O Gótico da Hammer – Apêndices

<< página 1: O Gótico da Hammer
página 3: a lista de filmes >>

1. Referências da Literatura Gótica

Sem se pretender fornecer uma lista exaustiva, apresenta-se de seguida alguns dos mais representativos títulos associados ao gótico literário britânico, ou incluíndo claras influência do gótico, publicados até ao início do século XX.

– Inícios
Horace Walpole – “The Castle of Otranto” (1764)
Clara Reeve – “The Old English Baron” (1778)
Ann Radcliffe – “The Mysteries of Udolpho” (1794)
Ann Radcliffe – “The Italian, or The Confessional of the Black Penitents” (1797)
Matthew Gregory Lewis – “The Monk: A Romance” (1796).

– O Período Romântico
Samuel Taylor Coleridge – “The Rime of the Ancient Mariner” (1798) [poema]
Samuel Taylor Coleridge – “Christabel” (1800) [poema]
Robert Southey – “Thalaba the Destroyer: Book VII” (1801) [poema]
Percy Bysshe Shelley – “Zastrozzi” (1810) [poema]
Percy Bysshe Shelley – St. Irvyne; or, The Rosicrucian (1811) [poema]
John Keats – “La Belle Dame sans Merci” (1819) [poema]
John Keats – “Lamia (1819)” [poema]
John Keats – “Isabella, or the Pot of Basil” (1820) [poema]
Caroline Lamb – “Glenarvon” (1816)
Lord Byron – “Fragment of a Novel” (ou “The Burial: A Fragment”) (1819)
Mary Shelley – “Frankenstein” (1818)
John William Polidori – “The Vampyre” (1819)
Charles Robert Maturin – “Melmoth the Wanderer” (1820)

– O Gótico da era Vitoriana
G.W.M. Reynolds – “Faust” (1846)
G.W.M. Reynolds – “Wagner the Wehr-wolf” (1847)
James Malcolm Rymer – “Varney the Vampire” (1847)
Emily Brontë – “Wuthering Heights” (1847)
Charlotte Brontë – “Jane Eyre” (1847)
G.W.M. Reynolds – “The Necromancer” (1857)
Sheridan Le Fanu – “Uncle Silas” (1864)
Louisa May Alcott – “A Long Fatal Love Chase” (1866)
William Gilbert – “Innominato: The Wizard of the Mountain” (1867) [colectânea de contos]
Sheridan Le Fanu – “In a Glass Darkly” (1872) [colectânea de contos]
Charles Dickens – “The Mystery of Edwin Drood” (1870)

– O Revivalismo do final do século XIX
Robert Louis Stevenson – “Strange Case of Dr Jekyll and Mr Hyde” (1886)
Ann Crawford – “A Mystery of the Campagna” (1887)
Oscar Wilde – “The Picture of Dorian Gray” (1891)
George du Maurier – “Trilby” (1894)
Arthur Machen – “The Great God Pan” (1894)
Richard Marsh – “The Beetle: A Mystery” (1897)
Bram Stoker – “Drácula” (1897)
Henry James – “The Turn of the Screw” (1898)

– Colectâneas modernas de contos
Amyas Northcote – In Ghostly Company (Wordsworth). 2010
Arthur Conan Doyle – Tales of Unease (Wordsworth). 2008
Bram Stoker – Dracula’s Guest and Other Weird Stories (Penguin). 2007
Charles Dickens – Complete Ghost Stories (Franklin Watts). 1982
Edith Nesbit – The Power of Darkness: Tales of Terror (Wordsworth). 2006
M. R. James – Ghost Stories of M. R. James (Wordsworth). 2007
Vários Autores – Classic Victorian and Edwardian Ghost Stories (Wordsworth). 1996

 
 

2. Bibliografia aconselhada sobre a Hammer

Hammer:

