Etiquetas

, , , , , , , , , , , ,

La maschera del demonioNo século XVII no principado da Maldavia, a princesa Asa Vadja (Barbara Steele) e o seu amante Javutich (Arturo Dominici) são barbaramente mortos por acusações de bruxaria. Asa lança uma maldição sobre a descendência do seu irmão, a qual começa a ganhar forma quando, um dia, o professor Thomas Kruvajan (Andrea Checchi) e o seu assistente, Dr. Andre Gorobec (John Richardson) têm um incidente na cripta, levando à quebra da cruz que sela o mal de Asa. Os Vadja ficam então à mercê de nova bruxaria, em particular a princesa Katia (também Barbara Steele) de quem Andre se enamora.

Análise:

Depois de, em 1957, ter terminado o filme de Riccardo Freda, “Os Vampiros” (I Vampiri), fazendo o mesmo em 1959 com ” Caltiki il mostro immortale”, em 1960, Mario Bava estreava-se na realização em nome individual. Tal como acontecera com as experiências em que substituiu Freda, com “A Máscara do Demónio” Bava escolheu o terror gótico como obra de lançamento.

Com argumento de Ennio de Concini e Mario Serandrei, Mario Bava inspirou-se na história “Viy” de Nikolai Gogol, de 1865, embora o resultado final fique a dever pouco ao autor russo. De facto “A Máscara do Demónio” insere-se no gótico tal como estava a ser desenvolvido na Inglaterra pela Hammer. Não falta nenhum dos ingredientes clássicos: maldições após a morte, famílias que vivem sob o peso do seu passado, castelos ancestrais, cemitérios e florestas tenebrosas. Temos até a tradicional estalagem onde todos temem a maldição, o coche fantasmagórico que leva os personagens para o castelo, o cocheiro com medo de atravessar a floresta e a multidão que no final quer resolver tudo pelo fogo.

A história diz respeito a uma maldição lançada por uma bruxa no século XVII. Asa (Barbara Steele), ao morrer, lança sobre os descendentes daquele que a condenou (o próprio irmão) uma maldição, que irá cumprir-se duzentos anos depois. Tudo começa quando os doutores Thomas Kruvajan (Andrea Checchi) e Andre Gorobec (John Richardson), passam pela capela onde a cripta de Asa se encontra. Curioso com lenda local, Kruvajan é supreendido pelo ataque de um enorme vampiro e, na luta, derruba acidentalmente a cruz que protege o túmulo de Asa, cortando-se num vidro e derramando sangue sobre o cadáver. Tal traz Asa de volta à vida, que chama o seu acólito Javutich (Arturo Dominici). Este traz o Dr. Kruvajan ao palácio dos Vadja onde o velho príncipe teme a maldição. Sob o efeito de Asa, o doutor Kruvajan ajuda à morte do príncipe. Os acontecimentos trazem ao castelo o doutor Andre Gorobec, que se enamora da princesa Katia Vajda, a qual é a imagem de Asa. Resta a Andre compreender as forças que defronta, para com a ajuda do padre e do príncipe Constantine Vajda (Enrico Olivieri), salvarem Katia e expulsarem para sempre o mal de Asa.

Com um argumento coeso (ainda que com algumas falhas evidentes), que passa por bruxaria, fala de vampiros, e nos traz uma vingança perpetrada por mortos-vivos, o filme vale sobretudo pela atmosfera criada, e uma fotografia exemplar. Considerando os poucos meios com que foi filmado (em cerca de um mês), “A Máscara do Demónio” é um exemplo da criatividade de Mario Bava, que com pouco conseguia fazer muito. Mais que a história de Gogol, é o gótico inglês que aqui aparece filmado, num filme que poderia constar do cânone da Hammer, e com a virtude de ter um forte papel feminino, algo que a Hammer raramente conseguiu.

O mérito é de Barbara Steele, uma actriz inglesa, então com 18 anos, que Mario Bava escolheu por fotografia, simplesmente porque queria um tipo diferente de rosto. Steele, que não falava italiano, e tinha horror a cenas de nudez, temia que o realizador abusasse da sua inocência. Tal gerou algum mal-estar na equipa, com a actriz a confessar ter que se embriagar para as cenas em que mostra o peito.

“A Máscara do Demónio” não deixa de fazer apelo à sexualidade de Steele, explorando também o lado romântico, muito por culpa da banda sonora de Roberto Nicolosi.

O filme foi distribuído na Europa, alcançando sucesso em vários países, mas sendo censurado noutros, como no Reino Unido (com o nome “The Mask of Satan”) onde, até 1968, o filme esteve proibido, altura em que nova versão foi submetida ao comité de censura, com o nome “Revenge of the Vampire”.

Para o mercado norte-americano, a distribuição foi feita pela American International Pictures de Samuel Z. Arkoff e James H. Nicholson (que ficaria famosa pelos filmes de terror de Roger Corman com Vincent Price). Para o filme, que nos EUA se chamou “Black Sunday”, foram feitas algumas modificações, incluindo a excisão das cenas iniciais com o S a ser queimado na testa de Asa, e a sua morte ao lhe martelarem na cabeça uma máscara de picos internos (a nominal máscara do demónio). A própria banda sonora foi substituída por uma mais ao gosto americano, da autoria de Les Baxter. Nem a dobragem feita em Itália foi aproveitada, com a AIP a preferir fazer uma dobragem nova (de notar que a voz de Barbara Steele não foi usada em nenhuma das versões).

O filme foi um enorme sucesso internacional, lançando as carreiras, tanto do realizador Mario Bava, como da actriz Barbara Steele, é hoje vulgarmente considerado o melhor da carreira de Bava, e é amiúde citado como influência, nomeadamente por realizadores que já afloraram o terror gótico, como Francis Ford Coppola e Tim Burton.

Barbara Steele em "La maschera del demonio" (1960) de Mario Bava

Produção:

Título original: La Maschera del Demónio [Título americano: Black Sunday]; Produção: Galatea Film / Jolly Film / Alta Vista Productions [versão norte-americana]; Produtor Executivo (EUA): Samuel Z. Arkoff; País: Itália; Ano: 1960; Duração: 87 minutos; Distribuição: American International Pictures (AIP) (EUA); Estreia: 11 de Agosto de 1960 (Itália), 15 de Fevereiro de 1961 (EUA).

Equipa técnica:

Realização: Mario Bava; Produção: Massimo De Rita, Lou Rusoff [versão norte-americana]; Argumento: Mario Bava [não creditado], Marcello Coscia [não creditado], Ennio De Concini, Mario Serandrei [baseado no conto “Viy” de Nicolai Gogol]; Música: Roberto Nicolosi, Les Baxter [versão norte-americana]; Direcção Musical: Luigi Urbini; Fotografia: Mario Bava [preto e branco]; Montagem: Mario Serandrei; Design de Produção: Giorgio Giovannini; Cenários: Nedo Azzini; Figurinos: Tina Grani.

Elenco:

Barbara Steele (Princesa Katia Vajda / Asa Vajda), John Richardson (Dr. Andre Gorobec), Andrea Checchi (Dr. Thomas Kruvajan), Ivo Garrani (Príncipe Vajda), Arturo Dominici (Igor Javutich / Javuto), Enrico Olivieri (Príncipe Constantine Vajda), Antonio Pierfederici (Padre), Tino Bianchi (Ivan), Clara Bindi (Estalajadeira), Mario Passante (Nikita, O Cocheiro), Renato Terra (Boris), Germana Dominici (Sonya, filha da Estalajadeira).

Anúncios