Etiquetas

, , , , , , , , , , , ,

The Comedy of TerrorsSinopse:

Waldo Trumbull (Vincent Price) dirige a agência funerária Trumbull & Hinchley, fundada pelo seu sogro, o idoso e meio senil Amos Hinchley (Boris Karloff), que Trumbull odeia tanto quanto a esposa Amaryllis (Joyce Jameson). Trumbull e o seu empregado (e saco de pancada) Felix Gillie (Peter Lorre), perante a falta de clientes, não têm outro remédio senão poupar nas despesas (por exemplo enterrando os corpos sem caixão), e tentar gerar receitas (isto é, provocando mortes). Quando o senhorio de Trumbull, o inflexível John F. Black (Basil Rathbone), o ameaça de despejo por falta de pagamento da renda, Trumbull decide matar dois coelhos com uma só cajadada.

Análise:

Ainda com alguns filmes da série Poe, de Roger Corman, pela frente, a AIP resolveu capitalizar o sucesso da faceta cómica presente “A Maldita, o Gato, e a Morte” (Tales of Terror, 1962), estendo a comicidade da segunda das histórias desse filme (“The Black Cat”) neste “O Gato Miou Três Vezes”. Para isso os produtores Samuel Z. Arkoff e James H. Nicholson reuniram o mesmo elenco, Vincent Price, Peter Lorre, Basil Rathbone e Joyce Jameson, num filme repleto de humor negro, que brinca com os clichès dos filmes de terror que a própria AIP produzia. Com uma equipa quase idêntica à das produções de Roger Corman, incluindo o argumentista Richard Matheson, a realização foi entregue a Jacques Tourneur, um realizador familiar no terror clássico, para o qual já contribuira com alguns filmes incontonáveis, nomeadamente para Val Lewton na RKO, nos anos 1940.

Com um título que parodia a célebre comédia de Shakespeare “The Comedy of Errors” (A Comédia dos Enganos), o filme de Tourneur é ele próprio uma comédia de enganos em contexto de filme de terror. Sem pretender aterrorizar o filme vai buscar o seu pano de fundo ao facto de a acção se passar numa agência funerária, cujo dono (Vincent Price), devido aos problemas financeiros, decide matar pessoas para conseguir clientes.

Há bastante do ambiente de “The Black Cat” neste “O Gato Miou Três Vezes”. Voltamos ao casal disfuncional em que o marido, constantemente bêbedo abusa de uma mulher ingénua, que vê a sua salvação na chegada de um amante. Só que, se Joyce Jameson repete o seu papel, Vincent Price e Peter Lorre trocam, com uma crescente comicidade. Price consegue ser um vilão abusivo e desprezível, que insulta a mulher com humor, e tenta matar o sogro (Boris Karloff) com veneno. Em simultâneo, Lorre, com o seu jeito desajeitado e lento, é hilariante como o apaixonado romântico, e vítima de abusos do patrão. Some-se a este trio Boris Karloff como o velho surdo e senil, que nunca consegue perceber o que se passa, e Basil Rathbone como o irascível senhorio, que cita Shakespeare depois acessos de catalepsia, que o deixam aparentemente morto, e temos um elenco perfeito.

Com uma história absolutamente louca em torno de um morto (Rathbone) que se recusa a morrer, e de um agente funerário (Price) disposto a tudo para o manter no caixão, as cenas cómicas sucedem-se a grande ritmo. Raras vezes Price foi tão cómico, Lorre tão ridículo, Karloff tão genuíno e Rathbone tão convincente. A química entre eles é absolutamente genial.

De notar que Rathbone, sempre que acorda repete “What place is this?” (que lugar é este), a frase de Vincent Price na história “The Facts in the Case of M. Valdemar” de “A Maldita, o Gato, e a Morte”.

O filme conta ainda com a curta presença de Joe E. Brown, como guarda do cemitério, no que seria o seu último trabalho no cinema.

Produção:

Título original: The Comedy of Terrors; Produção: Alta Vista Productions / American International Pictures (AIP); País: EUA; Ano: 1964; Duração: 83 minutos; Distribuição: American International Pictures (AIP); Estreia: 22 de Janeiro de 1964 (EUA).

Equipa técnica:

Realização: Jacques Tourneur; Produção: James H. Nicholson, Samuel Z. Arkoff; Argumento: Richard Matheson; Co-Produção: Anthony Carras; Produtor Associado: Richard Matheson; Fotografia: Floyd Crosby (filmado em Panavision, cor por Pathecolor); Director de Produção: Joe Wonder; Música: Les Baxter; Design de Produção e Direcção Artística: Daniel Haller; Montagem: Anthony Carras; Cenários: Harry Reif; Caracterização: Carlie Taylor; Efeitos Especiais: Pat Dinga; Figurinos: Marjorie Corso.

Elenco:

Vincent Price (Waldo Trumbull), Peter Lorre (Felix Gillie), Boris Karloff (Amos Hinchley), Joyce Jameson (Amaryllis Trumbull), Joe E. Brown (Guarda do Cemitério), Beverly Powers [como Beverly Hills] (Mrs. Phipps), Basil Rathbone (Mr. John F. Black), Alan DeWitt (Riggs), Buddy Mason (Mr. Phipps), Douglas Williams (Médico), Linda Rogers (Criada de Phipps), Luree Holmes (Criado de Black), Rhubarb (Cleopatra, o Gato).

Anúncios