  • HALLENBECK, Bruce G. – British Cult Cinema: The Hammer Vampire. Bristol: Hemlock Books, 2010.
  • HALLENBECK, Bruce G. – British Cult Cinema: Hammer Fantasy and Sci-Fi. Bristol: Hemlock Books, 2011.
  • HEARN Marcus; BARNES, Alan – The Hammer Story: The Authorised History of Hammer Films. London: Titan Books, 1997.
  • HEARN Marcus – Hammer Glamour. London: Titan Books, 2009.
  • HEARN, Marcus – The Art of Hammer: Posters from the Archive of Hammer Films. London: Titan Books, 2010.
  • HEARN Marcus – The Hammer Vault. London: Titan Books, 2011.
  • JOHNNSON, Tom; DEL VECCHIO, Deborah – Hammer Films: An Exhaustive Filmography. Jefferson, NC: McFarland and Co., 1995.
  • KINSEY, Wayne – Hammer Films: The Bray Studio Years. Richmond: Reynolds & Hearn Ltd., 2000.
  • KINSEY, Wayne – Hammer Films: The Elstree Studio Years. Sheffield: Tomahawk Press, 2007.
  • KINSEY, Wayne – Hammer Films: A Life in Pictures. Sheffield: Tomahawk Press, 2008.
  • KINSEY, Wayne – Hammer Films: The Unsung Heroes, The Team Behind the Legend. Sheffield: Tomahawk Press, 2010.
  • MAXFORD, Maxford – Hammer, House of Horror: Behind the Screams. London: B. T. Batsford Ltd, 1996.
  • McKAY, Sinclair – A Thing of Unspeakable Horror: The History of Hammer Films. London: Aurum, 2007.
  • MEIKLE, Denis; KOETTING, Christopher T. – A History of Horrors: The Rise and Fall of the House of Hammer. Lanham, MD: Scarecrow Press, 1996.
  • SACHS, Bruce; WALL, Russell – Greasepaint and Gore: The Hammer Monsters of Roy Ashton. Sheffield: Tomahawk Press, 1998.
  • SANGSTER, Jimmy – Inside Hammer. Richmond: Reynolds & Hearn Ltd., 2001.

Personalidades da Hammer:

  • CUSHING, Peter – Peter Cushing, An Autobiography. London: Weidenfeld & Nicolson, 1986.
  • CUSHING, Peter – Peter Cushing. Past Forgetting: Memoirs of the Hammer Years. London: Weidenfeld & Nicolson, 1988.
  • CUSHING, Peter – Peter Cushing: An Autobiography and Past Forgetting. Baltimore, MD: Midnight Marquee Press, 1999.
  • DEL VECCHIO, Deborah; JOHNNSON, Tom – Peter Cushing: The Gentle Man of Horror and his 91 Films. Jefferson, NC: McFarland & Co., 1992.
  • DIXON, Wheeler Winston – The Charm of Evil: The Films of Terence Fisher (with an introduction by John Carpenter). Metuchen, NJ: Scarecrow Press, 1991.
  • DIXON, Wheeler Winston – The Films of Freddie Francis. Lanham, MD: Scarecrow Press, 1991.
  • GULLO, Christopher – In All Sincerity… Peter Cushing. [s.l.] Xlibris, 2004.
  • HUTCHINGS, Peter – Terence Fisher. Manchester: Manchester University Press, 2001.
  • JOHNNSON, Tom; MILLER, Mark A – The Christopher Lee Filmography: All Theatrical Releases, 1948-2003. Jefferson, NC: McFarland & Co., 2004.
  • LEE, Christopher – Christopher Lee, Tall, Dark and Gruesome. London: W.H. Allen, 1977.
  • LEE, Christopher – Lord of Misrule: The Autobiography of Christopher Lee (a revised and expanded edition of Tall, Dark and Gruesome). London: Orion Publishing Group, 2004.
  • LEGGETT, Paul – Terence Fisher: Horror, Myth and Religion. Jefferson, NC: McFarland & Co., 2002.
  • MAYER, Geoff – Roy Ward Baker. Manchester: Manchester University Press, 2004.
  • McGLANSSON, Michael G. – The Unknown Peter Cushing. Duncan, OK: BearManor Media, 2011.
  • MILLER, David – The Peter Cushing Companion. London: Reynolds & Hearn Ltd, 2000.
  • MILLER, Mark A – Christopher Lee and Peter Cushing and Horror Cinema: A Filmography of Their 22 Collaborations. Jefferson, NC; McFarland & Co., 1995.
  • POHLE, Robert; HART, Douglas, LEE, Christopher – The Films of Christopher Lee. Metuchen, NJ: 1984.
  • RIGBY, Jonathan – Christopher Lee: The Authorised Screen History. London: Reynolds & Hearn Ltd., 2001.
  • SANGSTER, Jimmy – Do You Want it Good or Tuesday? From Hammer Films to Hollywood! A Life in the Movies: An Autobiography. Baltimore, MD: Midnight Marquee, 1997.

