Etiquetas

, , , , , , , , ,

Shan he gu renA três tempos (1999, 2014 e 2025) acompanhamos a história de Shen Tao (Zhao Tao), aquando jovem disputada por dois amigos, o rico Liangzi (Liang Jing Dong) e o pobre Jinsheng (Zhang Yi). A escolha de Shen Tao vai no entanto trazer a infelicidade de todos, Jinsheng por ter de se mudar para um emprego pior, que trará consequências para a sua saúde, ela própria por uma relação votada ao divórcio. Do casamento nasce um filho, educado por pais separados, e que viverá na Austrália num momento futuro, sem relações com a sua cultura.

Análise:

Com uma nova co-produção internacional (China, Japão e França), Jia Zhangke criou em “Se as Montanhas se Afastam” uma obra que mostra algumas diferenças em relação aos seus filmes anteriores. O pano de fundo continua a ser a China contemporânea, mas afastando-se do seu cinema mais cru, e contemplativo do início de carreira, Jia Zhangke concentra-se mais em personagens individuais, e histórias de um dramatismo mais convencional, algo já deixado perceptível no seu anterior “China – Um Toque de Pecado” (Tian zhu ding / 天注定, 2013).

No seu filme de 2015, que concorreu à Palma de Ouro em Cannes, Jia Zhangke traz-nos uma história a três tempos, acompanhando duas gerações. A primeira ocorre em 1999, e centra-se num triângulo amoroso, com Shen Tao (Zhao Tao) a ser disputada por dois amigos, o rico Liangzi (Liang Jing Dong), e o pobre Jinsheng (Zhang Yi). O primeiro representa o novo-riquismo chinês, exuberante, pelos seus investimentos no mundo das minas, e ostentando essa riqueza comprando carros e vangloriando as suas posses. O segundo é um modesto mineiro, que ficará sem emprego por não abdicar do seu interesse na amiga. Shen Tao acabará por escolher Liangzi, com quem casa e tem um filho, vendo Jinsheng ter de mudar de cidade para procurar novo emprego.

O segundo momento (2014) mostra-nos Jinsheng casado, e a braços com problemas de saúde causados pelas suas condições de trabalho. Procura, por isso, e em vão, dinheiro junto dos amigos, enquanto a esposa procura a própria Shen Tao. Esta, então já divorciada, perdeu a custódia do filho, e tenta reconquistar o seu afecto numa visita deste. Mas o rapaz está demasiado ligado à vida de luxo que o pai lhe dá. O choque final chega quando Shen Tao descobre que o ex-marido tenciona mudar-se para a Austrália.

O terceiro momento ocorre já no futuro, em 2025, com Dollar (Dong Zijian), o filho de Shen Tao e Liangzi, integrado na Austrália, falando apenas inglês, a entrar em litígio com um pai, rico, mas amargurado. Dollar encontrará apoio na sua professora de chinês, Mia (Sylvia Chang) que, embora muito mais velha, se vai envolver romanticamente com ele, dando-lhe força para que ele saia de casa, e volte a pensar na sua mãe e país que desconhece.

Estruturado em três partesm cada qual com um distinto formato de imagem (1.37 : 1 nas cenas de 1999; 1.85 : 1 nas cenas de 2014; e 2.35 : 1 nas cenas de 2025), “Se as Montanhas se Afastam”, embora continue a mostrar a China actual como pano de fundo, aproxima-se mais dos dramas humanos universais (o amor, a frustração de uma vida mal vivida, a dor da saudade, o arrependimento, a ligação ancestral, etc.), que não são necessariamente derivados do país de origem do filme. Nesse sentido, o filme de Jia Zhangke é o mais internacional de todos os seus filmes até ao momento, usando mesmo uma linguagem cinematográfica que o aproxima da cinematografia americana, de cuidado rigor técnico, e convenções de montagem e raccord que o aproximam de Hollywood.

Continua, ainda assim, a existir uma crítica à evolução chinesa, um olhar para o tradicionalismo (nas danças de Shen Tao) e a mudança decorrente da entrada de influências estrangeiras (mais uma vez com o uso da música a demonstrá-lo). Do idealista Jinsheng ao industrial Liangzi, que representa o novo dinheiro e novas direcções, vemos como esse mesmo dinheiro não traz felicidade, provocando perdas de amizade, rupturas familiares, e por fim um distanciamento em relação à própria herança cultural e nacional, que vem provocar um completo desenraizamento. Sintomática é utilização repetida da música «Go West» dos Pet Shop Boys.

É como se a viagem temporal fosse um aviso, com olhar para as origens, descrição actual e previsão de futuro. É, no entanto, um filme que tem apenas um pé nesse descrever de uma situação social e política, passando a maior parte do tempo a descrever dramas pessoais e relações sentimentais. A primeira história torna-se assim muito lenta, a segunda demasiado sentimental, e a terceira um pouco perdida, num filme longe da unidade de outros de Jia Zhangke.

Apesar desse distanciamento em relação à sua obra anterior, Jia Zhangke voltou a ter o elogio da crítica, que gostou da nova direcção trazida por “Se as Montanhas se Afastam”.

Zhao Tao, Zhang Yi e Liang Jing Dong

Produção:

Título original: Shan he gu ren / 山河故人 [Título inglês: Mountains May Depart]; Produção: Shanghai Film Group Corporation / Xstream Pictures / MK Productions / Beijing Runjin Investment / Office Kitano / Arte France Cinéma / Bandai Visual / Centre National de la Cinématographie (CNC) / L’Aide aux Cinémas du Monde; País: China / França / Japão; Ano: 2015; Duração: 121 minutos; Distribuição: Sihai Distribution Association (China), Tianjin Maoyan Media (China), Ad Vitam (França); Estreia: 20 de Maio de 2015 (Festival de Cannes, França), 30 de Outubro de 2015 (China), 24 de Setembro (Portugal).

Equipa técnica:

Realização: Jia Zhangke; Produção: Jia Zhangke, Shozo Ichiyama, Nathanaël Karmitz, Liu Shiyu, Zhong-lun Ren; Co-Produção: Patrick Andre, Rémi Burah, Olivier Père; Produtor Associado: Sadai Yûji; Argumento: Jia Zhangke; Música: Yoshihiro Hanno; Fotografia: Yu Lik-wai; Montagem: Matthieu Laclau; Direcção Artística: Liu Qiang; Figurinos: Li Hua; Caracterização: Shinji Hashimoto; Efeitos Visuais: Laurie Kotfila, Antoine Rousé; Direcção de Produção: Claire Patronik, Zhang Dong.

Elenco:

Zhao Tao (Shen Tao), Zhang Yi (Zhang Jinsheng), Liang Jing Dong (Liang Jangjung aka Liangzi), Dong Zijian (Zhang Daole aka Dollar), Sylvia Chang (Mia).

Advertisements