Etiquetas

,

Laura

Sensivelmente no início dos anos 40 do século XX, quando a II Guerra Mundial devastava a Europa, surgiu nos Estados Unidos um novo tipo de filmes. Geralmente inspirados pela literatura policial ou detectivesca, eles abordavam um lado mais frio, duro e negro da alma humana, contavam histórias sem moral, e davam-nos a conhecer personagens cínicos, sem ética de herói classico.

Os franceses chamaram a este género de filmes “Film Noir”. O “Negro” do nome advém do tipo de histórias, dos sentimentos e comportamentos que se descrevem, mas também do modo de filmar, a preto e banco, dando ênfase à sombra, ao contraluz e ao em>chiaroscuro. A tal não é alheio o facto de muitos dos realizadores e técnicos que proliferaram neste género provirem da escola do expressionalismo alemão, célebre pelo seu tratamento de luz e sombra.

O Noir clássico entrou no mainstream, e terminou no final dos anos 50. Passou então para a televisão, e voltou ao grande ecrã a partir dos anos 70. Hoje, visto com o romantismo próprio da distância, o Noir continua a inspirar modos de filmar e de narrar histórias, tendo produzido uma iconografia que continua a ser repetida, e estrelas que ainda são imitadas.

Neste novo ciclo dedicado ao Film Noir, a Janela Encantada apresentará três dezenas de obras, vulgarmente citadas entre as maiores do género. Como sempre, serão acompanhadas por algumas páginas com informação extra. Espero que tal como a mim, o ciclo sirva para entusiasmar mais pessoas a (re)descobrir estes filmes que tanto influenciaram a história do cinema.

Textos adicionais
A lista de filmes

Anúncios