Etiquetas

, , , , , , , ,

A Run for Your Money Na vila mineira galesa de Hafoduwchbenceubwllymarchogcoch, dois mineiros recebem um prémio de produtividade nacional, que significa uma ida a Londres para assistirem a um jogo de râguebi. Eles são os irmãos Dai Jones (Donald Houston) e Twm Jones (Meredith Edwards), cuja inocência os vai colocar em perigo na grande cidade, com o seu guia snob Whimple (Alec Guiness) a tentar mantê-los no caminho certo, a aventureira Jo (Moira Lister) a tentar sacar-lhes o dinheiro do prémio e o antigo conterrâneo Huw (Hugh Griffth) a preferir levá-los para bares.

Análise:

Com o subtítulo que surge logo a seguir aos créditos iniciais “A história de como a Gales galesa veio à cidade”, “A Run for Your Money”, o quarto filme da Ealing estreado em 1949 mostrava-se à partida como mais uma história na tradição das comédias anteriores da produtora, isto é, uma história de gente humilde, que na sua sabedoria popular e idiossincrasias regionais colidia com a ainda imperial Inglaterra.

“A Run for Your Money” inicia-se na fictícia vila de Hafoduwchbenceubwllymarchogcoch, onde dois mineiros – os irmãos Dai Jones (Donald Houston) e Twm Jones (Meredith Edwards) – são galardoados com um prémio de produtividade, que lhes vale uma ida a Londres para o receberem e dois bilhetes para o jogo de râguebi entre Inglaterra e Gales. Muito saudados por todos, Dai e Twm metem-se no comboio sem saber bem o que esperar, pois nunca viajaram. Claro que à chegada a Londres perdem-se logo do representante do jornal que atribui o prémio, o renitente colunista de jardinagem Whimple (Alec Guiness). Na manhã seguinte, enquanto tomam o pequeno-almoço num café, os irmãos são ouvidos por Jo (Moira Lister), uma trapaceira, que logo se insinua junto deles por causa do dinheiro. Graças a ela os irmãos perdem-se um do outro, e enquanto Jo e Dai vão ao jornal receber o prémio, sendo depois conduzidos por Whimple pelos locais turísticos de Londres, Twn encontra um ex-compatriota, Huw (Hugh Griffth), um reputado tenor e harpista que na vila todos crêem estar a cantar para a corte, e que é agora um pedinte, que até empenhou a sua harpa. Metendo-se em sarilhos desde o roubo da harpa da loja de penhores até uma fuga pela cidade até ao jornal, e posteriormente ao estádio de râguebi, onde o par reencontra Whimple, já perdido de Dai. Este é levado por Jo para comprar um anel de diamantes falso ao colega desta Barney (Lesley Perrins) como forma de lhe extorquir o dinheiro do prémio, mas Dai mudando de ideias, escolhe o anel verdadeiro, com Jo a segui-lo para lhe roubar o dinheiro. Quem não fica pelos ajustes é Whimple que, percebendo o esquema, rouba a mala de Jo com o dinheiro, enquanto os irmãos se reúnem no comboio de volta a Gales. Barney chama a polícia, e Whimple devolve a mala, mas Jo, arrependendo-se de tudo, atira o dinheiro para o comboio de Dai e Twn.

Mais uma vez, a exemplo de quase todos os filmes anteriores – a excepção é “Oito Vidas por um Título” (Kind Hearts and Coronets, 1949), de Robert Hamer –, “A Run for Your Money” é mais uma história de confronto entre gente simples e a máquina urbana cosmopolita, com as restrições do fim da Segunda Guerra Mundial ainda em fundo. Desta vez os heróis são galeses provincianos, que nunca haviam deixado a sua aldeia, e são agora lançados à selva urbana de Londres. Mesmo com o público galês a receber muito mal este filme pelos estereótipos que fazem deles um povo atrasado, é claro que o filme tenta celebrar a pureza de alma deles, em contraste com o cinismo de Whimple, o mercantilismo do dono da loja de penhores ou o oportunismo de Jo e Barney, entre outros. De Gales tudo o que chega é inocente e puro, e isso nota-se logo comboio, onde todos cantam em uníssono, ou até na aldeia, onde o triunfo dos dois irmãos é festejado por todos (assim ao estilo de Astérix e Obélix na aldeia gaulesa rodeada de romanos). Já em Londres tudo é fonte de corrupção, como é exemplificado pela decadência de Huw, outrora um músico promissor, agora um bêbedo e pedinte.