Cinema gótico inglês:

  • CINEMA INGLÊS (1933-1983). Lisboa: Cinemateca Portuguesa, 1984.
  • CHRIS WOOD. British Horror Films. Chris Wood, actual. 2010. <URL: http://www.britishhorrorfilms.co.uk >
  • HAINING, Peter – The Dracula Scrapbook. London: Chancellor Press, 1992.
  • HUCKVALE, David – Touchstones of Gothic Horror: A Film Genealogy of Eleven Motifs and Images. Jefferson, NC: McFarland & Co., 2009.
  • PYRIE, David – A Heritage of Horror: The English Gothic Cinema, 1946-1972. London: Gordon Fraser, 1973.
  • PYRIE, David – A New Heritage of Horror: The English Gothic Cinema. New York, N: I. B. Tauris, 2008.
  • RIGBY, Jonathan – English Gothic: A Century of Horror Cinema. London: Reynolds & Hearn Ltd., 2000.
  • WRIGHT, Bruce Lanier – Nightwalkers: Gothic Horror Movies: The Modern Era. [s.l] Taylor Trade Publishing, 1995.

Websites:

 

3. Personalidades da Hammer

William “Will Hammer” Hinds (1887–1957)
Co-fundador

William Hinds era um joalheiro, que com o irmão Frank dirigia a “Hinds Jewellers”, que deixou após a I Guerra Mundial, para se dedicar à sua outra paixão, o teatro e o musical. Sob o nome artístico Will Hammer (de Hammersmith, onde vivia), esteve em inúmeras peças, formando a companhia de teatro “Will Hammer’s Players”.

Em Novembro de 1934 Hinds registou a sua produtora de cinema “Hammer Productions Ltd.”, com a produção do primeiro filme (“The Public Life of Henry the Ninth”) a acontecer em 1935. Foi então que conheceu o imigrante espanhol Enrique Carreras, antigo proprietário de cinemas, e em 10 de Maio registaram a empresa de distribuição “Exclusive Films”.

Com o declínio no negócio que levaria à falência da Hammer em 1937, William Hinds deixaria definitivamente o mundo do cinema.

Enrique Carreras (1925-1995)
Co-fundador

Imigrante espanhol, com carreira de proprietário de casas de cinema, conheceu William Hinds tendo com ele dirigido a “Hammer Productions Ltd. ” e co-fundado a distribuidora “Exclusive Films” em 1935.

Com a falência da Hammer em 1937, após apenas cinco filmes produzidos, Enrique Carreras continuou como dono da Exclusive, a qual distribuia filmes de outras produtoras, conseguindo manter-se à tona de água procurando nichos de mercado.

Em 1945 Enrique Carreras passou a “Exclusive Films” ao seu filho James.

James Carreras (1909–1990)
Presidente e Produtor Executivo

James CarrerasFilho de Enrique Carreras, ao voltar da II Guerra Mundial, em 1945, recebeu do seu pai a distribuidora “Exclusive Films”. No ano seguinte, apostando novamente na produção de filmes, ressuscitou a produtora Hammer, agora chamada: “Hammer Film Productions”. James trouxe então, para dirigir a parte artística da companhia, o seu filho James Carreras e Anthony Hinds, o filho do fundador William Hinds.

James Carreras era essencialmente um empresário e um vendedor, que acreditava no seu produto, e não desistia enquanto não conseguisse convencer aqueles à sua volta. Essa tenacidade foi fundamental para definir e lançar o projecto da Hammer, que fez de uma produtora caseira um nome internacional. Aproveitando a regra da quota de mercado para o produto inglês, James aliciou companhias americanas que trouxessem dinheiro às suas produções e garantissem distribuição internacional. Foi também essencial na luta contra a censura.

Conhecido como mulherengo, James carreras foi ainda o impulsionador da ideia de usar modelos e pin-ups como actrizes em papéis principais. Como produtor executivo em muitos filmes (nunca creditado), a sua opinião foi importante nalgumas decisões artísticas da Hammer. Após a sua saída da Hammer, esta não resistiria muitos anos.

James Carreiras foi feito cavaleiro em 1970.

Michael Carreras (1927–1994)
Produtor e Realizador

Michael CarrerasFilho de James Carreras, foi trazido pelo pai para a “Hammer Film Productions” em 1946, após já ter tido vários cargos como adolescente na Exclusive Films. Michael foi um dos principais responsáveis pela linha criativa da Hammer nos anos 50, tomando os cargos de produtor e produtor executivo em muitos dos filmes principais da produtora, com destaque para: “A Máscara de Frankenstein” (1957), “O Horror de Drácula” (1958), “A Vingança de Frankenstein” (1958), “O Cão Dos Baskervilles” (1959), “A Maldição do Lobisomem” (1960), “As Noivas de Drácula” (1960), entre muitos outros.

