Etiquetas

, , , , , , , , , , , , ,

Crouching Tiger, Hidden Dragon Li Mu Bai (Chow Yun-fat), um mestre de artes marciais em vida de quase ascetismo, regressa da montanha para trazer à amiga Yu Shu Lien (Michelle Yeoh), uma guarda-costas profissional, a Espada do Destino Verde, para que ela entregue ao venerável Senhor Te (Lung Sihung), simbolizando a sua retirada. Em casa do Senhor Te, Yu Shu Lien conhece a jovem noiva Jen Yu (Zhang Ziyi), que lhe admira a vida de aventura. Nessa noite, um assaltante mascarado rouba a espada, e foge para casa dos Yu, enquanto rumores falam do regresse do infame assassino Raposa de Jade (Cheng Pei-pei), que em tempos matou à traição o mestre de Li Mu Bai.

Análise:

Co-produção com dinheiro dos Estados Unidos, China, Hong Kong e Taiwan – o que só por si foi já um feito –, “O Tigre E o Dragão” foi a internacionalização definitiva do género wuxia, conduzida pelo realizador de Taiwan, há algum tempo a trabalhar em Hollywood, Ang Lee, e um elenco de actores chineses já com alguma experiência internacional, como eram os casos de Chow Yun Fat e Michelle Yeoh. Falado em mandarim, e baseado no quarto volume da série “Crane Iron Pentalogy”, do escritor Wang Dulu, o filme estabelece o cânone do wuxia do século XXI, com cenários faustosos, histórias de cariz quase mitológico, ou pelo menos com algum ingrediente de fantástico, e acção fortemente coreografada, como bailados de artes marciais.

A acção decorre em 1778, durante a dinastia Qing, e fala-nos da relação entre Li Mu Bai (Chow Yun-fat), um mestre de artes marciais, adepto do taoísmo, que pratica, procurando isolamento em relação ao mundo, e Yu Shu Lien (Michelle Yeoh), uma guarda-costas profissional, e antiga apaixonada de Li Mu Bai, que nunca pode prosseguir a relação pelo peso da morte do seu anterior noivo, morto precisamente ao salvar Li Mu Bai, o seu melhor amigo. Agora, anos depois, Li Mu Bai regressa para anunciar o seu retiro, entregando a mítica «Espada do Destino Verde» para que Yu Shu Lien entregue ao venerável Senhor Te (Lung Sihung). Só que momentos depois da entrega, a espada é roubada, e surgem boatos de que o ladrão terá sido o infame Raposa de Jade, o assassino do antigo mentor de Li Mu Bai. Com Yu Shu Lien, Li Mu Bai e o Inspector Tsai (Wang Deming) a procurar o ladrão, descobre-se que esta é a jovem rica Jen Yu (Zhang Ziyi), uma nova amiga de Yu Shu Lien, que lhe admira a vida de aventura e lamenta ter de casar. Com Jen Yu está a sua tutora, nem mais que Raposa de Jade (Cheng Pei-pei), que mata o polícia e foge, ao mesmo tempo que percebe que a sua pupila já sabe mais que ela.

Em flashback vemos que Jen Yu foi em tempos, numa viagem pelo deserto, raptada por ladrões, acabando por se apaixonar pelo seu captor, Lo (Chang Chen), que lhe permite que volte para a família, ficando à sua espera. Agora, no dia do casamento, Lo surge, e pede a Jen que fuja com ele, tendo de fugir da ira da família, com auxílio de Yu Shu Lien e Li Mu Bai, que lhe dizem para esperar em Monte Wudang. Visivelmente transtornada, Jen foge do noivo, e armada da sua espada, vai dando largas à sua fúria lutando com e derrotando todos os que se atravessam no seu caminho. De seguida Jen visita Yu Shu Lien que continua a proclamar-se sua amiga, e a incita a juntar-se a Lo, mas o encontro acaba em duelo. A chegada de Li Mu Bai leva Jen a fugir, e os dois continuam a luta na floresta, com Li Mu bai a recuperar a espada, e Jen a rejeitá-lo como mestre. Quando ele atira a espada a um rio, Jen atira-se também, quase morrendo, sendo salva por Raposa de Jade, que assim prepara a sua vingança. Quando Li Mu Bai e Yu Shu Lien encontram Jen, Raposa de Jade confronta-os com dardos envenenados, e embora Li Mu Bai a mate, é ferido mortalmente, enquanto ela confessa o seu ódio à pupila Jen, por ser já melhor que ela. Jen procura um antídoto, mas é já tarde, e Li Mu Bai morre, confessando finalmente o seu amor por Yu Shu Lien. No dia seguinte, Jen encontra Lo na montanha, onde este a esperava, e dando corpo a uma lenda antiga que ele lhe contara, salta por cima da montanha, para ter o seu maior desejo realizado.

