Etiquetas

,

Cineclube de Telheiras

Apresentação

Nome: Cineclube de Telheiras (CCT)
Localização: Auditório da Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro, Estrada de Telheiras, 146, Lisboa

Blogue: https://cinetelheiras.wordpress.com/
Facebook: https://www.facebook.com/Cineclube-de-Telheiras-148629185235157/
Email: cinetelheiras@gmail.com

Quota anual: 20 Euros (garante acesso gratuito a todas as sessões)

Estreia nacional de "Eu, Martim" (2012) de Luciano Sazo (Chile)

Estreia nacional de “Eu, Martim” (2012) de Luciano Sazo (Chile)

Entrevista

Entrevista a Pedro Milheiro, responsável pela programação e direção artística
Setembro de 2016

Há quanto tempo existe o vosso cineclube?
Começámos a desenvolver actividades culturais em Novembro de 2011, mas tivemos a nossa inauguração oficial dia 13 de Janeiro de 2012.

Quantos sócios têm, e que quotas pagam?
Gostaríamos de ter mais sócios do que aqueles que apresentamos de momento. Para se fazer sócio do Cineclube de Telheiras basta contribuir com 20 Euros anuais e tem-se acesso gratuito a todas as actividades e programa do CCT.

Quantas sessões tem por mês?
Aproximadamente 4/5 sessões.

Que critérios presidem à vossa programação, e que áreas se procuram cobrir?
Grande parte da nossa programação prende-se tanto com propostas que nos chegam assim como obras ou espectáculos que queremos muito ver. [além das sessões de cinema] Realizamos concertos, workshops, teatro, espectáculos de dança, colóquios, conferências, entre outros.

Como é a adesão da população em geral?
A adesão do público tem sido uma luta constante ao longo destes anos. Não obstante o facto, a adesão do mesmo é maior quando de um espectáculo musical se trata.

Com que apoios contam a nível local?
Contámos com o apoio financeiro da ART (Associação de Residentes de Telheiras) durante o mandato do Presidente Luís Pereira e esporadicamente a Junta de Freguesia do Lumiar contribuiu para alguns eventos que realizámos.

Estão satisfeitos com as instalações, e material técnico ou pensam que poderiam ter melhores condições?
Inicialmente depáramo-nos com algumas dificuldades, nomeadamente o projector inicial era péssimo. Actualmente não temos razão de queixas, embora as obras no auditório ainda não estejam terminadas.

Qual a facilidade ou dificuldade com que obtêm os filmes desejados?
A maior dificuldade prende-se com o pagamento dos direitos de autor das obras exibidas, para além de ser bastante caro não conseguimos rever o montante investido. Por outro lado, temos vários autores, tanto nacionais como internacionais, que pretendem visualizar os seus trabalhos no grande ecrã e por isso não são cobrados direitos de autor e o CCT tem uma maior flexibilidade neste tipo de iniciativas.

Finalmente, na era da internet, qual a importância que vêem actualmente na existência dos cineclubes?
A internet veio em muito a facilitar o acesso à informação e a encurtar o tempo de distância. Actualmente vivo em Bucareste e continuo diariamente ligado a Portugal. A internet funciona também como o principal ponto de publicidade e divulgação no que concerne aos eventos que realizamos na medida de chegar ao maior numero de pessoas.

Apresentação "Lixo Extraordinário" (2010) de Lucy Walker, com introdução e debate conduzido por Rui Berkemeier (Quercus)

Apresentação “Lixo Extraordinário” (2010) de Lucy Walker, com introdução e debate conduzido por Rui Berkemeier (Quercus)

A Janela Encantada agradece a colaboração de Pedro Milheiro, e do Cineclube de Telheiras, recomendando a quem puder que participe nas suas sessões, e apoie os cineclubes locais.

Anúncios