Etiquetas

, , , , , , , , ,

Universos Paralelos

Está a chegar o vigésimo sétimo episódio de Universos Paralelos, da autoria do António Araújo (Segundo Take), do José Carlos Maltez (A Janela Encantada) e do Tomás Agostinho (Imaginauta).

Desta vez temos o universo “Exterminador Implacável”, com fins do mundo de guerra entre homens e máquinas, como James Cameron e Arnold Scharzenegger nos mostraram:
podcast

 

Terminator: a inevitabilidade do futuro de James Cameron

James Cameron e Arnold Schwarzenegger

Certo dia, num quarto de hotel de hotel em Roma, sentindo-se sozinho e fora do seu elemento, James Cameron ficou doente e teve um pesadelo sobre um torso metálico arrastando-se para fora de uma explosão enquanto segurava facas de cozinha. Este cenário sonhado foi a génese de “O Exterminador Implacável”. A partir desta imagem, com contribuições do amigo William Wisher, Jr. e da produtora Gale Anne Hurd, que acabaria creditada como co-argumentista, construiu uma história sobre um ciborgue humanóide aparentemente indestrutível que viaja no tempo — desde 2029 até 1984 — para assassinar uma empregada de mesa, Sarah Connor, cujo filho John, ainda não nascido, liderará a humanidade numa guerra contra as máquinas. A reviravolta de génio reside no irresolúvel paradoxo temporal introduzido pelo envio de Kyle Reese, um soldado dessa guerra futura, com o intuito de proteger Sarah do exterminador implacável a todo custo, que acaba por ser o pai de John. O eterno dilema do ovo e da galinha que, em vez de se encerrar em si próprio, abre as portas a infindáveis possibilidades.

Arnold Schwarzenegger em "O Exterminador Implacável" (Terminator, 1984), de James Cameron

“O Exterminador Implacável”, estreado em 1984, veio a revelar-se como um título charneira do terror e da ficção científica. Não só inscreveu uma variedade de conceitos na cultura popular, tais como a ideia de organismos cibernéticos ou a ameaça da singularidade — o momento em que a inteligência artificial superará a inteligência humana, alterando radicalmente a civilização —, como se tornou uma referência incontornável da década de oitenta, firmando o estrelato de Arnold Schwarzenegger. O actor austríaco tem uma presença física inegável e a sua interpretação robótica, muitas vezes menosprezada, é um elemento crucial para a eficiência das assustadoras cenas de perseguição, criando uma sensação de implacabilidade bem traduzida no título em português. Além disso, linhas de diálogo como “I’ll be back!” tornaram-se parte do léxico cinéfilo (e não só), comprovando o impacto cultural de um pequeno filme de género.

Poster promocional de "Exterminador Implacável 2: O Dia do Julgamento" (Terminator 2: Judgment Day, 1991), de James Cameron

Em 1991, Cameron realizou uma sequela, “Exterminador Implacável 2: O Dia do Julgamento”, expandindo o universo do original e superando-o em escala e ambição. T2, como ficou conhecido, foi um sucesso monumental de público e crítica, e foi um passo de gigante no que respeita à utilização de efeitos digitais no cinema na criação do antagonista T-1000, um metamórfico de metal líquido. Menos enraizado no género de terror e mais preocupado com temáticas de livre-arbítrio e predestinação, é, no entanto, um complemento perfeito ao filme anterior, com o qual forma um díptico de perfeita mitologia de ficção científica. Mas quis o destino que a história não acabasse aqui, e, entre 2003 e 2017, fomos presenteados com mais uma série televisiva e quatro sequelas que, alimentadas pelas possibilidades abertas pelo conceito de viagem no tempo e pelos resultados de bilheteira abaixo das expectativas, escreveram e reescreveram o rumo da série, trilhando um sortido de realidades alternativas, tanto fora como dentro do ecrã.

Se a série televisiva, “Terminator: As Crónicas de Sarah Connor” (2008-2009), se focou em temas religiosos e humanistas, cada título adicional para cinema, à procura de reproduzir a magia dos dois primeiros filmes, foi reflectindo a realidade do momento, adaptando as preocupações temáticas originais em função da constante evolução tecnológica e social, não obstante o medo nuclear como catalisador central da ameaça apocalíptica. Em 2003, num mundo cada vez mais ligado em rede, “Exterminador Implacável 3 – Ascensão das Máquinas” introduziu o conceito de vírus informáticos como ameaça aos servidores de defesa militar. Depois da tentativa, em 2009, de ancorar a saga no futuro devastado em “Exterminador Implacável – A Salvação”, piscando o olho a questões de identidade e humanidade bem caras ao género, seis anos mais tarde, alimentado por uma corrente de soft reboots e legacy sequels, “Exterminador: Genisys” descentralizou a ameaça dos servidores de defesa estatal para os omnipresentes telemóveis e tablets com os quais convivemos diariamente, criando um vilão cibernético mais insidioso e, potencialmente, mais perigoso. Finalmente, com a nova viragem de rumo em 2019, “Exterminador Implacável – Destino Sombrio” mostrou-se mais preocupado com o actual panorama político, económico e social, ao reinventar a ascensão do inimigo como a consequência de uma guerra cibernética, e ao depositar a esperança para a humanidade numa mexicana a viver além do infame muro que separa o México dos Estados Unidos da América.

Natalia Reyes, Mackenzie Davis e Linda Hamilton em "Exterminador Implacável - Destino Sombrio" (Terminator: Dark Fate, 2019), de Tim Miller

Muitos gostariam de viajar no tempo e impedir que mais sequelas houvessem depois de T2. Infelizmente, não podemos mudar o passado, apenas esperar o melhor daqui em diante. O que será que o futuro nos reserva? Só o destino o dirá. E este, como diria Sarah Connor, está nas nossas mãos. Ou melhor, nas mãos dos executivos de Hollywood que não aprendem com os erros e parecem fadados a repeti-los.

António Araújo, Fevereiro de 2020.

 

Fontes primárias

Cinema

  • O Exterminador Implacável (The Terminator, James Cameron, 1984)
  • Exterminador Implacável 2: O Dia do Julgamento (Terminator 2: Judgment Day, James Cameron, 1991)
  • Exterminador Implacável 3 – Ascensão das Máquinas (Terminator 3: Rise of the Machines, Jonathan Mostow, 2003)
  • Exterminador Implacável – A Salvação (Terminator Salvation, McG, 2009)
  • Exterminador: Genisys (Terminator Genisys, Alan Taylor, 2015)
  • Exterminador Implacável – Destino Sombrio (Terminator: Dark Fate, Tim Miller, 2019)

Televisão

  • Terminator: As Crónicas de Sarah Connor (Terminator: The Sarah Connor Chronicles, Josh Friedman, 2008-2009)

Banda Desenhada

  • Inúmeras publicações

Videojogos

  • Inúmeros jogos.

 

Outras referências

Bibliografia

  • Stirling, S. M. (2001) T2: Infiltrator. Nova Iorque: HarperEntertainment
  • Stirling, S. M. (2003) T2: Rising Storm. Nova Iorque: HarperEntertainment
  • Stirling, S. M. (2004) T2: The Future War. Nova Iorque: HarperEntertainment.

Televisão

  • Soldier (Episódio de The Outer Limits escrito por Harlan Ellison, 1964).