Etiquetas

, , , , , , , ,

Universos Paralelos

Na segunda-feira completamos dois anos, com o vigésimo quarto episódio de Universos Paralelos, da autoria do António Araújo (Segundo Take), do José Carlos Maltez (A Janela Encantada) e do Tomás Agostinho (Imaginauta).

Nele, vamos investigar o universo detectivesco de Philip Marlowe, a mais célebre criação de Raymond Chandler:
podcast

 

O universo detectivesco de Philip Marlowe

Raymond Chandler

Em 1932, aos 44 anos, Raymond Chandler virou-se para a escrita depois de perder o emprego como executivo numa empresa petrolífera. Por esta altura, já tinha tido experiência para várias vidas. Nascido em Chicago em 1888, viveu com a mãe em Londres depois do pai abandonar a família. Naturalizado inglês para se tornar funcionário público, Chandler viria a virar as costas a essa actividade para experimentar sem sucesso uma carreira no jornalismo. O suicídio do amigo autor e poeta Richard Barham Middleton, que considerava ser mais talentoso do que o próprio, impressionou-o e desmoralizou-o de prosseguir uma carreira na escrita nesse momento. De regresso aos EUA, foram precisas várias actividades profissionais, as trincheiras da Primeira Grande Guerra em França e a Grande Depressão, ajudadas pelo alcoolismo, absentismo, volatilidade e avanços impróprios sobre colegas femininas, para se encontrar no desemprego e obrigar-se a escrever ficção pulp como meio de subsistência.

Depois de publicar textos na revista Black Mask e vários contos, o primeiro romance “The Big Sleep”, em 1939, viu nascer o detective Philip Marlowe, a sua criação definitiva. Juntamente com outros autores contemporâneos, como Dashiell Hammemett, James M. Cain ou Mickey Spillane, foi um dos nomes responsáveis pelo estilo hard-boiled. Numa reacção aos rígidos costumes, moralismo social e sexual, fundamentalismo religioso e exploração capitalista da era vitoriana — frequentemente alvo de ácidas farpas nos textos de Chandler —, e na sequência da violência do crime organizado e da corrupção do sistema legal americano durante a Proibição da segunda década do século XX, os romances hard-boiled criaram, com os seus detectives cínicos, anti-heróis que gastavam a sola dos sapatos nas ruas violentas e navegavam a linha ténue entre os criminosos e os agentes da lei. Não espanta, portanto, que este género tenha andado de mão dada com o film noir na sétima arte, servindo de base a inúmeras adaptações ao grande-ecrã.

Marlowe, não só substituiu os protagonistas dos contos anteriores de Chandler em edições futuras, como protagonizou as restantes histórias e romances escritos pelo autor, como os celebrados “Farewell, My Lovely” (1940) ou “The Long Goodbye” (1953). Dos oito romances publicados — o último, “Poodle Springs”, foi completado por Robert B. Parker trinta anos depois da morte de Chandler, em 1959 — apenas “Playback” (1958) não foi adaptado ao cinema, sendo que alguns foram-no mais do que uma vez. Assim, e apesar do retrato icónico de Philip Marlowe por Humphrey Bogart — “À Beira do Abismo” (The Big Sleep, Howard Hawks, 1946) —, muitos foram os actores que vestiram a gabardina e o chapéu do detective: George Sanders, Lloyd Nolan, Dick Powell, George Montgomery, Robert Montgomery, na década de quarenta, James Garner, em 1969, Robert Mitchum (o único actor que interpretou Marlowe por duas vezes) e o improvável Elliot Gould na década de setenta, e, por fim, James Caan, no final dos anos noventa.

Além de influenciar estilisticamente a literatura popular americana, Raymond Chandler também escreveu para cinema, adaptando obras de outros autores — “Pagos a Dobrar” (Double Indemnity, Billy Wilder, 1944), adaptando James M. Cain em colaboração com o realizador, ou “O Desconhecido do Norte-Expresso” (Strangers on a Train, Alfred Hitchcock, 1951), numa adaptação, com Czenzi Ormonde, de um romance de Patricia Highsmith — e escrevendo argumentos originais, como “A Dália Azul” (The Blue Dahlia, George Marshall, 1946). No entanto, interessa-nos aqui a sua criação central, Philip Marlowe, o seu papel na definição do estilo hard-boiled e os vários retratos do detective privado no cinema, tanto no contexto do film noir como em adaptações posteriores.

António Araújo, Agosto de 2019.

