Etiquetas

, , , , , , , , , , , , , ,

A Christmas CarolVersão da MGM do famoso conto de Natal de Charles Dickens, traz-nos Ebenezer Scrooge (Reginald Owen) como o avarento e rezingão que detesta o Natal e tudo aquilo que distraia os homens de negócios. Depois de recusar a generosidade dos convites do sobrinho Fred (Barry MacKay), Scrooge vai ainda mais longe, despedindo o empregado Bob Cratchit (Gene Lockhart) na véspera de Natal. Mas nessa noite, Scrooge é visitado pelo fantasma do seu velho sócio Jacob Marley (Leo G. Carroll) que lhe anuncia a visita três espíritos que o levarão em viagem pelo seu passado, presente e futuro, e lhe darão oportunidade de rever a sua vida e mudar de atitude para não acabar no Inferno como ele próprio.

Análise:

Quando, em 1938, a MGM passou ao cinema o velho conto de Natal de Dickens, era pelo menos a nona adaptação da história ao grande ecrã, o que fazia dele já um clássico de Natal no cinema. Desta feita, com realização de Edwin L. Marin e produção de Joseph L. Mankiewicz, o filme centra-se na interpretação do consagrado actor inglês Reginald Owen, cuja escolha pretendia trazer algum do sabor britânico que se associa a este conto.

Conhecendo todos nós a história de Ebenezer Scrooge (Owen), o velho avarento e cínico que desprezava o Natal e tudo o mais que não lhe desse lucro directo, valerá a pena apontar as diferenças entre o filme e o conto de Dickens. Estas começam logo por dar um papel mais alargado ao sobrinho Fred (Barry MacKay), que vemos confraternizar com as pessoas na rua, e dedicar-se a competições de escorregar no gelo com os miúdos entre os quais conhecemos imediatamente os filhos de Bob Cratchit (Gene Lockhart). Passado o primeiro recontro nos escritórios, temos nova liberdade com Bob a participar em lutas de bolas de neve onde involuntariamente atinge Scrooge, o que vale o despedimento. Segue-se a visita dos fantasmas, e mesmo essas são atalhadas, com menos momentos no passado, presente e futuro (no passado omite-se a cena de Scrooge a ser abandonado pela noiva; no presente omite-se as crianças famintas Necessidade e Ignorância que acompanham o fantasma; e no futuro omite-se a cena em que os ladrões penhoram os pertences trazidos de casa de Scrooge), com Scrooge a mostrar arrependimento quase desde o primeiro momento, algo que no conto é mais gradual e dramático. O final volta a envolver todos os personagens, com Fred a ser feito sócio de Scrooge, e todos a encontrarem-se em casa dos Cratchit.

Com necessidade de contar a história rapidamente – note-se a alteração de fazer os três fantasmas surgirem todos no espaço de três horas, e não de três noites –, e fazendo os aspectos mais rudes e negros estar ausentes, esta versão da MGM não deve muito à subtileza, embora, no momento em que estreou espantasse pelos efeitos especiais, a recriação da Londres dickensiana, e o trazer de todo o imaginário com que a história já tinha começado a definir os natais ingleses. A crença da MGM no filme foi tal que imprimiu um número recorde na altura de 375 cópias para que toda a gente o pudesse ver nesse Natal

Num papel para o qual fora inicialmente escolhido Lionel Barrymore (conhecido no papel pelas suas repetidas versões radiofónicas, ano após ano), por doença sua, o papel passou a Reginald Owen o qual parece um pouco inseguro, num Scrooge que nunca chega a ser ameaçador, mostrando-se fragilizado desde o início, rapidamente merecedor da nossa simpatia. Curiosa é a sua caracterização, calvo, com um tufo de cabelo no topo da cabeça, e cabelo dos lados, que terá certamente inspirado o famoso Tio Patinhas da Disney (criado por Carl Barks em 1947), e que no original se chama Uncle Scrooge McDuck.

Talvez a mais valia do filme seja a interpretação de Gene Lockhart, num Bob Cratchit menos caricatural que habitualmente se vê, aqui com um papel dramático mais profundo, onde o tal despedimento, traz a todas as cenas com ele um toque mais negro e comovente. Também em destaque está a figura de Fred, que de simples sobrinho bem-intencionado, aqui passa a homem de bem, com várias oportunidades de defender os que o rodeiam.

Tornado também um clássico televisivo, a partir dos anos 60, “Cântico de Natal” foi ainda um sucesso no mercado de vídeo a partir de 1988, tendo merecido uma versão colorizada editada em 2000, sendo uma das adaptações do conto de Dickens mais conhecidas do público norte-americano, mesmo que não tanto fora dos Estados Unidos.

Leo G. Carroll e Reginald Owen em "Cântico de Natal" (A Christmas Caroll, 1938), de Edwin L. Marin

Produção:

Título original: A Christmas Carol; Produção: Metro-Goldwyn-Mayer (MGM); País: EUA; Ano: 1938; Duração: 69 minutos; Distribuição: Metro-Goldwyn-Mayer (MGM); Estreia: 16 de Dezembro de 1938 (EUA).

Equipa técnica:

Realização: Edwin L. Marin; Produção: Joseph L. Mankiewicz; Argumento: Hugo Butler [baseado no conto homónimo de Charles Dickens]; Música: Franz Waxman; Música Adicional: David Snell [não creditado]; Orquestração: Paul Marquardt [não creditado], Leonid Raab [não creditado]; Fotografia: Sidney Wagner, John F. Seitz [não creditado] [preto e branco]; Montagem: George Boemler; Direcção Artística: Cedric Gibbons; Cenários: Edwin B. Willis; Figurinos: Valles; Caracterização: Jack Dawn.

Elenco:

Reginald Owen (Ebenezer Scrooge), Gene Lockhart (Bob Cratchit), Kathleen Lockhart (Mrs. Cratchit), Terry Kilburn (Tiny Tim), Barry MacKay (Fred), Lynne Carver (Bess), Leo G. Carroll (Fantasma de Marley), Lionel Braham (Espírito do Natal Presente), Ann Rutherford (Espírito do Natal Passado), D’Arcy Corrigan (Espírito do Natal Futuro), Ronald Sinclair (Jovem Scrooge), Charles Coleman (Solicitador de Caridade) [não creditado], Matthew Boulton (Solicitador de Caridade) [não creditado], Bunny Beatty (Martha Cratchit) [não creditada], John O’Day (Peter Cratchit) [não creditado], June Lockhart (Belinda Cratchit) [não creditada], William Martin (Filho do Meio dos Cratchit) [não creditado], Forrester Harvey (Velho Fezziwig) [não creditado], Muriel Kearney (Filha dos Cratchit) [não creditada], Charles Peck (Dick Wilkins) [não creditado], Lumsden Hare (Homem a Discutir o Funeral de Scrooge) [não creditado], William Stack (Homem a Discutir o Funeral de Scrooge) [não creditado], Boyd Irwin (Homem a Discutir o Funeral de Scrooge) [não creditado], Clifford Severn (Rapaz que Vai Comprar o Perú) [não creditado], St. Luke’s Church Choristers (Cantores – ‘Adeste Fidelis’) [não creditados].

Anúncios