Etiquetas

, , , , , , , ,

The MisfitsSinopse:

Após o divórcio de Roslyn (Marilyn Monroe), esta e a amiga Isabelle (Thelma Ritter) travam conhecimento com Guido (Eli Wallach), um piloto veterano da guerra, que as ajudara como taxista, e Gay Langland (Clark Gable) um cowboy veterano, desiludido com a mudança do mundo em que vive. Os quatro acabam por concordar que o melhor para Roslyn é passar uns dias no campo, numa casa inacabada de Guido. Roslyn e Gay passam algum tempo na casa, tentando fazer sentido das suas vidas. Ao quarteto juntar-se-á um cowboy irresponsável, Perce Howland (Montgomery Clift), trazendo mais alguma tensão sobre Roslyn, que não pode deixar de notar que todos os homens do grupo a desejam, e se sentem tão ou mais perdidos que ela.

Análise:

Um dos filmes mais malditos de Hollywood foi a tragédia amarga de John Huston (um dos expoentes máximos do género Noir dos anos 1940), “Os Inadaptados”. Um realizador habituado a trabalhar com histórias de perdedores, Huston dirigiu a, preto e branco, um elenco pouco convencional, onde se destacavam Marilyn Monroe (habituada a comédias, musicais e dramas em que fazia apelo da sua sensualidade) e Clark Gable (habitual herói galante). Aqui, num argumento escrito por Arthur Miller, marido de Marilyn, e pelo qual ela já esperava há algum tempo, ambos os actores tiveram material diferente, e segundo as críticas gerais corresponderam com uma das melhores interpretações das respectivas carreiras.

Ao lado de Monroe e Gable surgiam ainda Montgomery Clift, este já habituado a papéis de homem amargurado, com Eli Wallach e Thelma Ritter a completarem o elenco com interpretações excelentes.

Aparentemente inspirado pelo próprio divórcio de Arthur Miller, em Reno, antes de desposar Marilyn, “Os Inadaptados” é um filme de múltiplas camadas, onde a amargura, a desilusão, e a incapacidade de reagir face à mudança em torno dos protagonistas, são temas principais.

Temos de um lado Roslyn (Marilyn Monroe), uma mulher extremamente bela, a contas com um divórcio e o estigma de não se sentir desejada pelo marido que amava. Roslyn sente-se perdida e sem coragem para enfrentar a vida no momento em que é encontrada por Guido (Eli Wallach), um ex-piloto de Guerra que vive de pequenos biscates, sem interesse pelo que faz, desde a morte da mulher. Os planos inacabados e perda de objectivo são exemplificados pela casa de campo nunca concluída. Gay (Clark Gable) é um cowboy veterano, amargurado pela mudança do mundo que já não precisa de cowboys, e onde estes são vistos como pouco mais que gigolos. A inicial dança de sedução em torno de Roslyn depressa é substituída por uma cumplicidade de grupo, onde todos sentem que precisam de agarrar uma oportunidade para exorcizar (ou esquecer momentaneamente) as suas amarguras. Esse primeiro equilíbrio é posto em causa com a chegada do irrequieto e irresponsável Perce, um cowboy em fuga, com problemas familiares que o fazem refugiar-se na bebida ou em modos de provar constantemente a sua valentia, com prejuízo da sua saúde, que vem precipitar as fragilidades emocionais com que todo o grupo se confronta, e visivelmente exteriorizadas por Roslyn.

Com este encontro de personagens fortes, o filme desenrola-se como uma peça de teatro, onde os cenários naturais (quase todo o filme é filmado em exteriores, com o calor do deserto do Nevada a ser um problema constante para a equipa) parecem quase desnecessários. Filmado a preto e branco, todo o filme tem uma textura árida e amarga, que assenta perfeitamente no tema e interpretações.

Mas nem tudo correu bem n”Os Inadaptados”. Marilyn continuava a revelar um comportamento errático. No momento já com problemas com Arthur Miller, e abusando de medicamentos (as filmagens chegaram a parar duas semanas para desintoxicação da actriz), continuava a chegar atrasada e a provocar o desespero nas filmagens, principalmente em Clark Gable com quem a relação era péssima. Também Montgomery Clift, cujos problemas com o álcool eram conhecidos, trouxe tensão ao set, à qual se juntavam os problemas pessoais do próprio John Huston, no momento entregue à bebida e ao jogo. Dados os problemas constantes nas filmagens, havia mesmo um médico de prevenção na equipa.

As ingerências externas sobre o realizador foram de natureza vária, desde Monroe que exigia do marido mais proeminência no argumento, sacrificando partes de Eli Wallach, até ao desencanto da United Artists que, sem saber como promover um filme tão atípico, ia forçando alterações a Huston.

Gable, que foi uma segunda escolha (após Robert Mitchum rejeitar o papel), diria que este fora o seu melhor papel de sempre, mesmo que sentindo-se sempre “inadaptado” perante actores com Monroe, Clift e Wallach, que seguiam o Método do Actors Studio. Já Monroe, a preto e branco, quase desprovida de maquilhagem, e com um penteado aparentemente descuidado, diferente da sua imagem de marca, consegue talvez a sua interpretação mais cândida e naturalista, onde alia amargura e graciosidade, elegância e tristeza.

O filme foi extremamente bem recebido pela crítica que elogiou o argumento e as interpretações como as melhores da carreira dos vários actores. Foi no entanto um fracasso de bilheteira, continuando a tendência de John Huston agradar mais à crítica que ao público.

“Os Inadaptados” tem sido considerado um filme maldito, pelo que aconteceria depois. Clark Gable morreu de problemas cardíacos poucos dias após terminar o filme, aos 60 anos, sem chegar a ver a sua estreia. Marilyn Monroe acabou por se divorciar de Arthur Miller, e o seu estado de saúde piorou, tendo sido internada em clínicas psiquiátricas, mas nunca deixando o abuso de drogas e álcool. A actriz iniciaria mais um filme no ano seguinte, “Something’s Got to Give” de George Cukor, mas o seu comportamento levaria ao seu despedimento. Monroe terá sido contratada de novo, mas a sua trágica morte não deixaria que o filme se completasse.

Produção:

Título original: The Misfits; Produção: Seven Arts Productions; País: EUA; Ano: 1961; Duração: 120 minutos; Distribuição: United Artists; Estreia: 1 de Fevereiro de 1961 (EUA), 25 de Janeiro de 1952 (Portugal).

Equipa técnica:

Realização: John Huston; Produção: Frank E. Taylor; Argumento: Arthur Miller; Música e Direcção de Orquestra: Alex North; Fotografia: Russell Metty [preto e branco]; Direcção Artística: Stephen B. Grimes, Bill Newberry; Cenários: Frank R. McKelvy; Montagem: George Tomasini; Director de Produção: C.O. Erickson; Figurinos: Jean Louis; Caracterização: Frank La Rue, Frank Prehoda, Allan Snyder; Orquestração: Henry Brant [não creditado]; Efeitos Especiais: Cline Jones [não creditado].

Elenco:

Clark Gable (Gay Langland), Marilyn Monroe (Roslyn Taber), Montgomery Clift (Perce Howland), Thelma Ritter (Isabelle Steers), Eli Wallach (Guido), James Barton (Avô de Fletcher), Kevin McCarthy (Raymond Taber), Estelle Winwood (Senhora a Pedir Dinheiro).

Anúncios