 

Fontes primárias

Romances

  • The Big Sleep (1939) Alfred A. Knopf, New York
  • Farewell, My Lovely (1940) Alfred A. Knopf, New York
  • The High Window (1942) Alfred A. Knopf, New York
  • The Lady in the Lake (1943) Alfred A. Knopf, New York
  • The Little Sister (1949) Hamish Hamilton, London
  • The Long Good-bye (1953) Hamish Hamilton, London
  • Playback (1958) Hamish Hamilton, London
  • Raymond Chandler deixou um romance inacabado, completado em 1989 por Robert B. Parker como Poodle Springs

Colecções de contos / novelas

  • Five Murderers (1944) Avon Books, New York
  • Five Sinister Characters (1945) Avon Books, New York
  • Red Wind (1946) World Publishing Co, Cleveland, OH
  • Spanish Blood (1946) World Publishing Co, Cleveland, OH
  • Finger Man, and Other Stories (1947) Avon Books, New York
  • The Simple Art of Murder (1950) Houghton Mifflin Harcourt, Boston
  • Trouble Is My Business (1950) Penguin Books, Harmondsworth
  • Pick-up on Noon Street (1952) Pocket Books, New York
  • Smart-Aleck Kill (1953) Hamish Hamilton, London
  • Pearls Are a Nuisance (1958) Hamish Hamilton, London
  • Killer in the Rain (1964) Hamish Hamilton, London
  • The Smell of Fear (1965) Hamish Hamilton, London

Cinema

  • Falcão Detective (The Falcon Takes Over, Irving Reis, 1942). Adaptação de “Farewell My Lovely” com o detetive Falcon substituindo Marlowe. George Sanders interpretou Falcon
  • Time to Kill (Herbert I. Leeds, 1942). Adaptação de “The High Window” com o detetive Michael Shayne no lugar de Marlowe. Lloyd Nolan é Shayne
  • Enigma (Murder, My Sweet, Edward Dmytryk, 1944). Adaptação de “Farewell My Lovely”. Dick Powell como Marlowe
  • À Beira do Abismo (The Big Sleep, Howard Hawks, 1946). Humphrey Bogart como Marlowe
  • A Dama do Lago (Lady in the Lake, Robert Montgomery, 1947). Robert Montgomery como Marlowe
  • A Moeda Maldita (The Brasher Doubloon, John Brahm, 1947. Adaptação em produção britânica de “The High Window”. George Montgomery interpreta Marlowe
  • Detective em Acção (Marlowe, Paul Bogart, 1969). Adaptação de “The Little Sister”. James Garner como Marlowe
  • O Imenso Adeus (The Long Goodbye, Robert Altman, 1973). Elliott Gould interpreta Marlowe
  • O Último dos Duros (Farewell, My Lovely, Dick Richards, 1975). Robert Mitchum interpreta Marlowe
  • O Sono Derradeiro (The Big Sleep, Michael Winner, 1978). Robert Mitchum interpreta Marlowe

Rádio e Televisão

  • Lux Radio Theatre, Murder My Sweet, adaptação do filme de 1944, CBS, 11 de junho de 1945 (Dick Powell como Marlowe)
  • The New Adventures Of Philip Marlowe, série de rádio da NBC, 17 de junho de 1947 a 9 de setembro de 1947. (Van Heflin como Marlowe)
  • Suspense, rádio CBS, 10 de janeiro de 1948 (participação na série com Robert Montgomery em The Adventures of Sam Spade (crossover), “The Kandy Tooth”)
  • Hollywood Star Time, Murder My Sweet, adaptação do filme de 1944, rádio CBS, 8 de junho de 1948 (Dick Powell como Marlowe)
  • The Adventures Of Philip Marlowe, série da rádio CBS, 26 de setembro de 1948 até 15 de setembro de 1951. (Gerald Mohr como Marlowe)
  • Climax!, The Long Goodbye, adaptação do livro, TV CBS, 7 de outubro de 1954 (Dick Powell como Marlowe)
  • Philip Marlowe, TV ABC, 6 de outubro de 1959 até 29 de março de 1960. (Philip Carey como Marlowe)
  • Philip Marlowe, Private Eye, Sére da London Weekend Television/HBO Television, 16 de abril de 1983 até 18 de maio de 1983, 27 de abril de 1986 até 3 de junho de 1986) (Powers Boothe como Marlowe)
  • The BBC Presents: Philip Marlowe, Série de rádio da BBC, 26 de setembro de 1977 até 23 de setembro de 1988. (Ed Bishop como Marlowe)
  • Fallen Angels, “Red Wind”, adaptação do conto, Showtime Television, 26 de novembro de 1995. (Danny Glover como Marlowe)
  • Crime no Nevada (Poodle Springs), adaptação do livro “Poodle Springs” (um fragmento completado por Robert B. Parker), filme da HBO Television, 25 de julho de 1998. (James Caan como Marlowe)

 

Fontes secundárias

Literatura

  • Triste, solitario y final (de Osvaldo Soriano, 1974. Marlowe aparece como uma personagem)
  • Raymond Chandler’s Philip Marlowe: a Centennial Celebration (colecção de contos de outros autores, ed. Byron Preiss, 1988, ISBN 1-59687-847-9, e 1999, ISBN 0-671-03890-7, com duas novas histórias)
  • Poodle Springs (de Robert B. Parker, 1990, finalização do livro de Chandler)
  • Perchance to Dream (de Robert B. Parker, 1991, escrito como uma sequência para The Big Sleep)
  • Orange Curtain (de John Shannon; Marlowe aparece aposentado como uma pessoa real modelada conforme as novelas de Chandler)
  • Dealer’s Choice (de Sara Paretsky; sátira dos detectives particulares usando Marlowe como protagonista)
  • The Singing Detective (de Dennis Potter; o protagonista muda o nome para Marlowe)