Etiquetas

, , , , , , , , , , , ,

Nella stretta morsa del ragnoAlan Foster (Anthony Franciosa) é um jornalista decidido a entrevistar o célebre Edgar Allan Poe (Klaus Kinski), que encontra num bar, a narrar um dos seus contos como se fosse verdade, algo de que Alan duvida. Perante essa incredulidade, o interlocutor de Poe, Lord Thomas Blackwood (Enrico Osterman) desafia o jornalista a passar uma noite na sua mansão assombrada na noite que precede o Dia de Todos os Santos. Aí, Alan Foster é recebido por Elisabeth Blackwood (Michèle Mercier), por quem se apaixona, no que encontra o desagrado da amiga desta, Julia (Karin Field). Aos poucos Foster vê-se a viver imagens presentes e passadas, de crime e tragédia, apresentadas pelo misterioso Dr. Carmus (Peter Carsten), no final das quais percebe que os personagens que vai conhecendo não são aquilo que pensa, e que a sua vida corre sério perigo.

Análise:

Um dos mais bem-sucedidos realizadores do género do terror gótico italiano, Anthonio Margheriti, assinava, em 1971, o remake de um dos seus próprios filmes, “Castle of Blood” (Danza Macabra, 1964), agora sob o título, “Nella Stretta Morsa del Ragno”, cuja tradução significa algo como “Na apertada picada da aranha”.

De novo sob o seu habitual pseudónimo Anthony M. Dawson, e sob a produção de Giovanni Addessi que envolvia Itália, França e Alemanha, Margheriti contou agora com um elenco inteiramente diferente, para um filme que, à excepção de algumas nuances, era quase uma réplica cena a cena da obra inicial, mas filmado agora a cores.

Como principal inovação, o papel de Klaus Kinski, como Edgar Allan Poe, que nesta versão, não apenas narra a sequência inicial, mas surge vivendo-a, com a típica interpretação visceral de Kinski, algures entre o paranóico e o louco.

Tal como tinha acontecido na versão original, o filme de Margheriti foi promovido como sendo baseado numa história de Edgar Allan Poe, “Night of the Living Dead”. Na verdade tal conto não existe, o que não impede que o filme tenha nítida influência do escritor gótico norte-americano. Para além disso o próprio Poe surge como personagem (Klaus Kinski), narrando um conto, que tem passagens do seu poema “Berenice”.

A história mostra-nos Alan Foster (Anthony Franciosa), um jornalista que quer aproveitar a presença de Poe (Kinski) em Inglaterra para uma entrevista. Para seu espanto vai encontrá-lo a beber numa taverna, narrando contos seus e insistindo que são reais. Perante a sua incredulidade, o amigo de Poe, Lord Thomas Blackwood (Enrico Osterman) desafia Foster a passar a noite no seu castelo assombrado. Foster aceita, e descobre que o castelo não está desabitado, quando é procurado e seduzido por Elisabeth Blackwood (Michèle Mercier), perante o desagrado de Julia (Karin Field). Quando Foster vê Elizabeth ser assassinada por alguém que logo de seguida se desmaterializa, teme pela sua sanidade, o que só piora quando o sinistro Dr. Carmus (Peter Carsten) surge para lhe revelar os segredos daquela mansão. Por entre visões e viagens ao passado, Foster descobre como a casa foi cenário de inúmeros crimes trágicos, após os quais todos aqueles que ali morreram permanecem para se alimentar do sangue dos vivos. É então que percebe estar a sua vida em perigo no meio de todos aqueles mortos, ainda que Elizabeth pareça genuinamente querer salvá-lo.

Tal como na versão de 1964, “Nella Stretta Morsa del Ragno” é um filme que respeita a atmosfera clássica do gótico, desde a evocação de um passado sombrio, a definição de um espaço decadente (a mansão abandonada) como personagem de pleno direito, e o papel do herói byroniano (o incrédulo Foster, homem moderno) condenado a pagar pela sua arrogância. O filme vive dessa atmosfera e de mistério, suplantando a versão de 1964 por um maior uso da escuridão, e um clima de paranóia bem conseguido pelas interpretações de Kinski e Franciosa. Para os deixar conduzir-nos as emoções, Margheriti deixa-os guiar-nos o olhar através de longas sequências sem diálogo.

Pelo lado negativo está o modo como a história parece precipitar-se sem a mesma atenção ao detalhe, nem qualidade de interpretações dos outros actores (basta dizer que Michèle Mercier está muito longe de Barbara Steele). Com forças e fraquezas em relação ao seu antecessor, “Nella Stretta Morsa del Ragno” diverge pouco dele em termos de história, mas o suficiente cinematograficamente para criar um ambiente distinto.

“Nella Stretta Morsa del Ragno” teve ainda uma versão alemã, com o nome enganoso “Dracula im Schloß des Schreckens”, com uma montagem diferente, e cenas adicionais não presentes na versão original. O filme tem desde então surgido com diversos nomes, entre os quais se destaca ainda: “And Comes the Dawn… But Colored Red”, “Dracula in the Castle of Blood” e “In the Grip of the Spider”.

Anthony Franciosa e Michèle Mercier em "Nella stretta morsa del ragno" (1971) de Antonio Margheriti

Produção:

Título original: Nella stretta morsa del ragno [Título inglês: Web of the Spider]; Produção: Produzione DC7 / Paris Cannes Productions / Terrafilmkunst; País: Itália / França / República Federal Alemã; Ano: 1971; Duração: 106 minutos; Distribuição: Panta (Itália); Estreia: 26 de Agosto de 1971 (Itália).

Equipa técnica:

Realização: Antonio Margheriti [como Anthony M. Dawson]; Produção: Giovanni Addessi; História e Argumento: Bruno Corbucci, Giovanni Grimaldi [revisto por Antonio Margheriti, Giovanni Addessi]; Música: Riz Ortolani; Fotografia: Sandro Mancori, Guglielmo Mancori [como Memmo Mancori], [filmado em Techniscope, cor por Technocrome]; Montagem: Otello Colangeli; Design de Produção: Ottavio Scotti; Cenários: Camillo Del Signore; Figurinos: Mario Giorsi; Caracterização: Maria Luisa Jilli, Marisa Tilly; Director de Produção: Ennio Di Meo; Efeitos Especiais: Dino Galiano.

Elenco:

Anthony Franciosa (Alan Foster), Michèle Mercier (Elisabeth Blackwood), Klaus Kinski (Edgar Allan Poe), Peter Carsten (Dr. Carmus), Silvano Tranquilli (William Perkins), Karin Field (Julia), Raf Baldassarre (Herbert), Irina Maleeva (Elsie Perkins), Enrico Osterman (Lord Thomas Blackwood), Marco Bonetti (Maurice), Vittorio Fanfoni, Carla Mancini.

Anúncios