Etiquetas

, , , , , , , , , , ,

The Last Picture ShowSinopse:

Numa pequena localidade no interior do Texas, nos anos 1950, a vida parece decorrer de modo lento, longe do progresso e das expectativas de futuro. Sonny Crawford (Timothy Bottoms) e Duane Jackson (Jeff Bridges) são dois rapazes em fim de liceu, cujas principais preocupações são os jogos de futebol americano da escola, as raparigas que namoram, e os pequenos empregos em que vão conseguindo alguns trocos para ajudar a família.

Pelo meio surge Jacy Farrow (Cybill Shepherd) a mimada e desejada namorada de Duane, ela própria em busca de um escape, não hesitando em enganar e usar os amigos e namorados, em busca de sentir algo mais que a diferencie da geração dos seus pais, já agastada e acomodada a uma espécie de morte em vida.

Análise:

“A Última Sessão” foi a terceira longa-metragem de Peter Bogdanovich, um ex-crítico de cinema que se tornou realizador na famosa escola independente de Roger Corman, para a qual realizara dois thrillers de pouca projecção. Mas tudo mudaria com o seu terceiro filme, que contava já com dinheiro da major Columbia, e se tornaria um dos mais aclamados filmes de sempre do realizador.

Baseando-se num livro de Larry McMurtry (parte da série Duane Moore, de carácter semi-autobiográfico), também autor de “Tearms of Endearment”, que seria adaptado ao cinema por James L. Brooks como “Laços de Ternura” (Tearms of Endearment, 1983), Bogdanovich realizou e co-escreveu o seu primeiro drama. O filme seria nomeado para oito Oscars da Academia, incluindo Melhor Filme, Melhor Realizador e quatro nomeações para actor/actriz secundários, tendo recebido dois Oscars: Ben Johnson (Melhor Actor Secundário) e Cloris Leachman (Melhor Actriz Secundária).

Filmado a preto e branco por razões estéticas, “A Última Sessão” é a história de um grupo de jovens que cresce numa localidade perdida no meio do Texas (a ficcional Anarene), que não oferece quaisquer oportunidades que não sejam a estagnação no meio da desgastada geração anterior. É nesse sentido tanto uma história de crescimento com tudo o que este tem de ritual de passagem e descoberta, como o é de revolta e choque de gerações.

Por isso mesmo “A Última Sessão” refere-se tanto ao cinema local, único ponto de recreação de Anarene (ele próprio a fechar, por culpa da televisão), para onde os rapazes levam as namoradas em busca de alguma privacidade no escuro, como é o símbolo de algo que está a acabar, seja um modo de vida ou a adolescência destinada em tornar-se numa idade adulta sem nada a oferecer.

O filme nunca se dissocia desse amargo sem esperança que não seja a fuga. É essa fuga que tenta Jacy Farrow (o primeiro trabalho no cinema da então modelo Cybill Shepherd), a quebra-corações que não hesita em trair e jogar com os sentimentos daqueles que a desejam (adolescentes e adultos, pobres e ricos), sempre em busca de mais uma sensação, procurando na realização sexual um escape para a frustração que vê espelhada nos seus pais. Essa fuga é completada na saída para a universidade em Dallas, e é espelhada pela obtida por Duane Jackson (Jeff Bridges), que ao perder todas as ilusões, se alista para lutar na Guerra da Coreia.

Mas o filme segue essencialmente Sonny Crawford (Timothy Bottoms), que vemos inicialmente num namoro que não lhe diz nada, vê-lo como jogador de um desporto que não lhe interessa, como empregado fiel de Sam the Lion (Ben Johnson), como amigo e protector do mudo Billy (Sam Bottoms), como amante improvável da quarentona Ruth Popper (Cloris Leachman), e como marido inesperado da própria Jacy. Através das experiências, anseios e perdas de Sonny exploramos as opções de vida de Anarene, entre o trabalho, a escapadela para a cerveja, e a busca da mulher ideal, naquilo que ainda não se descobriu como amor.

O amor é, aliás, apenas descrito pelos mais velhos, já que os jovens estão demasiado absortos nas suas explorações, para ter tempo de o sentir. E mesmo os mais velhos recordam-no de modo nostálgico, relembrando opções não tomadas, e escolhas erradas. Tal é o caso de Sam e de Lois Farrow (Ellen Burstyn), que depositando os seus segredos em Sonny, talvez por momentos o vejam como a esperança daquilo que eles não puderam ser. E tal ainda é o caso de Ruth, que vê em Sonny a hipótese de regressar ao passado e viver o romance que nunca teve.

Assim Bogdanovich constrói uma história circular, onde em cada restrição e prisão mental do provincianismo dos adultos adivinhamos o futuro da nova geração, e em cada opção errada dos jovens vemos o que terá acontecido anos antes aos mais velhos.

“A Última Sessão” é um filme amargo, com uma fotografia impressionante e planos inteligentíssimos. Funciona ainda como uma homenagem ao cinema clássico, sem as novas técnicas de montagem dos seus contemporâneos (note-se o uso de Ben Johnson, um actor habitual de John Ford, e a passagem de “Red River” de Howard Hawks, na última sessão do cinema de Anarene), e com música country do sul dos Estados Unidos. Ainda assim, sinal dos tempos, o filme traz-nos um mundo onde a esperança parece ausente, e apenas a resignação a um possível já escrito é alternativa. É com esse regresso ao possível (e ao passado) que o filme termina, e Sonny, volta a receber, desapaixonadamente, o carinho de Ruth.

Peter Bogdanovich escreveu e realizou 19 anos mais tarde uma sequela de “A Última Sessão”, intitulada “Texasville” (Texasville, 1990), baseada no livro do mesmo nome de Larry McMurtry, e reunindo quase todo o elenco original: Timothy Bottoms, Jeff Bridges, Cybill Shepherd, Cloris Leachman, Eileen Brennan, Randy Quaid, Sharon Ullrick e Barc Doyle.

Produção:

Título original: The Last Picture Show; Produção: Columbia Pictures Corporation / BBS Productions; Produtor Executivo: Bert Schneider; País: EUA; Ano: 1971; Duração: 121 minutos; Distribuição: Columbia Pictures; Estreia: 22 de Outubro de 1971 (EUA).

Equipa técnica:

Realização: Peter Bogdanovich; Produção: Stephen J. Friedman; Argumento: Larry McMurtry, Peter Bogdanovich [baseado no livro de Larry McMurtry]; Design de Produção: Polly Platt; Fotografia: Robert Surtees (preto e branco); Produtor Associado: Harold Schneider; Direcção Artística: Walter Scott Herndon; Montagem: Donn Cambern; Figurinos: Nancy McArdle, Mickey Sherrard.

Elenco:

Timothy Bottoms (Sonny Crawford), Jeff Bridges (Duane Jackson), Cybill Shepherd (Jacy Farrow), Ben Johnson (Sam the Lion), Cloris Leachman (Ruth Popper), Ellen Burstyn (Lois Farrow), Eileen Brennan (Genevieve), Clu Gulager (Abilene), Sam Bottoms (Billy), Sharon Ullrick [como Sharon Taggart] (Charlene Duggs), Randy Quaid (Lester Marlow), Joe Heathcock (The Sheriff), Bill Thurman (Coach Popper), Barc Doyle (Joe Bob Blanton), Jessie Lee Fulton (Miss Mosey).