Em 1961 Michael, agastado pela sombra do pai, deixou a “Hammer Film Productions”, continuando no entanto a colaborar como produtor externo. Não sendo particularmente fã dos filmes de terror, foi ele que tentou lançar os filmes pré-históricos como “A Deusa da Cidade Perdida” (She, 1965), “Quando o Mundo Nasceu” (One Million Years BC, 1966), “O Escravo das Amazonas” (Slave Girls, 1968), “The Lost Continent” (1968). Ainda nos anos 60 tentou também a sua sorte como realizador em filmes como “Maniac” (1963), “O Túmulo de Sangue” (Blood From The Mummys Tomb, 1964) e “O Escravo das Amazonas” (Slave Girls, 1968), mas com mais fracos resultados.

Já nos anos 70 com a saída de Anthony Hinds, Michael Carreras voltou a assumir o cargo de Produtor Executivo da “Hammer Film Productions”, e contribuiu para um maior ênfase na exploração do corpo feminino, e temas como o lesbianismo da série Karnstein, a transsexualidade expressa em “A Bela E O Monstro (Dr. Jekyll and Sister Hyde, 1971), e a passagem a cenários contemporâneos, como os vistos no último filme da série Múmia, “O Túmulo de Sangue (Blood from the Mummy’s Tomb, 1971), e nos dois últimos filmes da série Drácula: “Dracula AD 1972” (1972) e “The Satanic Rites of Dracula” (1973).

Em 1973, Michael Carreras tornou-se Presidente da Hammer Film Productions, mas não conseguiu evitar o declínio da companhia. Após as apostas falhadas de “The Legend of the 7 Golden Vampires” (1974), de “To the Devil a Daughter” (1976) e do thriller “O Mistério da Dama Desaparecida” (The Lady Vanishes, 1979), a Hammer fechou portas à produção cinematográfica, e Michael Carreras vendeu a sua participação a Roy Skeggs.

Anthony Hinds (1922-)
Produtor e Argumentista

Anthony HindsFilho de William Hinds, tal como Michael Carreras trabalhara na Exclusive como adolescente, e foi trazido por James Carreras para a Hammer Film Productions, em 1946, após a II Guerra Mundial. Amigo de Michael Carreras, Anthony Hinds, trabalhou a par com ele para definir a linha criativa da Hammer nos anos 50 e 60.

Anthony Hinds foi o principal impulsionador da produção de filmes de terror. Foi ele que sugeriu o uso de velhos armazéns (que viriam a dar origem aos Bray Studios) como locais de filmagens. Foi ele quem sugeriu que “A Máscara de Frankenstein” fosse filmado a cores. Foi ele quem escolheu Jimmy Sangster, Terence Fisher e Bernard Robinson e outros membros da equipa clássica da Hammer. Era ele quem supervisionava os argumentos, e a sua saída em 1969 resultou num menor controlo de qualidade e de atenção ao detalhe.

Como produtor e argumentista (assinando os argumentos como John Elder) foi responsável directo pelos maiores sucessos da produtora, fosse apenas como produtor: “O Monstro do Espaço” (The Quatermass Xperiment, 1955), “A Máscara de Frankenstein” (1957), “O Horror de Drácula” (1958), “A Vingança de Frankenstein” (1958), “O Cão Dos Baskervilles” (1959), “As Noivas de Drácula” (1960), “Paranoiac” (1963), “The Damned” (1963), “Fanatic” (1965), “The Lost Continent” (1968); como produtor e argumentista: “A Maldição do Lobisomem” (1961), “O Fantasma da Ópera” (1962), ou apenas como argumentista: “The Evil of Frankenstein” (1964), “A Mulher Serpente” (1966), “Frankenstein Criou Uma Mulher” (1967), “Dracula Has Risen from the Grave” (1968), “Taste the Blood of Dracula” (1970), “Scars of Dracula” (1970) entre muitos outros.

Anthony Nelson Keys (1911-1985)
Produtor

A seguir a Michael Carreras e Anthony Hinds, Anthony Nelson Keys foi a terceira figura mais importante na cadeira de produtor da Hammer na sua fase mais gloriosa. Depois de passar por vários cargos, como assistente de realização e de produção, Keys (filho do actor Nelson Keys) tornou-se produtor associado na Hammer, passando a produtor quando Anthony Hinds se dedicou principalmente à escrita.