Mas, nunca nos pedindo para nos perdermos em análises sociais, ainda que seja possível entender as restrições em que a Londres do pós-guerra ainda vive, o filme de Charles Frend tenta sempre (e consegue) ser uma aventura alegre, de dois simplórios inocentes que, mesmo inexperientes, conseguem manobrar por instinto na tal selva que nada lhes diz. Se Dai se deixa seduzir por Jo e chega a propor-lhe que o acompanhe, mais que uma traição da sua noiva, isso funciona como um triunfo da inocência contra o cinismo, fazendo com que Jo, no fim, se arrependa dos seus esquemas e lhe devolva o dinheiro. E o triunfo é completo com Twn a resgatar o músico Huw, recuperando-lhe a harpa e trazendo-o de volta a Gales onde a sua arte poderá ser verdadeiramente apreciada.

Filmado quase inteiramente nas ruas Londres, “A Run for Your Money” é uma divertida aventura urbana, repleta desse elogio à inocência das pessoas simples e (ainda) incorruptas, onde as canções populares surgem do nada, e as intenções são sempre directas e inocentes, ao bom gosto do politicamente correcto dos anos 40, e da redescoberta que se fazia do que era a essência de se ser britânico. Passe o subaproveitamento de Alec Guinness, e mesmo contaminado com críticas de excesso de estereótipos, o filme não só se revelou um sucesso de bilheteira, como acabou nomeado para o BAFTA de melhor filme desse ano.

Donald Houston, Moira Lister e Lesley Perrins em "A Run for Your Money" (1949), de Charles Frend

Produção:

Título original: A Run for Your Money; Produção: Ealing Studios; Produtor Executivo: J. Arthur Rank; País: Reino Unido; Ano: 1949; Duração: 83 minutos; Distribuição: General Film Distributors (Reino Unido), Universal Pictures (EUA); Estreia: 24 de Novembro de 1949 (Reino Unido).

Equipa técnica:

Realização: Charles Frend; Produção: Michael Balcon; Produtor Associado: Leslie Norman; Argumento: Richard Hughes, Leslie Norman, Charles Frend [a partir do livro homónimo de Clifford Evans]; Diálogos Adicionais: Diana Morgan; Música: Ernest Irving; Fotografia: Douglas Slocombe [preto e branco]; Montagem: Michael Truman; Direcção Artística: William Kellner; Figurinos: Anthony Mendleson; Caracterização: Ernest Taylor; Direcção de Produção: Ralph D. Hogg.

Elenco:

Donald Houston (Dai), Moira Lister (Jo), Alec Guinness (Whimple), Meredith Edwards (Twm), Hugh Griffith (Huw), Clive Morton (Editor), Leslie Perrins (Barney), Edward Rigby (Guarda na Torre de Londres), Julie Milton (Bronwen), Peter Edwards (Davies Manager), Joyce Grenfell (Mrs. Pargiter), Dorothy Bramhall (Jane), Andrew Leigh (Dono da Loja de Penhores), Desmond Walter-Ellis (Voz na Estação), Mackenzie Ward (Fotógrafo), Meadows White (Guv’nor
Gabrielle Brune (Cantor), Ronnie Harries (Dan), Diana Hope (Cliente), Dudley Jones (Bleddyn), David Davies (The Burly Stranger), Tom Jones (Mineiro Mais Velho), Richard Littledale Gerente do Cinema).