Etiquetas

, , , , , , , , , , , ,

Duck SoupSinopse:

Freedonia é um país numa grande crise financeira, o que leva a que Mrs. Teasdale (Margaret Dumont) seja chamada a doar parte da sua fortuna. Mas esta só acede se for nomeado para presidente um homem em quem confia, Rufus T. Firefly (Groucho Marx). Só que o novo presidente está tão preocupado em abusar do cargo como em cortejar a sua mecenas, no que colide com as intenções de Trentino (Louis Calhern), o embaixador do país vizinhio, Sylvania, e ele próprio pretendente de Mrs. Teasdale, cuja conquista vê como um passo para anexar Freedonia. Ao seu lado, Trentino tem os mais incompetentes espiões da história, Chicolini (Chico Marx) e Pinky (Harpo Marx). Juntos, e com a ajuda do secretário de Firefly (Zeppo Marx) todos vão trabalhar para a paz, provocando inevitavelmente a guerra.

Análise:

Continuando a estrear filmes em anos consecutivos, os irmãos Marx viram o seu quinto e último filme para a Paramount Pictures ser realizado pelo especialista em comédia, Leo McCarey. McCarey, que começara a trabalhar em Hollywood como assistente de Tod Browning, destacou-se depois na companhia de Hal Roach, onde terá formado a dupla Laurie and Hardy (Bucha e Estica). Trabalhou no mudo com várias estrelas do burlesco, e foi essa escola que transportou para o cinema sonoro, como se comprova neste “Os Grandes Aldrabões”, ou em screwball comedies como “Com a Verdade me Enganas” (The Awful Truth, 1937) que lhe valeria inclusivamente um Oscar.

O à vontade de McCarey com diálogos e acção descontrolados servia perfeitamente os Marx, que continuavam a usar a sua fórmula, e também a equipa que os acompanhava, nas pessoas dos autores Bert Kalmar, Harry Ruby. Alicerçado na história e também nas canções de Kalmar e Ruby, o filme traz de volta o formato habitual.

Groucho Marx no papel do charlatão, bem intencionado, mas desesperante para todos os que o rodeiam, é agora Rufus T. Firefly, o novo presidente da república fictícia de Freedonia. Por entre a quantidade de leis caóticas e de comportamentos incompreensíveis, Rufus T. Firefly tem uma missão, casar com a milionária Mrs. Teasdale (no regresso de Margaret Dumont), que vai cortejando ao seu modo ambíguo. Mas como oponente surge o embaixador do país vizinho Sylvania, Trentino (Louis Calhern), também pretendente de Mrs. Teasdale, e que constantes insultos de Firefly vão levar a declarar guerra entre os dois países.

Pelo meio surgem Pinky (Harpo Marx) e Chicolini (Chico Marx) no papel de espiões de Trentino que, por entre a sua incompetência e irreverência, vão trocar de lado várias vezes, algumas delas sem o perceberem. Há ainda Bob Roland (Zeppo Marx), o muito mal tratado secretário de Firefly.

Como sempre, o filme vive das réplicas e trocadilhos confrontacionais de Groucho Marx, e da parelha Harpo-Chico (aqui, surpreendentemente sem tocarem harpa e piano), que entre mal entendidos fonéticos, acessos de raiva, soluções absurdas, e simples momentos de nonsense, vão criando o caos e o pânico por onde passa. Destaca-se a cena do duelo de vendedores de rua, onde Harpo e Chico enfrentam o antigo actor de burlesco Edgar Kennedy (um dos originais Keystone Cops de Mack Sennett). Um pequeno desapontamento é o papel de Zeppo, que perde alguma da importância que tinha ganho nos dois filmes anteriores, voltando a ser bastante secundário.

A história, embora em “Os Grandes Aldrabões” seja mais simples e concisa, é ainda assim secundária quando comparada com os momentos em que os Marx brilham. Estes acontecem na sequência do tribunal (onde Groucho acaba a defender Chico, o réu que ele próprio ali levara), nas tentativas de Groucho ser transportado por Harpo; nas visitas de Chico e Harpo a Trentino, e claro, na já citada sequência dos vendedores de rua, com o brilhante gag dos chapéus. Mas as mais memoráveis sequências são sem dúvida a do espelho e a da guerra. Na primeira Chico e Harpo, procurando roubar os planos da guerra, disfarçam-se de Groucho, para os três se perseguirem na noite da mansão de Ms. Teasdale, acabando numa imitação de gestos num pretenso espelho, que lembra o gag de Max Linder em “Sete Anos de Pouca Sorte” (Seven Years Bad Luck, 1921). Na segunda, Groucho surge vestindo uniformes diferentes de cena para cena, com Chico a mudar de lado porque a comida é melhor, e Harpo vestido de homem-sanduíche com o cartaz “Join de army and see the Navy”, acabando tudo numa guerra de fruta. No global o resultado é um humor caótico, onde nenhum personagem está a salvo e todas as convenções e tabus são motivo para comédia.

“Os Grandes Aldrabões” é ainda um regresso a uma maior coreografia, com corpos de bailarinas e coros a ajudar nas diferentes partes cantadas, que o fazem por momento parecer um musical. Talvez por essas repetições, o filme foi considerado uma desilusão aquando da estreia, sendo o primeiro filme dos Marx que não foi recebido com entusiasmo pelo público.

Curiosamente, quando o tempo permitiu que fosse visto sem o peso das expectativas, “Os Grandes Aldrabões” foi aos poucos alcançando o estatuto de o melhor filme dos Marx para boa parte da crítica. Sendo sem dúvida o culminar triunfante da primeira fase da sua carreira, a fase mais anárquica.

Por esta altura já a relação dos Marx com a Paramount se vinha deteriorando, e como “Os Grandes Aldrabões” terminava um contrato de cinco anos com a produtora, os irmãos viram por bem não o renovar, e procurar outras paragens. Terminava assim um ciclo, feito de completa anarquia e humor surreal. Deixavam também os Marx de serem um quarteto, já que Zeppo não voltaria a actuar com os irmãos.

Produção:

Título original: Duck Soup; Produção: Paramount Pictures; País: EUA; Ano: 1933; Duração: 68 minutos; Distribuição: Paramount Pictures; Estreia: 17 de Novembro de 1933 (EUA), 27 de Julho de 1951 (Portugal).

Equipa técnica:

Realização: Leo McCarey; Produção: Herman J. Mankiewicz [não creditado]; História, Letras e Música: Bert Kalmar, Harry Ruby; Diálogos Adicionais: Arthur Sheekman, Nat Perrin; Fotografia: Henry Sharp [preto e branco]; Música Adicional: John Leipold [não creditado]; Direcção Artística: Hans Dreier [não creditado], Wiard Ihnen [não creditado]; Montagem: Leroy Stone [não creditado].

Elenco:

Groucho Marx (Rufus T. Firefly), Harpo Marx (Pinky), Chico Marx (Chicolini), Zeppo Marx (Bob Roland), Margaret Dumont (Mrs. Teasdale), Raquel Torres (Vera Marcal), Louis Calhern (Embaixador Trentino), Edmund Breese (Zander), Leonid Kinskey (Agitador), Charles Middleton (Advogado de Acusação), Edgar Kennedy (Vendedor de Rua).

Anúncios