São exemplos de produções de Anthony Nelson Keys: “The Stranglers of Bombay” (1960), “The Two Faces of Dr. Jekyll” (1960), “The Witches” (1966), “A Mulher Serpente” (1966), “The Plague of the Zombies” (1966), “Drácula: Príncipe das Trevas” (1966), “The Mummy’s Shroud” (1967), “Frankenstein Criou Uma Mulher” (1967), “Quatermass and the Pit” (1967), “The Devil Rides Out” (1968) e “O Barão de Frankenstein” (1969), o seu último filme com a Hammer.

Terence Fisher (1904-1980)
Realizador

Terence FisherAnterior realizador de televisão, Terence Fisher realizara já 9 films para a Hammer entre 1952 e 1954, mas foi o lançamento de “A Máscara de Frankenstein” (1957) que o tornaria o realizador principal da Hammer. Foi por isso responsável pela grande maioria dos filmes que se seguiriam: “O Horror de Drácula” (1958), “A Vingança de Frankenstein” (1958), “O Cão Dos Baskervilles” (1958), “A Múmia” (1959), “The Man Who Could Cheat Death” (1959), “The Stranglers of Bombay” (1960), “The Two Faces of Dr. Jekyll” (1960), “Sword of Sherwood Forest” (1960), “A Maldição do Lobisomem” (1960), “As Noivas de Drácula” (1960), “O Fantasma da Ópera” (1962).

<pO falhanço comercial de "O Fantasma da Ópera, e também posteriores problemas de saúde, não o tornaram tão prolífico no final dos anos 60. Ainda assim voltaria a filmar para a Hammer: "A Morte Passou por Perto" (1964), "Drácula: Príncipe das Trevas" (1966), "Frankenstein Criou Uma Mulher" (1967), "The Devil Rides Out" (1968), "O Barão de Frankenstein" (1969) e "Frankenstein E O Monstro Do Inferno" (1974).

Fisher criou, por assim dizer, a linguagem cinematográfica do gótico da Hammer, tanto no uso da cor, do sadismo e sexualidade implícitos (hoje vistos como subtis, mas na altura inovadores), como pela forma como dirigiu as duas estrelas maiores da Hammer: Peter Cushing e Christopher Lee. O filme gótico de Fisher baseava-se numa mistura de fantasia e racionalismo, onde um herói bryroniano se vê a braços com um dualismo moral, deixando que a sua arrogância intelectual sirva como a sua maldição. O herói de Fisher só triunfará aliando ciência, religião e superstição.

Começando como realizador de filmes de culto, e por muito tempo diminuído como um rotineiro realizador de filmes B, só recentemente Terence Fisher viria a ser reconhecido pelos críticos como um autor de direito próprio, sendo hoje considerado um dos mais importantes realizadores de terror do século XX.

Jimmy Sangster (1927-2011)
Argumentista, Produtor e Realizador

Jimmy Sangster começou na Hammer em vários cargos como assistente de realização e assistente de produção, até os produtores lhe darem a oportunidade de escrever o argumento de “A Máscara de Frankenstein” (1957), o filme que mudaria a Hammer para sempre. Tal foi o sucesso do filme que Sangster tornou-se o argumentista principal da Hammer nos anos seguintes, em filmes como: “O Horror de Drácula” (1958), “A Vingança de Frankenstein” (1958), “A Múmia” (1959), “The Man Who Could Cheat Death” (1959), “As Noivas de Drácula” (1960), “Drácula: Príncipe das Trevas” (1966).

Nos anos 60 foi um dos impulsionadores da série de thrillers chamados mini-hithchocks, produzindo e/ou escrevendo: “Taste of Fear” (1961), “Maniac” (1963), “Paranoiac” (1963), “Nightmare” (1964), “The Nanny” (1965), “The Anniversary” (1968), “Fear in the Night” (1972).

Já nos anos 70 Sangster passou à cadeira da realização com três filmes: “O Horror de Frankenstein” (1970), uma paródia ao filme de 1957, “Prazeres de Vampira” (1971), o segundo filme da trilogia Karnstein, e o já citado “Fear in the Night” (1972).

Para além do seu trabalho para a Hammer, Sangster tem ainda inúmeros créditos por argumentos para televisão.

Bernard Robinson (1912-1970)
Director Artístico

Bernard Robinson, foi o responsável pelo design e cenografia de todos os filmes de horror da Hammer, desde “A Máscara de Frankenstein” de 1957 até “O Barão de Frankenstein” de 1969. Isso fez dele uma das mais importantes figuras do universo Hammer, e um dos maiores responsáveis pela imagem que na nossa memória fica desses filmes.

