Etiquetas

, , , , , , , , , , ,

JabberwockyO jovem Dennis (Michael Palin) sempre aspirou a mais que ser um simples tanoeiro como o seu pai, e com a morte deste vê finalmente a oportunidade de viajar e fazer um nome para si, conquistando a mão da sua amada, a execrável Griselda (Annette Badland). Ao chegar à cidade, Dennis descobre que esta está sob ameaça do terrível Jabberwocky, um monstro que tem vindo a matar horrivelmente pessoas no reino. Para o defrontar, o rei Bruno (Max Wall) organiza um torneio para encontrar o melhor cavaleiro. Sem saber bem como, Dennis acaba em escudeiro do vencedor, e vê-se envolvido na caçada ao terrível monstro.

Análise:

O primeiro dos Monty Python a aventurar-se a realizar um filme em nome próprio, seria Terry Gilliam, o responsável pela animação no grupo, e que no anterior “Monty Python e o Cálice Sagrado” (Monty Python and the Holy Grail, 1975) dividira as funções de realizador com Terry Jones. Gilliam afastava-se aos poucos da animação, que fora o início da sua carreira, e começava cada vez mais a dirigir actores em filmes onde pudesse expor o seu imaginário em cenários reais.

Se na altura pudesse constituir alguma surpresa ser Gilliam aquele que, dos seis Python, ia ser o mais célebre realizador, logo se começou a perceber que o imaginário do norte-americano naturalizado britânico, tinha muito por onde evoluir numa continuidade do mundo surreal e grotesco que desenvolvera nos seus sketches de animação.

Assim, em “Aventuras em Terras do Rei Bruno, o Discutível” volta-se ao universo do anterior “Monty Python e o Cálice Sagrado”, isto é, a história decorre na mesma Idade Média, suja, mal-cheirosa, bruta, grotesca, trapalhona, sem nada de romanceado ou mitológico, mas talvez bem mais perto da realidade (note-se os dentes estragados de cada personagem), parecendo unir a boa disposição grotesca dos quadros de Brueghel ao aterrorizador pessimismo dos quadros de Bosch.

Com argumento do próprio, escrito a meias com Charles Alverson, Gilliam inspirou-se no poema “Jabberwocky”, de Lewis Carroll, presente no seu célebre “Alice do Outro Lado do Espelho”, publicado em 1871, e no qual Alice lê este poema absurdo sobre um monstro imaginário, o qual Gilliam deciciu transformar num filme onde a ligação a Monty Python era evidente. Esta manifestava-se, não só no surrealismo, como no uso da produtora Python Films, nas presenças de Terry Jones (no cameo que constitui a sequência inicial) e de Neil Innes (habitual colaborador dos Python) como um dos arautos, mas muito principalmente por ter em Michael Palin, o protagonista do filme, como um pateta sempre optimista e bem-disposto, papel que assentava a Palin desde os tempos de “Os Malucos do Circo”.

“Aventuras em Terras do Rei Bruno, o Discutível” conta a história de Dennis (Michael Palin), um latoeiro que, para conquistar a mão da horrenda Griselda (Annette Badland), decide viajar para a capital do rei Bruno, o Discutível (Max Wall), e aí fazer fortuna. Na corte do rei Bruno, a principal preocupação é o monstro Jabberwocky que está a atemorizar a região. Para eleger um paladino que mate o monstro, o rei organiza um torneio de justas, e após uma série de infortúnios e mal-entendidos, Dennis vê-se como escudeiro do vencedor, tendo que o acompanhar pelos campos em busca do monstro fatal.

