Etiquetas

, , , , , , , , , , , , , , ,

Flying Swords of Dragon Gate Com o Império dominado pela corrupção dos Gabinetes Ocidental e Oriental, Zhao Huai (Jet Li) revela-se uma espinha cravada no Estado, com as seus constantes ataques aos oficiais. Quando uma concubina grávida (Mavis Fan) foge do palácio para escapar à fúria da consorte real, é perseguida pelos homens de Yu Huatian (Chen Kun), e salva por alguém que diz ser Zhao (Ling Yanqiu). A perseguição leva todos à estalagem de Dragon Gate, onde um grupo tribal de tártaros liderados por uma princesa (Kwei Lun-Me), dois aventureiros (Li Yuchun e novamente Chen Kun) e um grupo de soldados do Gabinete Ocidental se encontram, tentando sobreviver a uma tempestade de areia e uns aos outros, enquanto se espera que aquela revele um tesouro escondido.

Análise:

Depois de “Sete Espadas” (Qi jian, 2005) e de “Detective Dee and the Mystery of the Phantom Flame” (Di renjie: Tong tian di guo, 2010), o veterano Tsui Hark voltava ao cinema de acção de artes marciais, com mais uma super-produção wuxia, filmada em 3D, que em comum com os anteriores tinha a sua habitual crítica do poder, e uma forma de subversão política, onde rebeldes ou inadaptados tentam endireitar um aparelho de Estado injusto e ineficaz. Desta vez o veículo era o remake dos conhecidos filmes “Dragon Inn” (Long men kezhan, 1967), realizado por King Hu, e “New Dragon Gate Inn” (Sun lung moon hak chan, 1992), de Raymond Lee, Ching Siu-Tung e do próprio Tsui Hark.

O Império é dominado pela burocracia e pelo regime de terror dos gabinetes imperiais, constituídos pelos eunucos que tratam da administração. De um lado, o Gabinete Oriental fiscaliza violentamente todos os empreendimentos e negócios do império, do outro, o Gabinete Ocidental fiscaliza o primeiro e todas as faltas que este deixa por punir. Quando o gabinete Oriental condena oficiais dos estaleiros, por terem denunciado a corrupção dos seus superiores, Zhao Huai’an (Jet Li) e os seus companheiros salvam os acusados, matando e decapitando o líder do Gabinete Oriental (Liu Chia-Hui). Na corte, a preocupação da concubina real (Zhang Viann) é que nenhuma das outras mulheres engravide antes dela. E quando quatro mulheres são descobertas grávidas, três são mortas, mas a quarta, Su Huirong (Mavis Fan) escapa. Esta é perseguida por barco pelo líder do Gabinete Ocidental, e amante secreto da consorte, Yu Huatian (Chen Kun), e acaba descoberta num barco no rio, mas quando vai ser capturada por Zhao Tong (Wu Di), é salva por um lutador mascarado que diz ser Zhao Huai’an, o qual vê tudo à distância, e que depois desafia o barco de Yu Huatian, para dar tempo para a fuga. O mascarado revela-se como uma mulher, Ling Yanqiu (Zhou Xun), e leva Su Huirong para a Estalagem Dragon Gate, quando se avizinha uma enorme tempestade de areia, que faz com que vários grupos aí se reúnam, como um bando tártaro conduzido pela princesa Chang Xiaowen (Kwei Lun-Mei) e o seu fiel gigante H’Gantga (Han Feixing). Quando chega um grupo de soldados do Gabinete Ocidental comandados por Tan Luzi (Sheng Chien), Ling Yanqiu esconde-se com Ling Yanqiu nos túneis secretos por baixo da estalagem. Depois de tártaros e soldados lutarem e se tentarem envenenar mutuamente, chega ainda o casal Gu Shaotang (Li Yuchun) e o seu companheiro Pu Cangzhou, dito Wind Blade (também Chen Kun), que os soldados pensam ser o seu chefe Yu Huatian. Secretamente, Gu Shaotang, Pu Cangzhou, os tártaros, e os homens do estalajadeiro Liang Cai (Sun Jian Kui) conspiram para obter o tesouro escondido por uma antiga tempestade e uma lenda afirma que a tempestade que se aproxima irá revelar.

