Pânico nos Bastidores, 1950

Etiquetas

, , , , , , , , , ,

Stage FrightO segundo de dois filmes rodados na Inglaterra por Alfred Hitchcock foi “Pânico nos Bastidores”. O filme foi produzido pela Warner Bros., embora tenha sido inicialmente pensado para a sua Transatlantic Pictures. Voltando a filmar a preto e branco, depois de dois filmes a cores, Hitchcock regressava aos dramas criminais, desta vez com a novidade de trabalhar com a célebre Marlene Dietrich. Este foi também o segundo filme consecutivo com Michael Wilding, e o único de Hitchcock com Jane Wyman. Continuar a ler

Sob o Signo de Capricórnio, 1949

Etiquetas

, , , , , , , , , , , , ,

Under CapricornPara produzir o segundo filme da sua Transatlantic Pictures, Alfred Hitchcock viajou para a Inglaterra, onde já não filmava uma longa metragem desde 1940. Filmando pela terceira vez com Ingrid Bergman e pela segunda com Joseph Cotten, Hitchcok voltou a contar com um argumento de James Bridie e Hume Cronyn. “Sob o Signo do Capricórnio”, um drama psicológico e filme de época, baseia-se numa peça de teatro e, tal como no anterior “A Corda”, é constituído por longos planos-sequência de um só take. Continuar a ler

Chopin Imortal, 1945

Etiquetas

, , , , , , , , , ,

A Song to RememberSinopse:
Na Polónia do século XIX, o jovem Frédéric Chopin destaca-se como um prodígio musical, o que leva o seu professor, Joseph Elsner (Paul Muni), a insistir que o jovem seja levado a Paris. A oportunidade é forçada quando o já adulto Chopin (Cornel Wilde) é obrigado a fugir depois de insurgir publicamente contra a influência russa no seu país. Viajando com o professor Joseph Elsner, Chopin ganha a amizade do grande Frazn Liszt (Stephen Bekassy), e da poetiza George Sand (Merle Oberon), que o conseguem fazer destacar nos meios musicais parisienses. Só que, enquanto Joseph Elsner continua a lembrar Chopin que deve usar o seu talento de pianista para dar grandiosos concertos que tragam dinheiro e adeptos para a causa polaca, George Sand tudo faz para isolar Chopin do mundo, para que este componha única e exclusivamente pelo amor à arte. Continuar a ler

A Corda, 1948

Etiquetas

, , , , , , , , , , , , ,

RopeEm 1948 Alfred Hitchcock e o seu amigo Sidney Bernstein fundaram a produtora Transatlantic Pictures, através da qual o realizador procurava conseguir um maior controlo sobre os seus filmes seguintes. O primeiro filme desta nova série foi “A Corda”, um thriller criminal, baseado numa peça de teatro de Patrick Hamilton, e filmado num cenário único, com takes interrompidas apenas para mudar de bobina. Foi também o primeiro filme a cores de Hitchcock, e o primeiro filme que o juntou a James Stewart, que se tornaria um dos seus actores preferidos. Continuar a ler

O Caso Paradine, 1947

Etiquetas

, , , , , , , , , , ,

The Paradine CaseA última produção de Alfred Hitchcock para David O. Selznick foi baseada num argumento escrito pelo próprio produtor. Neste drama de tribunal, conta-se a história da queda de um brilhante advogado, devido à paixão que começa a nutrir pela sua cliente. Gregory Peck regressa como protagonista, num filme que inclui as estreias americanas de Alida Valli e Louis Jordan. O inglês Charles Laughton participa também pela segunda vez num filme de Hitchcock. Mais uma vez, o filme volta a ter um pano de fundo inglês. Continuar a ler

O Grande Amor de Beethoven, 1936

Etiquetas

, , , , , , , , , , ,

Un Grand Amour de BeethovenSinopse:
Ludwig van Beethoven (Harry Baur) após a idade adulta, é já um compositor consagrado em Viena, quando vê duas mulheres disputar o seu amor, Thérèse de Brunswick (Annie Ducaux) e Juliette Guicciardi (Jany Holt). Beethoven está enamorado de Juliette, mas a decisão desta em casar com um conde quase o leva ao suicídio, retirando-se para um velho moinho. É então que Thérèse consegue o seu afecto, e juntamente com alguns amigos, ajudam Beethoven a viver com a sua progressiva surdez. Quando Juliette regressa, arrependida de ter rejeitado Beethoven, este sente-se dividido entre o seu grande amor por ela, e a lealdade a Thérèse. Continuar a ler

Férias de Verão 2014

Etiquetas

Férias de Verão 2014

É Agosto e, tal como no ano passado, a Janela Encantada vai baixar o ritmo das suas publicações, para recarregar baterias e planear novos ciclos.

Assim, o ciclo “Alfred Hitchcock” continuará às quartas-feiras, e será reactivado o ciclo de “Música Clássica no Cinema”. Já o ciclo “Mestres de ficção científica”, irá continuar apenas em Setembro.

Boas férias a quem as puder ter, e bons filmes!

Difamação, 1946

Etiquetas

, , , , , , , , ,

NotoriousNovamente emprestado por David O. Selznick, desta vez à RKO, Alfred Hitcthcock voltou ao romance de espionagem, naquele que muitos consideram o exemplo supremo da maturidade do realizador. Voltando a trabalhar com o argumentista Ben Hetch, Hitchcock tinha de novo consigo a sua diva Ingrid Bergman, à qual se juntava (também pela segunda vez) aquele que viria a ser um dos seus actores preferidos, Cary Grant. A completar o triângulo amoroso do filme estava ainda Claude Rains. Continuar a ler

Blade Runner: Perigo Iminente, 1982

Etiquetas

, , , , , , , , , , , ,

Blade RunnerSinopse:
Em Los Angeles, em 2019, Deckard (Harrison Ford) é um ex-Blade Runner, um detective especializado em executar Replicantes. Estes são clones humanos de vida curta, criados para trabalhar nas colónias extra-terrestres, mas proibidos de vir à Terra. Quando um grupo de replicantes, comandados por Roy Batty (Rutger Hauer), desobedece e vem à Terra para conseguir convencer o seu criador a aumentar-lhes o tempo de vida, Deckard é chamado de novo ao activo para os exterminar. Continuar a ler

A Casa Encantada, 1945

Etiquetas

, , , , , , , , , , , ,

SpellboundEmbora sob contrato com David O. Selznick desde 1939, “A Casa Encantada” foi apenas o segundo filme de Alfred Hitchcock para aquele produtor, que preferia rentabilizar o contrato alugando os serviços de Hitchcock a outros estúdios. Depois de duas curtas-metragens de propaganda de guerra, realizadas em Inglaterra, foi o regresso de Hitchcock às histórias de jovens casais em fuga, desta vez com a novidade do uso da psicanálise. Com argumento de Ben Hetch, o filme foi o seu primeiro com Ingrid Bergman e Gregory Peck, actores que voltariam a trabalhar com o realizador inglês. “A Casa Encantada” ficou ainda famoso pela sequência do sonho, com cenários do pintor surrealista Salvador Dalí. Continuar a ler

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 59 outros seguidores