Foi um pouco por surpresa que o fenómeno “O Tigre E o Dragão” assaltou o mundo ocidental. De repente a linguagem cinemática hermética do wuxia entrava no léxico ocidental e todos queriam saber mais sobre este tipo de histórias, pensamento e cultura. O filme ganharia dezenas de prémios internacionais, incluindo dez nomeações aos Oscars, entre elas a de Melhor Filme. Venceria quatro, Melhor Filme Estrangeiro, Melhor Direcção Artística, Melhor Banda Sonora e Melhor Fotografia, a que juntou quatro BAFTAs e dois Globos de Ouro.

Embora o filme se viesse a integrar numa corrente do novo cinema chinês, que buscava num fundo histórico e semi-mitológico um modo de olhar para a sociedade actual, corrente essa que teria em Chen Kaige e Zhang Yimou os seus maiores expoentes, pelas mãos de Ang Lee, e sem haver necessariamente uma forte ocidentalização do género, este tornou-se internacional, estabelecendo as suas próprias normas, com uma acção altamente coreografada e um pouco fantasiosa, cenários luxuosos (quer de ricos interiores quer de deslumbrantes exteriores), uma forte componente filosófica, e um enredo rebuscado de um entrelaçado de intrigas e relações humanas.

É difícil sintetizar todos os temas propostos por “O Tigre E o Dragão” (cujo título original fala de forças escondidas e deliberadamente dissimuladas), que vão do amor impossível à lealdade, da realização pessoal à busca de mais altos valores metafísicos. Temos por um lado o amor nunca concretizado de Li Mu Bai e Yu Shu Lien, ele um asceta que procura apenas vingar o seu velho mestre, e sente o peso da morte do antigo noivo dela. Ela demasiado respeitosa para prosseguir uma relação, e esperando toda a vida que ele dê o primeiro passo. Temos em contraste o amor impossível de Jen Yu e Lo, ela uma jovem rica de uma família poderosa, ele um vulgar ladrão. Numa outra nota temos a luta pela liberdade feminina, onde o contraste é entre Yu Shu Lien, livre para ser uma guerreira e nunca casar, mas, como Jen Yu perceberá, prisioneira de sentimentos que não pode concretizar. Tendo isso como imagem, Jen Yu rebela-se contra convenções, boas maneiras e família e passa de menina rica a assaltante. Temos depois as lutas do espírito, Li Mu Bai, o taoísta, procura libertar-se das dependências terrenas (é isso que inicia a história, e são elas que a Espada representa), enquanto Jen Yu procura a Espada para ascender a algo mais, que transcenda todas as regras. Nessa ascensão defronta inclusivamente a sua mestre (sendo a relação tutor/discípulo outro ponto recorrente da história), Raposa de Jade, que nunca lhe perdoa por Jen ter aprendido mais que ela, ao ler livros que a assassina nunca soube ler. Com Li Mu Bai a procurar vingar o seu mestre, matando a vil Raposa de Jade, vê em Jen Yu alguma nobreza e chama-a para debaixo da sua asa, algo que a jovem não aceitará, pois nunca aceitará ser conduzida por um homem. Temos, finalmente, a conclusão de que nenhum ideal valia um amor verdadeiro, na tristeza final de Li Mu Bai e Yu Shu Lien, quando ele morre nos braços daquela que sempre amou em segredo.

De certo modo, como Ang Lee terá dito a Michelle Yeoh (a qual teve de passar meses a treinar o seu até então não muito fluente mandarim), tratava-se de uma nova versão de “Sensibilidade e Bom Senso” (Sense and Sensibility), o drama de Jane Austen que ele filmara em 1995, com Emma Thompson, Kate Winslet e Hugh Grant, agora em versão de artes marciais, numa história que coloca a força e os desejos femininos no seu centro.