Ouvindo um ruído, vindo de baixo, o grupo conspirador descobre os túneis e luta contra Ling Yanqiu, sabendo que a entrega de Su Huirong fará os soldados ir embora. Mas a chegada de Zhao Huai’an vem apaziguar ambas as partes, pois este traz informação de que Yu Huatian se aproxima com muitos soldados. Em simultâneo Zhao Huai’an e Ling Yanqiu reconhecem-se de uma relação passada em que esta viu a amada dele morrer, e o ama agora em segredo. O grupo começa então a sabotar os soldados, com Wind Blade a fazer-se passar por Yu Huatian, o que vai causar tanta confusão, que quando o verdadeiro Yu Huatian chega, os dois contingentes de soldados se atacam um ao outro. Por fim, os conspiradores revelam-se, matando os soldados restantes numa enorme batalha, com apenas Ling Yanqiu, Su Huirong, Chang Xiaowen, H’Gantga, Gu Shaotang e Wind Blade a sobreviver, enquanto Zhao Huai’an e Yu Huatian lutam no centro do furacão. Quando a tempestade passa, a cidade antiga é revelada, e quando os seis amigos lá entram, encontram os dois combatentes ainda em duelo. O impasse que se dá é uma perda de tempo, uma vez que a tempestade voltará, pelo que é combinada uma trégua para remover o tesouro. Só que quando um grupo saía com o tesouro, Su Huirong revela-se como agente de Yu Huatian, apunhala a sua protectora Ling Yanqiu, e corre para salvar o mestre. Também Ling Yanqiu acorre para ajudar Zhao Huai, e na luta Su Huirong e Yu Huatian morrem, enquanto a tempestade volta a esconder a cidade.

Quando Zhao Huai recupera dos ferimentos é-lhe dito que Ling Yanqiu partiu para que ele não a visse morrer, mas ele sabe que ela partiu para não ser abandonada, pelo que desta vez decide procurá-la. Enquanto Gu Shaotang decide ficar no local, esperando nova tempestade que revele o tesouro, Chang Xiaowen e Wind Blade vão para a capital, ele fazendo-se passar por Yu Huatian, o líder do Gabinete Ocidental, e juntos envenenam a concubina real.

Ao assumir o remake de um filme famoso dos anos 1960, Tsui Hark decidiu reescrever o argumento ao seu jeito, tornando-o uma versão «reimaginada», mantendo os temas principais (oficiais corruptos, combatentes rebeldes, e um tesouro escondido que leva todos a uma estalagem), mas complicando ainda mais o enredo numa série de episódios e volte-faces, com uma imensidão de personagens, de alianças frágeis e motivações voláteis. O filme vive ainda muito da componente tecnológica que marca a fotografia (desde os céus que chegam a parecer pintados por Van Gogh, aos travellings digitais por paisagens imensas, cidades sintéticas e movimentos rápidos dos personagens que são criados em computador, como se fossem personagens de animação). Essa forte dependência da tecnologia, que além do aspecto visual condiciona até as sequências de combate (sempre feitas de movimentos impossíveis, que não deixam que esses combates tenham a fluidez e coreografia habitualmente elegante nestes filmes), é um dos aspectos mais negativos do filme, e que terá alienado o público ocidental.

Pela positiva, temos a história e as interpretações. A primeira é feita de vários sub-enredos, onde se contam: a corrupção dos oficiais imperiais, afrontados pelo personagem de Jet Li, uma espécie de Robin dos Bosques chinês; a história da perseguição à concubina grávida, condenada a morrer por ordem da consorte real, mas que no final se revela uma dupla agente; o amor (não tão) secreto de Ling Yanqiu por Zhao Huai’an, simbolizado flauta que esta carrega e que pertenceu a outra, e por saber que Zhao Huai’an não a amará, prefere errar não o procurando, para não sofrer a dor do abandono; e por fim a história do tesouro que leva todos a Dragon Gate, por entre escritos mitológicos, escaramuças, envenenamentos e traições, com a curiosidade da quase shakespeareana comédia de enganos que é a confusão entre Wind Blade e o chefe do exército, ambos interpretados por Chen Kun. Embora nem todos os ingredientes sempre funcionem (por exemplo as intrigas palacianas do início são rapidamente ignoradas), os vários elementos contribuem para o colorido das personagens.

E quanto a estas, destaca-se logo o citado duplo papel de Chen Kun, um dos pontos altos do filme, com o actor a conseguir criar duas personalidades distintas. Se Yu Huatian é duro e cruel, sem uma pinga de humor ou compaixão, já Wind Blade é um personagem cómico, capaz de agarrar cada cena com os seus olhares comprometidos e expressões corporais em tudo distintas das do rígido e aristocrático Yu Huatian. Por outro lado um contido (e pouco aproveitado) Jet Li é um pouco decepcionante, servindo apenas de contraponto para a emotiva (mas subtilmente discreta) Zhou Xun. E claro que todos eles se deixam aqui e ali ofuscar para a brilhante e visceral princesa tártara de Gwei Lun-Mei. De resto, todos os actores secundários têm forma de se destacar e marcar a sua presença, num argumento rico, às vezes desequilibrado, mas sempre empolgante.

