Etiquetas

, , , , , , , ,

LauraSinopse:

A morte misteriosa de Laura (Gene Tierney) traz consternação e dor a todos os que com ela privavam. A investigação sobre o que terá acontecido a Laura, é dirigida pelo detective Mark McPherson (Dana Andrews), o qual, através dos testemunhos apaixonados do seu protector e guia Waldo Lydecker (Clifton Webb) ao noivo Shelby Carpenter (Vincent Price) passando pela amiga Ann Treadwell (Judith Anderson), se vai deixando fascinar por aquela mulher amada por todos.

Esse fascínio torna a sua investigação quase uma obsessão pessoal, que lhe irá dar a descobrir aquilo que menos imaginaria

Análise:

Um dos mais famosos filmes de Otto Preminger, “Laura” é a história de uma mulher, vista pelos olhos daqueles que a tornaram um mito. É uma história de obsessão por esse mito, que transcende já a condição humana da mulher, para ser esse algo perfeito, que a morte parece apenas servir para cristalizar.

Assim Laura é descrita por aquele (Waldo) que a descobriu, e que, qual Pigmalião, a “criou” e a deu a conhecer ao mundo; por aquele que a ama (Shelby), e por aquela que melhor a conhece (Ann).

Mas esse fascínio não é apenas devido à contemplação, ele provém sobretudo do quanto Laura mudou (humanizou) estas pessoas. De facto é Laura que retira Waldo da sua auto-imposta solidão e cinismo. É Laura quem abre a Shelby as portas de um mundo acima do seu. E é Laura que dá às festas de Ann um toque quente e humano. É estranho, por isso, ou nem tanto, que possivelmente um deles seja o assassino.

Mas se o fascínio destes amigos é claro desde o início, é outro que vai guiar os acontecimentos, o do detective que sem ter conhecido Laura, acaba obcecado por essa imagem de perfeição, consubstanciada no quadro que quase omnipresentemente domina a sala de Laura, onde boa parte dos diálogos ocorre.

Parte da grandeza de “Laura” advém da universalidade do seu tema, no que diz respeito ao cinema. Vejam-se dois exemplos: se essa busca, onde a investigação se torna cada vez menos sobre quem matou Laura, mas mais sobre quem é Laura, lembra “Um Mundo a Seus Pés” de Orson Welles (Citizen Kane, 1941), já a obsessão por uma figura talvez já morta lembra-nos o quadro de Carlota Valdez da “A Mulher que Viveu Duas Vezes” de Alfred Hitchcock (Vertigo, 1958).

E quase como num sonho (é afinal durante um sono), ou no extrapolar de um desejo, é da continuada contemplação desse quadro que Laura se materializa. E se dúvidas houvesse, aí se compreende o negro dos personagens. Laura surge viva, mas ninguém se parece preocupar com o assassínio da verdadeira morta. O cinismo e a agenda pessoal de cada um sobrepõem-se às convenções, e mostram que de facto todos (por ciúme, egoísmo ou vaidade) poderiam ter sido o assassino, e talvez ainda o desejem ser. Esta amoralidade será o modo de apanhar o assassino.

Destaque especial para a forma de Preminger contar a história mantendo o espectador permanentemente “enganado” quanto ao rumo dos acontecimentos. A voz off de Clifton Webb é ao mesmo tempo um indício e um logro, já que, dando-nos o mote da narração, nos ilude com uma falsa sensação de omnisciência. Talvez por eesse logro nos apercebamos de que essa omnisciência não existe nunca, e também o nosso fascínio não é mais que um desconhecimento sobre quem de facto é “Laura”.

Produção:

Título original: Laura; Produção: Twentieth Century-Fox; País: EUA; Ano: 1944; Duração: 101 minutos; Distribuição: Twentieth Century-Fox; Estreia: 11 de Outubro de 1944 (EUA), 3 de Dezembro de 1945 (Cinema Tivoli, Portugal).

Equipa técnica:

Realização: Otto Preminger; Produção: Otto Preminger; Argumento: Jay Dratler, Samuel Hoffenstein, Elizabeth Reinhardt [baseado no livro de Vera Caspary]; Música: David Raksin; Direcção Musical: Emil Newman; Fotografia: Joseph LaShelle (preto e branco); Direcção Artística: Leland Fuller, Lyle Wheeler; Cenários: Thomas Little; Montagem: Louis R. Loeffler; Guarda-roupa: Bonnie Cashin; Caracterização: Guy Pearce; Efeitos Especiais: Fred Sersen.

Elenco:

Gene Tierney (Laura Hunt), Dana Andrews (Mark McPherson), Clifton Webb (Waldo Lydecker), Vincent Price (Shelby Carpenter), Judith Anderson (Ann Treadwell).