Através de uma série de vinhetas, acompanhamos Dennis, primeiro na sua aldeia natal, depois na cidade, e vemos a corte do rei Bruno, com tudo o que esta têm de feio, grosseiro e horrendo. Filmando com baixo orçamento, e em cenários naturais, Gilliam usou paisagens de Gales e os castelos de Pembroke e Chepstow, sem dinheiro para construir cenários. Mesmo assim Gilliam consegue aquilo que mais quer, construir um imaginário visual, que é um ponto de partida para a sua obra futura, onde prima o surrealismo, a fealdade, o humor negro e um sentido de decrepitude e pessimismo que contrasta com o optimismo absurdo dos seus heróis.

De certo modo “Aventuras em Terras do Rei Bruno, o Discutível” é reminiscente do universo de “Monty Python e o Cálice Sagrado”, o que fez alguns distribuidores a publicitar o filme como se se chamasse “Monty Python’s Jabberwocky”. Os cenários, guarda-roupa e fotografia são evocam os filmes dos Python, bem como a presença de Jones e Palin (e do próprio Gilliam). O humor é algo diferente, insistindo-se mais num humor negro e pessimista, que choca pelo seu surrealismo, mas o absurdo pythoniano está presente, quer nas réplicas de Palin, quer em momentos como o absurdo torneio de cavaleiros, onde para escolher um todos os outros têm que morrer (com baldes de sangue a jorrar sobre todo o elenco).

“Aventuras em Terras do Rei Bruno, o Discutível” foi na altura considerado abaixo dos filmes oficiais dos Python, mas foi-se tornando um filme de culto, onde é possível descobrir o embrião do universo visual demente de Terry Gilliam.

Produção:

Título original: Jabberwocky; Produção: Python Films / Umbrella Films; Produtor Executivo: John Goldstone; País: Reino Unido; Ano: 1977; Duração: 105 minutos; Distribuição: Columbia-Warner Distributors (Reino Unido), Cinema 5 Distributing (EUA); Estreia: 28 de Março de 1977 (EUA), 15 de Maio de 1981 (Portugal).

Equipa técnica:

Realização: Terry Gilliam; Produção: Sanford Lieberson; Produtor Associado: Julian Doyle; Argumento: Charles Alverson, Terry Gilliam [baseado no poema homónimo de Lewis Carroll]; Música: De Wolfe; Fotografia: Terry Bedford [cor por Technicolor]; Montagem: Michael Bradsell; Design de Produção: Roy Forge Smith; Direcção Artística: Milly Burns; Figurinos: Hazel Pethig, Charles Knode; Caracterização: Hazel Pethig, Scota Rakison, Maggie Weston; Director de Produção: Bill Camp; Efeitos Especiais: John Brown.

Elenco:

Michael Palin (Dennis Cooper), Harry H. Corbett (Escudeiro), John Le Mesurier (Camareiro), Warren Mitchell (Mr. Fishfinger), Max Wall (Rei Bruno, o Questionável), Rodney Bewes (O Outro Escudeiro), John Bird (Primeiro Arauto), Bernard Bresslaw (Senhorio), Anthony Carrick (Terceiro Mercador), Peter Cellier (Primeiro Mercador), Deborah Fallender (Princesa), Derek Francis (Bispo), Terry Gilliam (Homem com a Pedra), Neil Innes (Segundo Arauto), Terry Jones (Caçador Furtivo), Bryan Pringle (Guarda na Porta), Frank Williams (Segundo Mercador), Glenn Williams (Segundo Guarda na Porta), Simon Williams (Príncipe), Annette Badland (Griselda Fishfinger), Kenneth Colley (Primeiro Fanático), Brenda Cowling (Mrs. Fishfinger), Graham Crowden (Líder dos Fanáticos), Paul Curran (Pai de Dennis), Alexandra Dane (Mulher do Senhorio), Gorden Kaye (Irmã Jessica), Dan Muir (Cavaleiro do Crescente / Cavaleiro do Cão Vermelho), David Prowse (Cavaleiro do Arenque / Cavaleiro Negro), Sheridan Earl Russell (Kevin Fishfinger, Peter Salmon (O Monstro), George Silver (Líder dos Bandidos).

Anúncios