Com presença forte nos prémios de cinema asiáticos, “Flying Swords of Dragon Gate” é hoje considerado como um expoente no uso da técnica de 3D, no que Tsui Hark beneficiou de técnicos que trabalharam com James Cameron noutro filme que definiu o 3D, “Avatar” (2009).

Li Yuchun e Jet Li em "Flying Swords of Dragon Gate" (Long men fei jia, 2011), de Tsui Hark

Produção:

Título original: Long men fei jia/龍門飛甲; Produção: Beijing Liangzi Group / Beijing Poly-bona Film Publishing Company / Bona Entertainment / Bona International Film Group / China Film Co-Production Corporation / China Film Co. / Film Workshop / SMG Pictures / Shanda Pictures / Shineshow; Produtores Executivos: Jeffrey Chan, Sanping Han, Rui Gang Li, Dong Yu; País: China; Ano: 2010; Duração: minutos; Distribuição: Bona International Film Group (China), China Film Group Corporation (CFGC) (China), Distribution Workshop; Estreia: 15 de Dezembro de 2011 (China).

Equipa técnica:

Realização: Tsui Hark; Produção: Jeffrey Chan, Nansun Shi, Tsui Hark; Co-Produção: Wenhong Yang , Xiaoli Han, Dong-ming Shi; Argumento: Tsui Hark, Ho Kei Ping, Zhu Yali; Música: Wu Wai Lap, Li Han Chiang, Gu Xin; Fotografia: Choi Sung Fai [fotografia digital]; Montagem: Yau Chi Wai; Design de Produção: Yee Chung Man; Direcção Artística: Ben Lau; Figurinos: Lai Hsuan-wu, Chung Man Yee; Caracterização: Cheng Fung Yin; Efeitos Visuais: Hideyuki Mako, Wook Kim, Josh Cole, Frankie Chung; Coreografia de Artes Marciais: Lan Hai Han, Bun Yuen; Direcção de Produção: Sami Yen.

Elenco:

Jet Li (Zhao Huai’an), Zhou Xun (Ling Yanqiu), Chen Kun (Yu Huatian, Chefe do Gabinete Ocidental / Pu Cangzhou, Wind Blade), Gwei Lun-Mei (Chang Xiaowen, Princesa tribal Bu Ludu), Li Yuchun (Gu Shaotang, Companheira de Wind Blade), Mavis Fan (Su Huirong, a Fugitiva Grávida), Louis Fan [como Fan Siu-Wong] (Ma Jinliang, Adjunto de Yu Huatian), Liu Chia-Hui [como Gordon Liu] (Wan Yulou), Sun Jian Kui (Liang Cai – Lao Chai, o Estalajadeiro), Sheng Chien (Tan Luzi, O Chefe dos Soldados na Estalagem), Du Yiheng (Ji Xueyong, Soldado da Cicatriz), Wang Shuangbao (Zhao Pingan), Xue Jian (Lei Chongcheng, Companheiro de Zhao Huai’an), Han Feixing (H’Gantga, o Gigante Tártaro), Li Bingyuan (Ling Guozhou, Companheiro de Zhao Huai’an), Li Zhuo (Xiao Xin), Wu Di (Zhao Tong, Soldado da Cara Manchada), Li Junru (Dong Dan), Li Sibo (Gang Zi), Zhai Gang (Fang Jianzong), Lu Dliang (Yu Zheng), Dai Ming (Can Qianzhi), Zhou Daqing (Tan Zixin), Zhang Viann [como Zhang Xinyu] (Consorte Real Wan Guifei), Baisi Guleng (Tártaro), An Qi’er (Tártaro), Gangte Mu’er (Tártaro), Zhang Dong (Tártaro), Gao Jie (Tártaro), Zhang Quifeng (Tártaro), Cshi Zhanjie (Soldado do Gabinete Ocidental), Shi Kai (Soldado do Gabinete Ocidental), Zhang Zhaoyu (Soldado do Gabinete Ocidental), Sha Xuezhou (Soldado do Gabinete Ocidental), Wei Bo (Soldado do Gabinete Ocidental), Zhang Chenglin (Soldado do Gabinete Ocidental), Xiao Rui (Soldado do Gabinete Ocidental), Wu Fei (Soldado do Gabinete Ocidental), Zhenglin Shi (Soldado do Gabinete Ocidental).

Anúncios