Tinha o condão de, com poucos recursos materiais ou financeiros, conseguir dar às produções da Hammer um aspecto sofisticado e luxuoso. Tão notável era a imaginação com que geria os espaços, que muitas vezes dois filmes eram rodados em simultâneo, sem que tal se percebesse nos resultado final. Do seu engenho surgiram os laboratórios de Frankenstein, os interiores do castelo de Drácula, os túmulos egípcios de “A Múmia” (1959), o esconderijo subterrâneo do Fantasma da Ópera, o interior da Mansão Baskerville, a mina dos zombies, a vila da Cornualha de “A Mulher Serpente” (1966), o covil de “A Morte Passou por Perto” (1964), e tantos outras mansões, castelos, ruas sombrias, florestas pantanosas, que ficaram para sempre no imaginário do terror, e seriam tantas vezes imitadas.

A sua morte prematura em 1970 deixaria uma lacuna que coincide com o início do declínio da Hammer.

Phil Leakey (1908–1992)
Responsável pela Caracterização

Phil Leakey foi o director de caracterização da Hammer durante “A Máscara de Frankenstein” (1957), celebrado por ter criado o monstro interpretado por Christopher Lee, que necessitava (por questões de direitos de autor) de ser diferente daquele interpretado por Boris Karloff nos anos 30.

O sucesso dessa caracterização valeu-lhe uma reputação, continuada com os filmes seguintes da Hammer: “O Horror de Drácula” e “A Vingança de Frankenstein” ambos de 1958. Após estes filmes Leakey deixou a Hammer, alegadamente por não ter interesse em filmes de terror. Foi substituído pelo seu assistente Roy Ashton.

Phil Leakey continuou a trabalhar no cinema, até 1975.

Roy Ashton (1909-1995)
Responsável pela Caracterização

Australiano de origem, Roy Ashton tornou-se tenor em Inglaterra trabalhando com Benjamin Britten, enquanto ganhava a vida como artista de caracterização. Nessas funções iniciou-se na Hammer como assistente de Phil Leakey, trabalhando com ele, por exemplo em “A Máscara de Frankenstein” (1957). Roy Ashton assumiu as rédeas deixadas por Leakey a partir de “O Cão Dos Baskervilles” de 1959, e foi o responsável de caracterização em todos os filmes de horror da Hammer daí até 1966.

Ashton deu um inesquecível contributo ao reportório de monstros de terror, sendo dele as caracterizações de “A Múmia” (1959), “A Maldição do Lobisomem” (1961), “O Fantasma da Ópera” (1962), “A Morte Passou por Perto” (1964), “A Mulher Serpente” (1966), “The Plague of the Zombies” (1966) bem como do monstro de Frankenstein em “The Evil of Frankenstein” (1964).

Depois de deixar a Hammer, Ashton trabalhou ainda para a rival Amicus, na série Pink Panther de Blake Edwards, e em vários projectos televisivos.

Peter Cushing (1913–1994)
Actor

Peter CushingPeter Cushing é uma das figuras da Hammer mais facilmente reconhecíveis, a ponto de a sua presença ser suficiente para o público menos atento poder supor que estava perante um filme da Hammer. Ficou essencialmente conhecido pelas suas várias interpretações do Barão Victor Frankenstein, pelo caçador de vampiros Van Helsing (ou os seus descendentes), e Sherlock Holmes (que também interpretou numa série televisiva).

De perfil enérgico, vontade destemida e mente arguta, os heróis interpretados por Peter Cushing eram quase sempre o motor das histórias, e das suas vontades e decisões dependia o desenrolar dos acontecimentos, o que Peter Cushing interpretava com brilho e classe, num tom distintivo e inimitável. Como Victor Frankenstein ele é o exemplo perfeito do herói byroniano, atormentado pelo seu génio e sede de conhecimento. Inquieto, isolado, incompreendido, e incapaz de se relacionar emocionalmente com quem o rodeia, ele acaba vítima da sua própria arrogância.

Inesquecíveis são os seus confrontos com Christopher Lee (com quem manteve um longa amizade para lá dos ecrãs), a outra estrela da Hammer. Nos seus clássicos duelos entre o bem e o mal, Cushing e Lee contracenaram inúmeras vezes, fazendo com que filmes em que ambos participassem fossem muitas vezes erradamente confundidos com filmes da Hammer.

