Etiquetas

, , , , , ,

Universos Paralelos

Esta segunda-feira teremos o vigésimo segundo episódio de Universos Paralelos, da autoria do António Araújo (Segundo Take), do José Carlos Maltez (A Janela Encantada) e do Tomás Agostinho (Imaginauta).

Este episódio leva-nos pelas odisseias metafísico-espaciais de Arthur C. Clarke na saga 2001, e pode ser ouvido aqui:
podcast

 

A odisseia metafísica de Arthur C. Clarke

Quando, a 12 de Setembro de 1962, o presidente norte-americano John F. Kennedy proferiu o famoso discurso no qual prometia, até ao final da década, colocar um homem na Lua, estava não só a trazer uma desejada lufada de optimismo à sociedade do seu país, como a fazer com que uma nova geração olhasse para a exploração espacial como algo bem mais tangível do que até aí a incipiente ficção científica de então deixara adivinhar.

Se, no papel, essa ficção científica tinha gerado obras hoje consideradas clássicas — de Jules Verne a H. G. Wells, por exemplo —, no cinema a situação era diferente. Aí, a ideia de exploração espacial era mais devedora de space-operas que seguiam as heróicas aventuras de Flash Gordon, Buck Rodgers e John Carter, as primeiras duas serializadas para o grande ecrã. O pós-guerra trouxe uma sensibilidade diferente — e mais negativa — sobre a ciência, que no cinema se traduziu em catastróficas invasões extra-terrestres e terríficos ataques de monstros mutantes (com as notáveis excepções de “Planeta Proibido” e “Destination Moon”). Mas ainda faltava algo para que o cinema levasse a ciência a sério, tentando envolver-se na corrida espacial, adivinhando e resolvendo os problemas que se deparariam à NASA.

Entre as muitas pessoas que não deixavam de pensar no assunto por um segundo, estava Arthur C. Clarke, um cidadão britânico nascido em 1917, formado em física e matemática, e que, ao invés de seguir uma carreira académica, foi como diletante que deixou a sua marca (desde o momento em que ajudou a montar a rede de radares de defesa britânica durante a Segunda Guerra Mundial), organizando clubes de ciência e escrevendo para revistas, com trabalhos de grande qualidade, um dos quais o terá creditado como peça importante da teoria por detrás do uso de órbitas geoestacionárias para satélites de telecomunicações. Mas a paixão de Clarke era a escrita ficcional, veículo onde podia dar largas à imaginação, encontrando campo onde desenvolver e especular, onde a física, com as suas possibilidades e limitações, era sempre o ponto de partida.

Com 11 dos seus mais de 30 romances (a que se juntam dezenas de contos) já publicados, Arthur C. Clarke foi interpelado por Stanley Kubrick, que o queria usar como argumentista de um filme de exploração espacial, que tratasse a ciência seriamente, servido de efeitos especiais ímpares. O casamento Clarke-Kubrick resultou na perfeição, e a partir de ideias presentes nalguns contos do primeiro — como “Encounter at Dawn” e “The Sentinel” —, o duo desenvolveu “2001: Odisseia no Espaço”, num processo provavelmente único em que livro e filme foram trabalhados em paralelo, não sendo um sucedâneo do outro.

Com a conquista espacial, os pormenores dos desafios dela inerentes (os próprios astronautas do programa Apollo mais que uma vez referiram o filme como algo que eles pareciam estar a imitar), os perigos da inteligência artificial, a relação do homem com o transcendente e todos os mistérios que o universo ainda nos irá colocar, Clarke e Kubrick conquistariam o mundo, numa obra incontornável na sua importância na história do cinema e da ficção científica em geral. A precisão e imaginação de Clarke, aliadas à visão, estética e técnica perfeita de Kubrick, resultaram num filme que ainda hoje é o padrão pelo qual todas as obras cinematográficas de ficção científica se medem, para lá de nos dar um conjunto de momentos icónicos que todos conhecemos, e o mais célebre computador da história da ficção: o infame HAL 9000.

O sucesso resultou também na apreciação do livro que surgiu pouco depois do filme, e que ajudou a cimentar o estatuto de Arthur C. Clarke como um dos chamados “Big Three” da literatura de ficção científica (a par de Robert A. Heinlein e Isaac Asimov), e levou a que, em 1982, surgisse a sequela literária “2010: Segunda Odisseia”. Esta foi imediatamente adaptada ao cinema, por Peter Hyams, já sem a pretensão estética de Kubrick, resultando num filme interessante, onde os ecos da era-Reagan alteravam o tom da história original, a qual trazia uma curiosa colaboração entre EUA e URSS a bem do futuro da humanidade.

