Etiquetas

, , , , , , , , , , ,

The ProducersMax Bialystock (Zero Mostel) é um produtor falhado da Broadway que se dedica a explorar velhas senhoras, cortejando-as em troca de cheques para produzir pretensas peças de teatro. Quando é visitado pelo nervoso contabilista Leo Bloom (Gene Wilder), surge a ideia de que uma peça fracassada pode dar mais lucro que uma peça de sucesso. Bialystock e Bloom decidem então tentar o esquema, procurando a pior peça possível, que surge na forma de “Springtime for Hitler”, do amador alemão Franz Liebkind (Kenneth Mars). A ideia é trocar patrocínios por lucros que nunca existirão. Só que às vezes as coisas correm demasiado bem quando não devem.

Análise:

De nome verdadeiro Melvin Kaminsky, o popular comediante de origem judia Mel Brooks tinha já uma longa carreira artística antes de chegar ao cinema. Começando a fazer stand-up comedy em clubes nocturnos, escrevendo depois para televisão, e chegando à Broadway escrevendo comédias musicais, essas influências ficariam para sempre marcadas no seu cinema.

Tal é notório logo desde o seu primeiro filme, “O Falhado Amoroso”, cujo título final (The Producers) foi uma segunda escolha depois de a Embassy ter rejeitado o original, “Springtime for Hitler”. Embora produzido de forma independente, muito graças à fé que Sidney Glazier encontrou no argumentista e realizador Brooks, o filme foi objecto de polémica logo desde o início, com um tema demasiado quente, o que levou a Embassy a rever a hipótese de o distribuir, adiando sucessivamente a data. Assim, embora estreado numa sala apenas em Novembro de 1967, “O Falhado Amoroso” teria de esperar um ano para um lançamento nacional, segundo se diz depois de Peter Sellers ter advogado publicamente em sua defesa.

“O Falhado Amoroso”, cujo título português não tem rigorosamente nada a ver com o filme, é a história do produtor da Broadway Max Bialystock (Zero Mostel), que depois de tantos fracassos, se dedica a explorar velhas senhoras, cortejando-as em troca de cheques para produzir pretensas peças de teatro. Quando o contabilista Leo Bloom (Gene Wilder) começa a perceber as falcatruas de Bialystock, brinca com o facto de que se pode ter mais lucro com uma peça falhada que com um sucesso. Isso traz-lhes uma ideia, produzir uma peça com fundos obtidos por venda dos futuros lucros dela, em percentagens que totalizadas ultrapassam muitas vezes aos 100%. Se a peça for um fracasso nunca haverá lucros a pagar, e ninguém descobrirá o golpe.

Há então que descobrir uma peça verdadeiramente má, e essa é “Springtime for Hitler”, onde o autor amador alemão Franz Liebkind (Kenneth Mars) pretende mostrar o lado dócil e dançante do Fuhrer. Para encenador é contratado Roger De Bris (Christopher Hewett), famoso pelo seu péssimo gosto, e para protagonista, um actor que se comporta constantemente como hippy numa trip de ácido, Lorenzo St. DuBois (Dick Shawn).

Só que para surpresa de todos, os ingredientes errados juntos dão uma peça de sucesso. Resta então convencer Franz Liebkind, furioso pela ridicularização de Hitler, que o melhor é fazer explodir o edifício do teatro. Mas o resultado não é o melhor e acabam todos na cadeia.

Com um tema polémico (brincar deste modo com a imagem de Hitler era ainda perigoso em 1967, e o filme seria inclusivamente proibido na Alemanha), Mel Brooks decidiu desde logo mostrar ao mundo que o seu humor seria feito de caos e ideias absurdas, onde tudo valeria para arrancar uma gargalhada. Por isso os seus personagens são tudo menos heróis, tudo menos recomendáveis.

Com Zero Mostel a interpretar o perpétuo burlão (a quem não escapam os amigos ou as velhinhas), Gene Wilder a interpretar um contabilista tímido e constantemente à beira de um ataque de nervos, aos quais se junta o colérico e delirante escritor nazi interpretado por Franz Liebkind, a mistura só podia ser explosiva. O humor é feito de personagens coloridos (não esquecer Dick Shawn, Christopher Hewett, Andréas Voutsinas e Lee Meredith, qual deles o mais excêntrico), e de combinações intempestivas, em que a força da sátira é ampliada pelos comportamentos imprevisíveis do elenco (a sequência da histeria entre Mostel e Wilder é completamente inenarrável).

“O Falhado Amoroso” é assim uma sátira ao mundo da produção teatral, mas mais que tudo uma farsa com diálogos e situações imaginativas, e um elenco grandioso, em que alguns dos actores se tornariam regulares nos filmes de Mel Brooks. Como seria imagem de marca, não faltam as sequências musicais, neste caso paródias à Broadway. E como não podia deixar de ser, não faltariam também as canções escritas pelo próprio Brooks, neste caso, “Springtime for Hitler” e “We’re Prisoners of Love”. De notar que Mel Brooks não lê nem escreve música, pelo que se limita a cantar para um gravador e depois pedir que um músico converta o som em música escrita.

“O Falhado Amoroso” foi recebido com alguma desconfiança pela crítica, mas a sua reputação não mais parou de crescer. Em 2001 Mel Brooks transformaria o filme no musical “The Producers”, com Nathan Lane como Bialystock e Matthew Broderick como Bloom, usando para além do filme, algum material original, como cenas rejeitadas na edição do filme. O musical ultrapassou as 2500 exibições e recebeu doze Prémios Tony. Curiosamente o próprio musical veio a originar um filme, também intitulado “The Producers” (2005), realizado por Susan Stroman, e também com Lane e Broderick.

“O Falhado Amoroso” daria, para grande surpresa de todos, o Oscar de Melhor Argumento Original a Mel Brooks, categoria em que também foi premiado pela Writers Guild of America. Por sua vez a genial prestação de Gene Wilder valeu-lhe a nomeado para o Oscar de Melhor Actor Secundário.

Produção:

Título original: The Producers; Produção: Crossbow Productions / Springtime Productions / U-M Productions; Produtor Executivo: Joseph E. Levine; País: EUA; Ano: 1967; Duração: 84 minutos; Distribuição: AVCO Embassy Pictures / Embassy Pictures; Estreia: 22 de Novembro de 1967 (EUA).

Equipa técnica:

Realização: Mel Brooks; Produção: Sidney Glazier; Produtor Associado: Jack Grossberg; Argumento: Mel Brooks; Música: John Morris; Fotografia: Joseph F. Coffey [cor por Pathécolor]; Montagem: Ralph Rosenblum; Design de Produção: Charles Rosen; Cenários: James Dalton; Figurinos: Gene Coffin; Caracterização: Irving Buchman; Coreografia: Alan Johnson; Direcção de Produção: Louis A. Stroller.

Elenco:

Zero Mostel (Max Bialystock), Gene Wilder (Leo Bloom), Dick Shawn (L.S.D. – Lorenzo St. DuBois), Kenneth Mars (Franz Liebkind), Lee Meredith (Ulla), Christopher Hewett (Roger De Bris), Andréas Voutsinas (Carmen Ghia), Estelle Winwood (‘Hold Me Touch Me’), Renée Taylor (Eva Braun), David Patch (Goebbels), William Hickey (O Bêbedo), Barney Martin (Göring), Shimen n Ruskin (Senhorio), Frank Campanella (Barman), Josip Elic (Violinista), Madelyn Cates (Concierge), John Zoller (Crítico), Brutus Peck (Vendedor de Cachorros).

Anúncios