A juntar a tudo isto temos três imponentes interpretações (com Zhang Ziyi, uma ex-bailarina no seu primeiro filme de artes marciais), que nos trazem personagens reais, com as quais podemos sentir, e pelas quais ansiamos o desenrolar da história, numa empatia trágica e comovente que percorre todo o filme. Depois, Ang Lee dá-nos uma espantosa cenografia e a incrível fotografia que tornam cada sequência deslumbrante, que ajudam a que, mesmo os mais fantasiosos movimentos (como os saltos e voos estilizados nas sequências de luta) nos surjam como quase naturais, como se estivéssemos em presença de uma história mitológica de super-heróis ou personagens de lendas. De notar ainda que os actores fizeram todas as suas cenas de acção, com o CGI a ser usado apenas para corrigir imperfeições, como esconder os cabos que os seguravam nos saltos.

O sucesso do filme (também comercial – o mais bem sucedido filme estrangeiro nos Estados Unidos) levou a uma tentativa de sequela, realizada por Yuen Woo-ping, o coreógrafo das sequências de acção em “O Tigre E o Dragão” – e da série “Matrix”. O filme, de 2016, chamou-se “Crouching Tiger, Hidden Dragon: Sword of Destiny” e passou bastante despercebido.

Michelle Yeoh em "O Tigre E o Dragão" (Wo hu cang long, 2000), de Ang Lee

Produção:

Título original: Wo hu cang long/卧虎藏龙 [título inglês: Crouching Tiger, Hidden Dragon]; Produção: Columbia Pictures Film Production Asia / Sony Pictures Classics / Good Machine International / Edko Films / China Film Co-Production Corporation / Asia Union Film & Entertainment Ltd.; Produtores Executivos: James Schamus, David Linde; País: Taiwan / Hong-Kong / EUA / China; Ano: 2000; Duração: 120 minutos; Estreia: 18 de Maio de 2000 (Festival de Cannes, França), 6 de Julho de 2000 (Malásia e Singapura), (Portugal).

Equipa técnica:

Realização: Ang Lee; Produção: William Kong, Hsu Li Kong, Ang Lee; Co-Produção: Dong Ping, Zheng Quan Gang; Produtores Associados: Philip Lee, Chui Bo-Chu; Produtores em Linha: Shia Wai, Sum Liu Er Dong; Argumento: Wang Hui-Ling, James Schamus, Tsai Kuo Jung [a partir do livro homónimo de Wang Du Lu]; Música: Tan Dun; Fotografia: Peter Pau [cor por Technicolor]; Montagem: Tim Squyres; Design de Produção: Tim Yip; Direcção Artística: Eddy Wong, Yang Zhan Jia, Yang Xing Zhan; Figurinos: Tim Yip; Caracterização: Man Yun Ling; Efeitos Visuais: Rob Hodgson; Coreografia de Acção: Yuen Wo Ping; Direcção de Produção: Helen Li.

Elenco:

Chow Yun Fat (Mestre Li Mu Bai), Michelle Yeoh (Yu Shu Lien), Zhang Ziyi (Jen Yu), Chang Chen (Lo), Lung Sihung (Senhor Te), Cheng Pei-Pei (Raposa de Jade), Li Fa Zeng (Governador Yu), Gao Xian (Bo), Hai Yan (Senhora Yu), Wang De Ming (Polícia Tsai), Li Li (May), Huang Su Ying (Tia Wu), Zhang Jin Ting (De Lu), Yang Rui (Criada), Li Kai (Gou Jun Pei), Feng Jian Hua (Gou Jun Sinung), Du Zhen Xi (Dono da Loja), Xu Cheng Lin (Capitão), Lin Feng (Capitão), Sheng Wen Wang (Gangster A), Song Dong (Gangster B), Ma Zhong Xuan (Mi Biao), Li Bao Cheng (Fung Machete Chang), Yang Yong De (Monge Jing), Zhang Shao Jun (Executante Masculino), Ma Ning (Executante Feminina), Zhu Jian Min (Empregado), Don Chang Cheng (Sem Abrigo), Shih Yi (Criada), Chen Bin (Servo), Chang Sao Chen (Nightman).

Anúncios