Edward G. Robinson e James Cagney em "Dinheiro Fácil" (Smart Money, 1931) de Alfred E. Green

Com o fenómeno da Lei Seca (a chamada «Prohibition»), que durou de 1920 a 1933, os Estados Unidos viveram um período em que o álcool, a sua procura e venda clandestina marcavam o submundo do crime, dando origem a impérios de gangsters que faziam as primeiras páginas dos jornais. Com o exemplo do famoso Al Capone à cabeça, estas histórias fascinavam um público que nunca compreendeu aquela lei, e que via nas guerras entre gangsters e as autoridades versões modernas de batalhas heróicas com o romantismo de outros tempos.

Cedo o cinema, principalmente pela Warner Bros., tomou este tema como inspiração, numa série de filmes sobre o crime organizado dos «bootlegers» norte-americanos. Eram histórias de crime romantizado, vilões heróicos, dramáticas ascensões e quedas, lutas pelo poder e contra a polícia, pejadas de acção e tiroteios, em filmes que traziam para a iconografia do cinema o inevitável charuto, o carro Ford Modelo A, a metralhadora Tommy-gun, mas acima de tudo nomes como Edward G. Robinson, George Raft, James Cagney e Humphrey Bogart.

A década de 1930, em plena Depressão, é era de ouro dos filmes de gangsters de onde sobressaem os iniciais “O Pequeno César” (Little Caesar, 1931) de Mervyn LeRoy, “O Inimigo Público” (The Public Enemy, 1931) de William A. Wellman, “Scarface, o Homem da Cicatriz” (Scarface, 1932) de Howard Hawks, até aos últimos clássicos como “Anjos de Cara Negra” (Angels with Dirty Faces, 1938) de Michael Curtiz e “Heróis Esquecidos” (The Roaring Twenties, 1939) de Raoul Walsh. Obrigatoriamente, o Código de Hays veio-se impondo, na parte final da década de 1930, contra a imoralidade desta glorificação do crime. Este passava então ao bem mais ambíguo território noir, até ao seu ressurgimento nos anos 60 e 70 com uma nova vaga de filmes sobre os chamados “inimigos públicos” que trouxe de volta o imaginário destes gangsters que continua a inspirar o cinema moderno.

Principais filmes de gangsters da década de 1930
• 1930: Born Reckless – John Ford, Andrew Bennison
• 1930: The Doorway to Hell – Archie Mayo
• 1931: Blonde Crazy – Roy Del Ruth
• 1931: Little Caesar (O Pequeno César) – Mervyn LeRoy
• 1931: The Public Enemy (O Inimigo Público) – William A. Wellman
• 1931: Smart Money (Dinheiro Fácil) – Alfred E. Green
• 1931: The Criminal Code (Código Penal) – Howard Hawks
• 1931: City Streets (Ruas da Cidade) – Rouben Mamoulian
• 1932: Scarface (Scarface, o Homem da Cicatriz) – Howard Hawks
• 1932: The Beast of the City (A Fera da Cidade) – Charles J. Brabin
• 1933: Lady Killer (O Irresistível) – Roy Del Ruth
• 1933: The Mayor of Hell (Casa de Correcção) – Archie Mayo
• 1933: The Little Giant (O Pequeno Gigante) – Roy Del Ruth
• 1934: The Gay Bride – Jack Conway
• 1935: The People’s Enemy – Crane Wilbur
• 1935: Let ‘em Have It (Caras Falsas) – Sam Wood
• 1935: Show Them No Mercy! (Guerra Sem Quartel) – George Marshall
• 1935: G-Men (O Império do Crime) – William Keighley
• 1935: The Whole Town’s Talking (Não Se Fala Noutra Coisa) – John Ford
• 1936: Bullets or Ballots (Guerra ao Crime) – William Keighley
• 1936: The Petrified Forest (A Floresta Petrificada) – Archie Mayo
• 1937: Dead End (Ruas de Nova Iorque) – William Wyler
• 1937: Marked Woman (A Mulher Marcada) – Lloyd Bacon, Michael Curtiz [não creditado]
• 1937: The Last Gangster (O Último Gangster) – Edward Ludwig
• 1938: Smashing the Rackets – Lew Landers
• 1938: Angels with Dirty Faces (Anjos de Cara Negra) – Michael Curtiz
• 1938: I Am the Law (Derrocada do Crime) – Alexander Hall
• 1938: The Amazing Dr. Clitterhouse (O Génio do Crime) – Anatole Litvak
• 1938: A Slight Case of Murder (Um Crime sem Importância) – Lloyd Bacon
• 1939: Each Dawn I Die (À Espera da Morte) – William Keighley
• 1939: The Roaring Twenties (Heróis Esquecidos) – Raoul Walsh
• 1939: King of the Underworld (Contra a Lei) – Lewis Seiler
• 1939: You Can’t Get Away with Murder (Explorando o Crime) – Lewis Seiler
• 1939: Invisible Stripes (Homens Marcados) – Lloyd Bacon

Anúncios