Etiquetas

, , , , , , , , , , , ,

Love HappySinopse:

Harpo (Harpo Marx), um ladrão de comida, vai mantendo, graças às suas habilidades, o elenco de um teatro musical, dirigido por Mike Johnson (Paul Valentine). Sem que o saiba, Harpo rouba uma lata de sardinhas, na qual se escondem valiosos diamantes, procurados pela perigosa Madame Egelichi (Ilona Massey). A partir de então Madame Egelichi e os seus cúmplices vão ter o teatro debaixo de olho, ela tentando seduzir Mike, eles procurando Harpo. O enredo complica-se quando Mr. Lyons (Leon Belasco), o patrocinador do espectáculo, decide cancelar a peça, enquanto Faustino (Chico Marx) tenta demovê-lo. Para piorar Maggie (Vera-Ellen) pensa que o seu amado Mike a está a deixar por Egelichi, e o estranho detective Grunion (Groucho Marx) junta-se à investigação.

Análise:

Em 1949, três anos depois do mal recebido “Uma Noite em Casablanca” (A Night in Casablanca, 1946), os Marx juntavam-se pela última vez no grande ecrã. Tudo partira de um filme pensado para Harpo, baseado numa história sua, sob o título “Diamonds in the Basement”. Quando Harpo convidou Chico a participar, os produtores imediatamente impuseram que se tratasse de um filme do trio de irmãos, ou não haveria financiamento.

O resultado foi uma história híbrida, escrita a várias mãos, entre elas as de Frank Tashlin, um nome forte da comédia nas décadas seguintes, nomeadamente pela sua ligação a Jerry Lewis. Nota-se que Harpo é o personagem central, sendo à sua volta que os eventos se sucedem e a história avança. Comparado com ele, o papel de Chico é forçado e pouco mais que irrelevante, e Groucho surge estranhamente como um narrador que nada acrescenta senão alguns comentários cómicos, e numa sequência final em que não consegue brilhar.

Groucho aparece desde logo como um narrador extra-diegético, mostrando a sua avançada calvície, e com bigode natural (ao contrário do bigode pintado que ostentara em todos os filmes anteriores, e se tornara a sua imagem de marca). Fica desde logo a ideia de que algo mudou, ideia essa reforçada ao longo de um filme onde os três Marx não têm nenhuma cena conjunta.

A história começa com Harpo, fazendo uso da sua gabardina de bolsos sem fim, a roubar comida do seu modo sempre criativo. Esta comida destina-se a alimentar o elenco da peça dirigida por Mike Johnson (Paul Valentine), a qual está em vias de ser desmantelada, por retirada de financiamento do patrocinador, Mr. Lyons (Leon Belasco). É aí que surge Faustino (Chico Marx), que se auto-contrata como leitor de mentes (não se percebendo bem a sua utilidade num musical), e se dedica a tentar atrasar os intentos de Mr. Lyons. Mas a história principal arranca quando Harpo rouba uma lata de sardinhas especial, já que contém diamantes valiosíssimos, destinados à mafiosa Madame Egelichi (Ilona Massey). Esta começa por torturar Harpo (com a ajuda dos seus cúmplices, onde se destaca um jovem Raymond Burr), para depois seguir o rasto da dita lata até ao teatro, onde Maggie (Vera-Ellen), primeira bailarina e namorada de Mike, já as usa sem saber que são reais. O resto é uma série de perseguições, e mal-entendidos com jóias reais e falsas, que acaba em corridas pelos telhados, e números acrobáticos, e onde se junta à última da hora o narrador, Detective Grunion (Groucho Marx), sem que se perceba exactamente quais as suas intenções.

Com um argumento cheio de buracos e saltos, uma interpretação exagerada de Ilona Massey, e uma história de amor não desenvolvida entre os personagens de Valentine e Vera-Allen, sobra apenas o humor de Harpo. Dado ao slapstick, e à imprevisibilidade, Harpo vai trazendo alguns motivos de interesse com os seus comportamentos sempre originais, e soluções completamente absurdas. É ainda assim muito pouco num filme desinspirado e onde até a sequência da perseguição final surge como lenta e sem chama.

Destaque para o cameo da muito jovem Marilyn Monroe, que tem apenas uma breve cena no escritório de Grumion, mas suficiente para que hoje as capas do filme a ostentem como figura principal.

Produção:

Título original: Love Happy; Produção: Artists Alliance (A Lester Cowan Production); Produtora Executiva: Mary Pickford; País: EUA; Ano: 1949; Duração: 85 minutos; Distribuição: United Artists; Estreia: 12 de Outubro de 1949 (EUA), 15 de Janeiro de 1951 (Portugal).

Equipa técnica:

Realização: David Miller; Produção: Lester Cowan; Argumento: Frank Tashlin, Marc Benoff, William Alland [não creditado], Ben Hecht [não creditado] [baseado numa história de Harpo Marx]; Música e Canções: Ann Ronell; Fotografia: William C. Mellor [preto e branco]; Design de Produção: Gabriel Scogamillo; Coreografia: Billy Daniel; Direcção Musical: Paul J. Smith; Director de Produção: Ray Heinz; Montagem: Basil Wrangell, Albrecht Joseph; Orquestração: Harry Geller; Efeitos Visuais: Howard A. Anderson; Figurinos: Grace Houston, Norma Koch; Caracterização: Fred B. Phillips; Cenários: Casey Roberts.

Elenco:

Harpo Marx (Harpo), Chico Marx (Faustino), Groucho Marx (Detective Sam Grunion – Narrador), Ilona Massey (Madame Egelichi), Vera-Ellen (Maggie Phillips), Marion Hutton (Bunny Dolan), Raymond Burr (Alphonse Zoto), Melville Cooper (Lefty Throckmorton), Eric Blore (Mackinaw), Leon Belasco (Mr. Lyons), Paul Valentine (Mike Johnson), Bruce Gordon (Hannibal Zoto), Marilyn Monroe (Cliente de Grunion).

Anúncios