Com formação teatral, Peter Cushing começou a notabilizar-se como actor em Hollywood nos anos 40, destacando-se a sua participação no filme “Hamlet” de Laurence Olivier em 1948. Nos anos 50 voltou a Inglaterra dividindo o seu tempo entre o teatro e a televisão, tendo finalmente chegado a estrela maior do cinema com os filmes da Hammer “A Máscara de Frankenstein” (1957), “O Horror de Drácula” (1958), “O Cão Dos Baskervilles” (1958) e “A Múmia” (1959) (todos com a participação de Christopher Lee, e todos realizados por Terence Fisher).

Para além dos seus filmes para a Hammer, Cushing é facilmente reconhecido pelos filmes de terror da rival Amicus (nalguns contracenando com Christopher Lee): “Dr. Terror’s House of Horrors” (1965), “Torture Garden” (1967), “The House That Dripped Blood” (1970), “I, Monster” (1971), “Asylum” (1972), “Tales from the Crypt” (1972), “From Beyond the Grave” (1973), ainda contracenando com Vincent Price em “Dr. Phibes Rises Again” (1972) e “Madhouse” (1974).

Fora do terror, Cushing é reconhecido pela série televisiva “Sir Arthur Conan Doyle’s Sherlock Holmes” dos anos 60, como Dr. Who nos filmes “Dr. Who and the Daleks” (1965) e “Daleks – Invasion Earth: 2150 A.D.” (1966), e pelo filme “Guerra das Estrelas” (Star Wars Episode IV: A New Hope, 1977), entre outros.

Em 1989 foi-lhe atribuída a Ordem do Império Britânico.

Christopher Lee (1922-)
Actor

Christopher LeeChristopher Lee é, juntamente com Peter Cushing, um dos rostos mais facilmente reconhecíveis da Hammer. É também um dos mais prolíficos actores de sempre, com mais de 250 filmes desde 1948, notável pela sua presença física, porte aristocrático e voz profunda.

O seu primeiro papel para a Hammer foi o do monstro em “A Máscara de Frankenstein” (1957). O sucesso do filme, e do seu desempenho, levaram-no a ser o escolhido para os papéis do vilão horrífico dos filmes da Hammer, como a criatura em “A Múmia” de 1959. O seu mais famoso papel é o do Conde Drácula, que interpretou logo no filme de 1958, e em várias sequelas (nas quais Lee terá participado contra sua vontade). As suas interpretações tornaram-no segundo muitos críticos o melhor Drácula da história do cinema.

Mas os seus créditos na Hammer são mais diversificados do que se possa pensar. Destacam-se a vítima de “O Cão Dos Baskervilles” (1958), o opositor bem intencionado em “The Man Who Could Cheat Death” (1959), o playboy de “The Two Faces of Dr. Jekyll” (1960), o herói de “A Morte Passou por Perto” (1964) e o assassino louco em “Rasputin, the Mad Monk” (1966).

É ainda Christopher Lee que traz para a Hammer as obras do escritor do oculto, Dennis Wheatley, interpretando os dois filmes extraídos de romances deste autor, como herói em “The Devil Rides Out” (1968) e vilão em “To the Devil a Daughter” (1976).

Como Peter Cushing, também Christopher Lee participou em imensos filmes de terror fora da Hammer, nomeadamente na rival Amicus, como “Dr. Terror’s House of Horrors” (1965), “The House That Dripped Blood” (1970), “I, Monster” (1971), tendo chegado a voltar a interpretar o mais famoso dos vampiros, numa produção alemã “Count Dracula” (1969). Destaque ainda para “O Sacrifício” (The Wicker Man, 1973), a interpretação preferida do próprio Lee.

Fora da Hammer e dos filmes de terror, Lee tem ainda uma carreira invejável, destacando-se o vilão de “007 – O Homem da Pistola Dourada” (The Man with the Golden Gun, 1974), Saruman na trilogia “O Senhor Dos Anéis” (2001–2003), Count Dooku nos dois filmes finais da trilogia prequela de “Guerra Das Estrelas” (2002 e 2005), o papel principal no biopic “Jinnah” (1998), bem como a presença em vários projectos de Tim Burton: “A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça” (Sleepy Hollow, 1999), “Charlie e a Fábrica de Chocolate” (Charlie and the Chocolate Factory, 2005), “A Noiva Cadáver” (Corpse Bride, 2005), “Alice no País das Maravilhas” (Alice in Wonderland, 2010) e “Sombras Na Escuridão” (Dark Shadows, 2012).

