuthbert (Carol-Anne – “American Goddess”), Wes Butters (DJ da Radio 1 Chart Show), Colin Coull (Gavin, Guarda-costas do Primeiro Ministro), Margery Mason (Senhora na Harris Street), Katharine Bailey (Menina na Harris Street), Tiffany Boysell (Menina na Harris Street), Georgia Flint (Menina na Harris Street), Joanna Bacon (Mãe de Natalie), Bill Moody (Pai de Natalie), Billy Campbell (Irmão Natalie’s, vestido de Polvo), Adam Godley (Mr. Trench), Olivia Olson (Joanna Anderson), Ruby Turner (Mrs. Jean Anderson), Claudia Schiffer (Carol), Patrick Delaney (Tommy, filho de Carol), Helder Freire Costa (Mr. Barros), Carla Vasconcelos (Sofia Barros), Stewart Howson (Guarda no Aeroporto), Raul Atalaia (Dono do Restaurante), Nancy Sorrell (Greta), Shannon Elizabeth (Harriet – “the Sexy One”), Denise Richards (Carla – “the Real Friendly One”).

Anúncios