Sem o mesmo impacto do filme original, “2010: O Ano do Contacto” (1984) voltava a especular sobre o facto de estarmos ou não sós no universo, mas terá chegado num momento em que o mundo do cinema tinha outras preocupações temáticas. Tal não impediu Arthur C. Clarke de continuar a cuidar deste seu universo onde monólitos negros fazem um estranho contacto com a Terra, trazendo mensagens sobre vida noutros planetas, alterando a ordem do Sistema Solar e fazendo-nos sonhar com a exploração espacial, tal a escrita escorreita de Clarke e o seu modo de nos dar aulas de física em exemplos concretos bem simples, em que até aí nunca pensáramos.

Surgirão assim mais dois livros, “2061: Terceira Odisseia (1987)” e “3001: Odisseia Final (1997)”, estes nunca adaptados ao cinema, e que, de um modo cientificamente bem mais especulativo que os dois primeiros, apontam um futuro possível para a espécie humana, onde o contacto extraterrestre veio reorientar as prioridades do nosso planeta, fazendo-nos ultrapassar muitos erros e levando-nos a conquistar o Sistema Solar.

Com um imaginário ainda muito em aberto, e que continua a fascinar todos os que o descobrem, hoje parece-nos triste apenas que o ano de 2001 já tenha passado há quase duas décadas e a nossa condição como espécie inteligente pareça muito atrás daquilo que Clarke e Kubrick nos vaticinaram. Mas a NASA voltou recentemente a relançar o regresso à Lua. Estará lá um monólito negro à nossa espera?

José Carlos Maltez, Setembro 2019.

 

Fontes primárias

Bibliografia

  • Clarke, Arthur C. (1948) The Sentinel. [inicialmente publicado na revista 10 Story Fantasy]
  • Clarke, Arthur C. (1953) Encounter at Dawn. [inicialmente publicado na revista Amazing Stories]
  • Clarke, Arthur C. (1968) 2001: A Space Odyssey. London: Hutchinson. [Tradução portuguesa por Publicações Europa-América]
  • Clarke, Arthur C. (1982) 2010: Odyssey Two. London: Granada Publishing Ltd. [Tradução portuguesa por Publicações Europa-América]
  • Clarke, Arthur C. (1987) 2061: Odyssey Three. London: Del Rey Books. [Tradução portuguesa por Publicações Europa-América]
  • Clarke, Arthur C. (1997) 3001: The Final Odyssey. London: Ballantine Books. [Tradução portuguesa por Publicações Europa-América]

Cinema

  • 2001: Odisseia no Espaço (2001: A Space Odyssey, Stanley Kubrick, 1968)
  • 2010: O Ano do Contacto (2010: The Year We Make Contact, Peter Hyams, 1984)

 

Fontes secundárias

Literatura

  • Agel, J. (ed.) (1970) The Making of Kubrick’s 2001. New York City, NY: Signet Books.
  • Clarke, A. C. (1972) The Lost Worlds of 2001. New York City, NY: New American Library.
  • Hughes, D. (2001) The Complete Kubrick. London: Virgin Books.
  • Benson, M (2018) Space Odyssey: Stanley Kubrick, Arthur C. Clarke, and the Making of a Masterpiece. New York City, NY: Simon & Schuster.

Documentários

 

Outras referências

Literatura

  • Clarke, Arthur C. (1953) Expedition to Earth. London: Ballantine Books. [Tradução portuguesa por Publicações Europa-América]
  • Clarke, Arthur C. (1986) The Songs of Distant Earth. London: Grafton Books. [Tradução portuguesa por Publicações Europa-América]

Cinema

  • Estrada do Inferno (Countdown, Robert Altman, 1967)
  • Perdidos no Espaço (Marooned, John Sturges, 1969)
  • Solaris (Solyaris, Andrei Tarkovsky, 1972)
  • Estrela Negra (Dark Star, John Carpenter, 1974)
  • O Caminho das Estrelas (Star Trek: The Motion Picture, Robert Wise, 1979)
  • Contacto (Contact, Robert Zemeckis, 1997)
  • O Enigma do Horizonte (Event Horizon, Paul W.S. Anderson, 1997)
  • Missão a Marte (Mission to Mars, Brian De Palma, 2000)
  • WALL·E (Andrew Stanton, 2008)
  • Gravidade (Gravity, Alfonso Cuarón, 2013)
  • Europa Report (Sebastián Cordero, 2013)
  • Uma História de Amor (Her, Spike Jonze, 2013)
  • Interstellar (Christopher Nolan, 2014)
  • Primeiro Encontro (Arrival, Denis Villeneuve, 2016)

Televisão

  • Arthur C. Clarke’s Mysterious World (1980, ITV)
  • Nightflyers (2018-2019, Syfy)