Em 2011 Christopher Lee apareceu no filme “Perigo à Espreita (The Resident), um dos primeiros após o renascimento da Hammer Film Productions.

Jack Asher (1916-1991)
Director de Fotografia

Jack Asher foi o responsável pela fotografia dos primeiros filmes de terror da Hammer. Beneficiando do facto de filmar a cores (uma novidade no que diz respeito a filmes de terror), Asher estabeleceu a imagem de marca pela qual a produtora seria conhecida, com uma viva palete de cores, que conferiam às imagens o seu tom gótico decadente e fantasioso.

São exemplos dos seus trabalhos para a Hammer: “A Máscara de Frankenstein” (1957), “O Horror de Drácula” (1958), “A Vingança de Frankenstein” (1958), “O Cão Dos Baskervilles” (1958), “A Múmia” (1958), “The Man Who Could Cheat Death” (1959), “As Noivas de Drácula” (1960) e o seu último filme para a produtora, “The Two Faces of Dr Jekyll” (1960).

A sua técnica de filmar e de iluminar o cenário era alegadamente lenta e cara, o que interferia com os limitados orçamentos da Hammer, levando à sua saída da produtora. Seria substituído por Arthur Grant e Michael Reed, entre outros.

James Bernard (1925-2001)
Compositor

O compositor James Bernard é hoje conhecido quase unicamente pelas suas bandas sonoras para filmes da Hammer, e aplaudido pelos fãs da produtora pelo famoso tema ‘Draaa-cu-laaaa!’ do filme “O Horror de Drácula” de 1958. A música de James Bernard está fortemente associada ao período áureo da Hammer.

As suas bandas sonoras ajudaram a definir a imagem de marca do gótico da Hammer, e são dele as partituras para “A Máscara de Frankenstein” (1957), “O Horror de Drácula” (1958), “O Cão Dos Baskervilles” (1958), “A Múmia” (1958), “The Kiss of the Vampire” (1963), “A Morte Passou por Perto” (1964), “The Plague of the Zombies” (1966), “Drácula: Príncipe das Trevas” (1966), “Frankenstein Criou Uma Mulher” (1967), “The Devil Rides Out” (1968), “Dracula Has Risen from the Grave” (1968), “Taste the Blood of Dracula” (1969), “O Barão de Frankenstein” (1969), “Scars of Dracula” (1970), “Frankenstein E O Monstro Do Inferno” (1974) e “The Legend of the 7 Golden Vampires” (1974).

Ainda no domínio do terror, James Bernard compôs a partitura para a versão restaurada em 1997 do clássico mudo “Nosferatu: Eine Symphonie Des Grauens” de F. W. Murnau, de 1922.

Roy Skeggs
Produtor e Presidente

Roy Skeggs foi a pessoa que assumiu o controlo da “Hammer Film Productions” no final dos anos 70, com a retirada de James e Michael Carreras. Foi uma das pessoas que contribuiu para a renovação da imagem terror da Hammer, apostando em histórias contemporâneas.

Começando como director de produção em filmes no período fértil entre 1971 e 1972: “A Bela E O Monstro” (1971), “Túmulo De Sangue” (1971), “O Circo Dos Vampiros” (1971), “Dracula A.D. 1972” (1972); Skeggs tomou a cadeira de produtor nalguns dos últimos filmes da produtora: “The Satanic Rites of Dracula” (1973), “Frankenstein E O Monstro Do Inferno” (1974) e “To the Devil a Daughter” (1976).

Conjuntamente com o seu colaborador Brian Lawrence, Roy Skeggs assumiu a direcção da “Hammer Film Productions” em 1979, após o abandono de Michael Carreras. Skeggs mudou a produtora para Hapden House em Buckinghamshire, e decidiu-se pelo fim da produção de remakes e sequelas de velhos ícons do terror como Drácula e Frankenstein, mudando o ênfase para séries televisivas com temas mais variados e modernos, passados num cenário contemporâneo.

Com tempos de produção curtos, e filmagens nos locais, para diminuir custos, surgiu em 1980 a série “Hammer House of Horror”, que seria também bem recebida nos Estados Unidos. Tal sucesso levou à produção de uma segunda série, em 1984, a “Hammer House Of Mystery And Suspense”, em colaboração com a 20th Century Fox Television, com a participação de actores norte-americanos.

Em Janeiro de 2000 Roy Skeggs vendeu a sua participação na Hammer a um grupo privado que incluía o guru da publicidade Charles Saatchi.

<< página 1: O Gótico da Hammer
página 3: a lista de filmes >>

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s